Um dia de microfone aberto, autocarros à disposição e um auditório bem composto. A caravana comunista no Algarve com 'murros no estômago'

Um dia de microfone aberto, autocarros à disposição e um auditório bem composto. A caravana comunista no Algarve com “murros no estômago”

22/01/2022 04:10:00

Um dia de microfone aberto, autocarros à disposição e um auditório bem composto. A caravana comunista no Algarve com “murros no estômago”

CDU perdeu o deputado em 2019 e desta vez a caravana passa um dia distrito. Com três paragens, a estratégia foi deixar quem cá vive libertar as dificuldades aos microfones.

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.Na única passagem pelo distrito de Faro, onde a CDU perdeu o mandato nas últimas eleições, a estratégia foi deixar o microfone à disposição. De volta, João Oliveira leva “murros no estômago” e o “calor de uma sala cheia”. Mas também deixou sementes, ou melhor, continua a fazer crescer as raízes das críticas ao Partido Socialista.

Decididos a reconquistar o mandato que perderam nas legislativas de 2019, os comunistas vieram a Sul deixar os microfones abertos para quem bem entendeu. Antes do comício da noite a caravana fez duas paragens estratégicas. A primeira no único município do distrito que está nas mãos dos comunistas. Em Silves, no centro de saúde de São Bartolomeu de Messines, João Oliveira foi recebido com entusiasmo, mas deixou que o foco da atenção fossem os utentes da unidade de saúde.

Consulte Mais informação: Observador »

“autocarros à disposição” também há caciques na esquerda? essa é uma informação dramática… Devem ser as últimas eleições 😏 Hi great ppl !

Morreu António Cardoso: um “professor inspirador”, um “investigador reconhecido” e “um gestor com visão”A Universidade do Porto está de luto, perdeu um dos seus melhores: António Silva Cardoso, Vice-Reitor e antigo Diretor do departamento de Engenharia Civil, foi a enterrar esta quinta-feira à tarde na Murtosa, Aveiro.

João Oliveira chega ao Algarve com “um murro no estômago” que mostra as dores do SNSCampanha comunista começou o dia em Silves, num distrito onde tenta recuperar o deputado que perdeu em 2019. CDU quer reverter “falta de investimento” no SNS e diz que sondagens “parecem desligadas da realidade”. Estiveram no governo com o PS. Nos últimos 6 anos foram ao Algarve de férias. Agora vão criticar as suas próprias políticas?

Newsletter Dose Diária - Um contra todos, todos contra um - SAPOUm contra todos, todos contra um Desta vez o debate passou dos ecrãs da TV para as ondas da rádio. E o PM, perdão, o secretário-geral do PS viu-se sozinho contra todos. É a Dose Diária de hoje.

Se eu mandasse... tentaria um acordo para pôr na Constituição um travão ao endividamentoA economista Helena Sacadura Cabral diz o que faria se mandasse: “a Constituição dispõe sobre tantos assuntos, mas sobre o ‘suicídio financeiro’ do país nem uma vírgula…“ E na sua opinião, o que faria se fosse eleito para governar Portugal? Primeira medida: Mandava a HSC para o caralho e que levasse o filho

Legislativas. 'O resultado da CDU é um resultado em construção', diz João Oliveira

