Opinião Pandemia Covid-19

Opinião Pandemia Covid-19

Um desafio importante

22/06/2021 00:01:00

Comentando um dos meus últimos artigos, Mistérios da vacinação, a minha colega Joana Martins enviou-me uma curiosa mensagem com uma sugestão: «Deixo o desafio para uma próxima vez: o mistério da multiplicação dos médicos de família que nesta pandemia têm respondido em todas as frentes – trace covid, ADR, centros de vacinação, juntas médicas…».

Vilamoura em festa como se não houvesse pandemia “Não é uma rejeição de Israel, é uma rejeição da política israelita que perpetua uma ocupação ilegal”, dizem fundadores da Ben & Jerry's Ler é o melhor remédio

Com algum toque de humor, esta mensagem reflete a preocupação de uma médica de família em conseguir conciliar a sua atividade habitual com as outras tarefas que, de repente, caíram em cima destes profissionais, obrigando-os a mudar por completo as rotinas. 

A dra. Joana Martins, médica de família por vocação, é uma excelente profissional, muito dedicada aos doentes e sempre pronta a colaborar no serviço. Lembro-me da época em que chegou à unidade onde eu trabalho. Era a colega mais nova do grupo, ‘a nossa Joaninha’, como carinhosamente a tratávamos. Transmitimos-lhe um pouco da nossa experiência – e também aprendemos com a sua nova forma de trabalhar, de acordo com as normas que passámos a ter de cumprir.  headtopics.com

A chamada de atenção que ela faz na mensagem que me enviou é importante e merece ser abordada, até por não sabermos o que o futuro nos reserva e é bom estarmos preparados para o que pode vir aí.Apesar de haver no Estado três carreiras médicas – hospitalar, medicina familiar e saúde pública (excluo a medicina legal, por pertencer a outro departamento) – em alturas de crise o trabalho suplementar parece recair mais na medicina familiar do que nas outras duas, como novamente se verificou durante o tempo de pandemia. 

Com efeito, a deslocação dos médicos de família para os ADR (atendimento das doenças respiratórias), o trabalho acrescido com o Trace Covid (contacto telefónico diário, incluindo fins de semana com os doentes infetados), a colaboração nas juntas médicas (como é o meu caso) e agora mais recentemente nos centros de vacinação, tudo em acumulação com o trabalho normal nos centros de saúde, veio desorganizar o serviço e alterar rotinas com o inevitável prejuízo para os doentes.

Então, é legítima a pergunta: a pandemia não afetou todas as carreiras? Qual a razão para serem só alguns (neste caso, os médicos de família) os mais sacrificados? Não seria mais razoável, em situações anómalas, ‘dividir o mal pelas aldeias’, distribuindo tarefas por todos? 

Com estas ‘multiplicações’ de serviços, os centros de saúde não podem dar a resposta adequada – e a falta de resposta dos cuidados primários vai provocar complicações a nível hospitalar, podendo levar ao colapso do SNS. E depois quem paga a fatura? Os doentes, os eternos ‘pagadores’.  headtopics.com

Estado vai pagar salário de trabalhadores que querem estudar Defesa acredita que Ricardo Salgado tem indícios de demência Nélson Évora acredita que pode chegar ao pódio

Por estas e por outras, a medicina familiar vai-se transformando numa espécie de ‘manta de retalhos’, afastando-se cada vez mais da sua missão mais nobre – a prevenção. Ouvi em tempos dizer a um representante da Ordem dos Médicos que, para ele, a Medicina Familiar era a especialidade que mais se tinha degradado nos últimos anos. Hoje, com mágoa, compreendo o significado daquele comentário tão negativo. Por isso, é preciso apoiar os profissionais que optaram por esta área.

Muitos daqueles que a escolheram por vocação, e alimentaram expectativas que não se concretizaram, acabaram por abandoná-la, dando outro rumo às suas vidas. No meu centro, conheço alguns que desistiram, trocando o SNS pelos convites aliciantes do setor privado. O Estado ficou a perder. É isto que se quer? Vamos continuar assim?

Aqui fica o meu alerta. Em tempos de aflição, não faz sentido pedir sacrifícios sempre aos mesmos. Esses ‘pedidos’ acarretam outro tipo de problemas – e os doentes é que sofrem. Com o adiar constante de consultas, de exames e de cirurgias, podemos estar a ‘adiar’ também a vida de seres humanos. Pensemos nisto agora, que entrámos no desconfinamento e não queremos regressar ao passado.

Não podia ficar indiferente ao desafio que me foi feito. Acho que é um bom instrumento de reflexão para analisar o passado e olhar com outros olhos para o futuro. Obrigado, Joaninha. Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Quiz: pode um golo ser marcado na sequência de um pontapé livre?Responda ao quiz e teste os seus conhecimentos. Para cada pergunta há apenas uma resposta certa. No fim, confira o resultado, leia as explicações, do ex-árbitro internacional Duarte Gomes, e pode partilhar este conteúdo.

Peixinho: o asteróide que recebeu o nome de um astrofísico portuguêsTem dez quilómetros de diâmetro e está situado entre Marte e Júpiter. O astrofísico Nuno Peixinho revela ter ficado contente com a distinção que fará o seu nome perdurar no espaço, “enquanto houver humanidade e astronomia”. E tranquiliza: o asteróid

Há um asteroide com o nome do astrofísico português Nuno PeixinhoFoi descoberto a 16 de setembro de 1998, numa campanha de observações do Observatório de Lowell, nos EUA.

Valtteri Bottas: «Senti-me um verdadeiro saco de pancada...»Piloto finlandês da Mercedes 'arrasa' estratégia da equipa no GP de França

Em Espanha dizem que Paulo Sousa é parecido com Pitingo, um conhecido cantor de flamencoJogo da Vida - Em Espanha dizem que Paulo Sousa é parecido com Pitingo, um conhecido cantor de flamenco

EUA. Um morto e um ferido em atropelamento durante marcha LGBTIUma pessoa morreu e outra ficou ferida depois de terem sido atropeladas por uma carrinha na Florida. As duas vítimas do atropelamento desfilavam numa marcha de celebração LGBTI.