Eleições Presidenciais, Iniciativa Liberal

Eleições Presidenciais, Iniciativa Liberal

Tiago Mayan Gonçalves. ″Não entendo porque é que Graça Freitas ainda é diretora-geral da Saúde″

Tiago Mayan Gonçalves. 'Marcelo não foi Presidente, foi ministro da propaganda do Governo'

23/11/2020 11:05:00

Tiago Mayan Gonçalves. 'Marcelo não foi Presidente, foi ministro da propaganda do Governo'

O candidato a Belém apoiado pela Iniciativa Liberal fala ainda de 'total incompetência' do executivo de António Costa na gestão da pandemia' e diz que 'Marcelo foi ministro da propaganda' do Governo.

SubscreverMarcando uma clara diferença em relação ao atual chefe de Estado, o candidato liberal afirma que,"independentemente de direitas e esquerdas", espera que"eleitores que não se revejam neste presidente, que abdicou de exercer o seu mandato", e vejam na sua candidatura"uma proposta válida e moderada".

Covid-19. Enfermeiros denunciam casos de pessoas vacinadas que não têm contacto com doentes Presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz foi vacinado sem fazer parte dos grupos prioritários Sondagem Expresso/SIC: Maioria dos portugueses queria adiamento das presidenciais

"Eu também sou um candidato contra todo o tipo de extremismos, de qualquer espetro e de qualquer ponta nesse espetro de esquerda/direita", assegura, respondendo que um bom resultado"é conseguir transmitir o que é que um presidente liberal representa para os portugueses".

O liberal elenca uma longa lista de situações para sustentar as suas críticas ao atual Presidente da República, começando pela vacina da gripe e passando pela"narrativa do milagre português, a proclamação de jogos de futebol em pleno Palácio de Belém enquanto fechavam canais de voo para o país, o incêndio de Pedrógão, a tragédia das mortes no Lar de Reguengos e Tancos". headtopics.com

"Tantos, tantos exemplos em que Marcelo, quando age, age para fazer cobertura ou para fazer distrações e permitir que o Governo atue sem controlo e sem que haja regular funcionamento das instituições", condena.Para o advogado portuense de 43 anos, esta forma de atuar do atual chefe de Estado é norteada"por um objetivo meramente narcisístico e pessoal de querer a reeleição" nas presidenciais do próximo ano.

"Marcelo o que fez, a partir do primeiro dia em que tomou posse, foi deixar de ser presidente e passar a ser candidato presidencial e a estratégia para isso foi colaborar com o Governo, que era o que estava na altura. Se fosse outro provavelmente faria a mesma coisa", disse.

Na perspetiva de Tiago Mayan Gonçalves,"a estratégia foi ser colaboracionista com o Governo porque contava com isso garantir uma reeleição"."O que eu critico é o desempenho de Marcelo nas suas funções presidenciais"

"E não só uma reeleição porque eu penso que também estava dentro do sonho dele garantir uma reeleição apoteótica. Aqui a pandemia acabou por lhe causar dificuldades para esse objetivo, mas o objetivo de reeleição ainda o tem e, portanto, isso foi uma estratégia", justifica. headtopics.com

Fecho das escolas sem ensino à distância recebido com surpresa Ser apanhado duas vezes sem máscara pode custar 1333 euros Enfermeiros denunciam casos de vacinações contra a Covid-19 em profissionais que não têm contacto direto com doentes

O anunciado candidato liberal vê outros dos seus concorrentes nestas eleições"a elogiarem o desempenho presidencial de Marcelo, mas a criticarem-lhe o estilo"."Eu faço precisamente o contrário. O que eu critico é o desempenho de Marcelo nas suas funções presidenciais. Mas o estilo, de aproximação, de descrispação com as pessoas, acabou por ser importante e é isso que lhe traz tanta popularidade", considera.

À pergunta de quem é o seu grande adversário nas eleições presidenciais a que concorre, Tiago Mayan Gonçalves não hesita por um segundo:"é Marcelo, claro. É o incumbente e eu creio que ele será candidato - apesar de ainda manter o tabu - e é contra quem eu concorro".

Sobre o nome apoiado pelo Chega, André Ventura, o liberal observa que"aparentemente não é um candidato presidencial porque raramente fala desse aspeto", mas deixa claro que representa"valores diametralmente opostos em praticamente tudo".

"Não entendo porque é que Graça Freitas ainda é diretora-geral da Saúde"Para o local da entrevista à Lusa, o candidato apoiado pela Iniciativa Liberal escolhe simbolicamente um restaurante, uma vez que este é um dos setores mais afetados pela crise provocada pela pandemia de covid-19, cuja gestão do Governo muito critica. headtopics.com

"Eu não entendo porque é que a diretora-geral da Saúde [Graça Freitas] ainda é diretora-geral da Saúde. Não consigo entender, sinceramente", critica, considerando queo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa,"tem sido um sustentador de um Governo sem rumo, sem direção, nesta pandemia".

Tiago Mayan Gonçalves aponta vários"aspetos de total incompetência do Governo na gestão da pandemia"."Quando vimos [o primeiro-ministro] António Costa a sustentar a declaração do estado de emergência com um queijinho em que 95% das infeções ali identificadas -- quando, noutros países, grande parte das infeções têm origem desconhecida, mas nós miraculosamente conseguimos identificar 95% das infeções - e 68% estão a vir das famílias. Há aqui alguma informação que não está bem",

Ventura. Choveram pedras em Setúbal e PSP interveio para manter ordem pública Alemanha também antecipou férias escolares SEF já indemnizou viúva de Ihor Homeniuk

exemplifica.Um"país e dois sistemas" é outra das críticas de Tiago Mayan Gonçalves em relação à atuação do executivo socialista sobre a covid-19, referindo que"se criam regras, mas depois criam-se exceções ao lado, exceções incompreensíveis para o cidadão comum e que depois minam a confiança nas medidas que se estão a tentar implementar".

"A cegueira ideológica de não termos recorrido aos privados a tempo e horas matou pessoas, está a matar pessoas e vai continuar a matar pessoas""A primeira coisa que eu faria, enquanto presidente, se fosse eleito, era reunir de urgência com o Governo, Conselho de Estado e outros agentes para determinarmos e planearmos da forma mais rápida possível o retorno à normalidade constitucional", a

nuncia.Na perspetiva do advogado, a situação atual,"de contínuas imposições arbitrárias, 'achismos', de limitações aos direitos, liberdades e garantias, destrói vidas"."O fechar aos fins de semana depois das 13:00 destrói negócios e destrói vidas. A cegueira ideológica de não termos recorrido aos privados a tempo e horas matou pessoas, está a matar pessoas e vai continuar a matar pessoas", condena.

Marcelo Rebelo de Sousa, para Tiago Mayan Gonçalves,"tem sido um porta-voz das narrativas do Governo e nesse aspeto é só o Governo a fazer o que acha, a exercer atos e omissões por cegueira ideológica, por incompetência, por incapacidade".

Ainda a propósito da pandemia e questionado sobre o bloqueio na chegada da chamada"bazuca europeia", o candidato liberal aproveitou para voltar a apontar aos socialistas."Fala-se muito aí de acordos com a extrema-direita e aí foi um acordo que Costa fez com a extrema-direita de Viktor Orbán que falhou. Ele tentou fazer, mas falhou. E realmente temos agora esse problema: a bazuca europeia está, pelo menos, atrasada alguns meses", afirma.

O problema, na perspetiva de Tiago Mayan Gonçalves, é porque é que os portugueses têm de"ser pedintes" e"andar a pedir esmola"."Porque é que não estamos num país que aproveitou estes anos todos de União Europeia para criar um país próspero, que aguentasse este embate sem ter que andar de mão estendida para a Europa mais uma vez", lamenta.

O liberal concorda que a União Europeia"tenha posto como cláusula condicional a questão do respeito do estado de direito", uma vez que isso é essencial."O que acho inaceitável é que o nosso primeiro-ministro ache que o respeito pelo estado de direito é algo dispensável só porque precisa de receber a bazuca europeia. Isso para mim é que é chocante", condena.

Tiago Mayan Gonçalves foi militante do PSD -- de onde ainda recebe num email as newsletters, mas que garante que"vão para spam, claro" -, e é eleito suplente pelo Movimento de Rui Moreira à Assembleia da União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde.

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Quem é o... coiso? Este queria a presidência a fazer política activa como o Cavaco. Força Tino. Tu consegues ficar à frente deste gajo 💪🏽