Um onze a seguir em 2022Rui Malheiro - Um onze a seguir em 2022

LUSA Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante. Na única passagem pelo distrito de Faro, onde a CDU perdeu o mandato nas últimas eleições, a estratégia foi deixar o microfone à disposição. De volta, João Oliveira leva “murros no estômago” e o “calor de uma sala cheia”. Mas também deixou sementes, ou melhor, continua a fazer crescer as raízes das críticas ao Partido Socialista. Decididos a reconquistar o mandato que perderam nas legislativas de 2019, os comunistas vieram a Sul deixar os microfones abertos para quem bem entendeu. Antes do comício da noite a caravana fez duas paragens estratégicas. A primeira no único município do distrito que está nas mãos dos comunistas. Em Silves, no centro de saúde de São Bartolomeu de Messines, João Oliveira foi recebido com entusiasmo, mas deixou que o foco da atenção fossem os utentes da unidade de saúde. Com uma média de idades bem avançada, um após o outro aproximaram-se do microfone instalado para explicar os problemas que ali se vivem. Não há médicos, os que há não são portugueses e têm manifestas dificuldades de comunicação, já que vários utentes se queixaram de “não perceber nada” do que os clínicos tentam explicar nas consultas. Num registo de proximidade e escuta atenta, João Oliveira não resistiu a dizer que ouvir os testemunhos de dificuldades daquelas pessoas era “mais um murro no estômago”. Com tempo para fazer mais perguntas a quem ali esteve esta manhã, Oliveira preocupou-se com a história que Maria Nascimento, de 72 anos, ali levou. PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR “Venho cá sempre que há reuniões, o meu marido está há 7 anos paraplégico na cama e não tenho ajudas nem para uma fralda. Não temos cá médicos, os que são bons vão embora, os outros não estão cá tempo nenhum, não nos conhecem, não nos podem ajudar. Devíamos juntar-nos todos cá para exigir uma coisa melhor na saúde”, explicou Maria Nascimento frente ao microfone e depois num registo mais discreto a João Oliveira. Mas não foi a única, nem o único tema em que a CDU aproveitou para deixar o microfone aberto. Horas depois, numa sessão em Lagos, o tema era a habitação. Houve lágrimas, de quem sempre “sonhou em comprar casa em Lagos”, mas que perante o aumento dos preços do arrendamento “e a construção apenas de luxo” teve que deixar esse sonho e houve também quem “agradecesse o trabalho ao longo dos anos da CDU”, mostrando-se atento aos pedidos de maioria absoluta “perigosos” de António Costa. Na resposta, de João Oliveira, as críticas à lei Cristas. A contracena estava lançada e seria impossível resistir a mais uma oportunidade de atirar críticas à direita. Com uma ação mais participada de manhã, no entanto, a última frase foi a mesma e captou a atenção: “Camaradas, logo à noite há comício em Faro e há autocarros para quem precisar, estamos a organizar tudo para esse grande momento”. E os autocarros lá estavam. Pouco antes das 21 horas, hora agendada para o início do momento musical — de Ricardo Martins e Cláudio Sousa, nas guitarras portuguesas — os autocarros paravam perto da entrada da Universidade de Faro onde a sala se compunha para ouvir a cabeça de lista Catarina Marques, a presidente da câmara de Silves Rosa Palma e, claro, João Oliveira. A caravana até pode ter sofrido alguns contratempos, mas uma coisa é certa, a máquina bem oleada dos comunistas continua a ser eficaz para encher auditórios, mesmo em tempo de pandemia, mesmo numa noite de inverno fria. João Oliveira ataca Costa: “Quer versão mais ou menos ecológica das soluções limianas de má memória” para evitar “convergência com CDU” E quem apanhou o autocarro até ao comício em Faro saiu de lá com a bagagem recheada de críticas ao PS. Se António Costa não responde, João Oliveira explica. “Em matéria de convergência já se percebeu que a única coisa que o PS quer afastar é a convergência com a CDU e já se percebeu também porquê”, começou por dizer explicando: “Porque a convergência com a CDU obriga o PS a dar resposta a problemas”. E a colagem do PS à direita é um dos focos centrais. Diz o secretário-geral temporário que com a CDU os socialistas têm que “abandonar opções da política de direita a que querem dar andamento, têm que adotar medidas de combate às injustiças e de valorização do trabalho, reforçar os serviços públicos e combater os interesses dos grupos económicos”. Com António Costa a dizer que volta a levar ao Parlamento o Orçamento que precipitou a crise política, a CDU insiste no ponto que ditou a clivagem entre os dois partidos: o aumento do salário mínimo nacional para os 850 euros. “Não é para daqui a quatro ou cinco anos, mas para este ano e para o próximo que o salário mínimo deve ser fixado em 800 e 850 euros”, atirou o comunista dizendo ainda que “de nada servem as boas intenções” quando se recusa “revogar as normas gravosas da lei laboral”. Leia também: