Covıd-19, Reino Unido, Marcelo Rebelo De Sousa

Covıd-19, Reino Unido

″Uma lição de história″. Marcelo diz que Portugal já apoiou Reino Unido no passado

'Uma lição de história'. Marcelo diz que Portugal já apoiou Reino Unido no passado

04/07/2020 01:49:00

'Uma lição de história'. Marcelo diz que Portugal já apoiou Reino Unido no passado

'(...) Quando se está em baixo precisa-se dos outros. Quando se está no alto - ou quando se pensa que se está no alto - às vezes esquecem-se os outros', afirmou o Presidente da República.

SubscreverO Presidente da República comentava a exclusão de Portugal da lista de 59 países e territórios considerados seguros pelo Governo britânico, o que significa que os passageiros provenientes de Portugal terão de cumprir os 14 dias de quarentena impostos pelo executivo de Boris Johnson devido à pandemia de covid-19.

Líder de organização criminosa depositou 21 cheques na conta de Michelle Bolsonaro Criança negra exibia cartaz a dizer que é adotada em manifestação do Chega Bruno Henrique nega contactos com o Benfica e garante: «Estou focado no Flamengo»

"Em Portugal nós temos situações muito diversas no território português em termos de pandemia - por isso é que há um estado de calamidade, um estado de contingência e um estado de alerta -, que não devem ser tratadas da mesma maneira, porque são diferentes

. E essas realidades diferentes, do nosso ponto de vista, significam que, quem de fora olha para Portugal, tem de olhar para realidades diversas", defendeu Marcelo Rebelo de Sousa.O chefe de Estado acrescentou que"o Algarve tem números que, comparados com alguns números de países estrangeiros - para não estar a identificar um em particular -, são lisonjeiros para o Algarve".

"Uma lição de história", sublinha MarceloMarcelo Rebelo de Sousa notou ainda que Portugal não estabeleceu qualquer limitação ou quarentena a quem vinha, ou vem, do Reino Unido, independentemente dos números da pandemia no Reino Unido, fossem melhores ou piores do que os números portugueses.

Questionado sobre uma eventual alteração das restrições impostas pelo Governo britânico, o Presidente da República disse que se trata de uma"lição da história"."Eu digo só que isto é uma lição da história.

A nossa história mostrou como umas vezes o Reino Unido nos apoiou quando estávamos em baixo, outras vezes apoiámos nós o Reino Unido, mesmo em situações complicadas a nível mundial, quando foi necessário apoiar. Portanto, não há fim da história, não há fim da história

", concluiu Marcelo Rebelo de Sousa.A pandemia de covid-19 já provocou mais de 521 mil mortos, incluindo 1.598 em Portugal.Os Estados Unidos são o país com mais mortos (128.740) e mais casos de infeção confirmados (quase 2,74 milhões).

Líder de corrente conservadora no CDS deixa partido e adere ao Chega Pastores suspeitos de atear incêndios detidos em diferentes pontos do país Cristo Redentor ilumina-se com cores da bandeira do Líbano

Seguem-se Brasil (61.884 mortes, mais de 1,49 milhões de casos), Reino Unido (44.131 mortos, mais de 284 mil casos), Itália (34.833 mortos e mais de 241 mil casos), França (29.893 mortos, mais de 203 mil casos) e Espanha (28.385 mortos, mais de 250 mil casos).

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Psst. Andam por aí uns tipos a querer apagar.a história..sabes? O argumento mais pobre. Também a política confiou. Sobra o presidente Calimero. Esqueçam de vez os ingleses! Eles foram sempre uns interesseiros, querem lá eles saber de Portugal. Sonos uns coitadinhos! Reminiscência do passado Caro Marcelo o que está em causa é saúde pública e não troca de favores!

Numeros são numeros seu palerma ... O sr presidente tem deixar os livros de história e passar para os de saúde... Travalhar duro para nao precisar de nimguem Não querem não querem acabou a conversa não vale a pena estar a chorar e mostrar o desespero respondam na mesma moeda não há paciência. Muito bem presidente! Mas que grande lição.

E verdade ... Lacaios dos ingleses...😂😁 Estamos a falar de saúde pública não se brinca Sem qualquer noção do ridículo E agora Professor, em diplomacia há uma coisa denominada reprocidade de acção. É a paga pela figurinha que andámos a fazer aquando do Brexit. É desesperante ver os que nos governam debitarem parvoíces e culpabilizar terceiros por erros próprios. Assumam, resolvam e deixem-se de lamúrias e bitades revanchistas.

que o diga o boris, não fosse o luis do porto

'Eu recomendo uma revitalização de uma educação para a Saúde nas escolas', sugere José PreciosoProjetos Expresso. O docente e investigador da Universidade do Minho em declarações durante o primeiro debate de “Imunes”, ciclo de conversas sobre saúde que junta a MSD e o Expresso, dedicado ao cancro

Meghan não se sentiu protegida pela família real quando estava grávidaRevelação é feita nos documentos legais da ação que a duquesa de Sussex pôs contra o jornal que divulgou uma carta privada que enviou ao pai.

Saiba onde e quando vão estar os radares em julhoPolícia de Segurança Pública divulgou a lista de radares de controlo de velocidade na estrada deste mês

Quando a Marinha perdeu a guerra na ilha da CulatraAmbientalistas prestaram homenagem ao fundador da associação Almargem evocando o 25º aniversário da suspensão dos exercícios de fogos reais e rebentamentos explosivos em plena ria Formosa.

Cabo Verde otimista quando \u00e0 aprova\u00e7\u00e3o do acordo de mobilidade na CPLP

''Duvido do meu ateísmo quando oiço Amália''A TAP e o acordo entre o governo e os privados, a DGS e a desorientação dos últimos tempos são alguns dos temas da semana no Eixo do Mal. Sim capitalismo do séc XXI ou cronismo /socialismo com jobs for the boys