Testes à Covid-19 são obrigatórios para acesso a lares, estabelecimentos de saúde e grandes eventos

25/11/2021 21:28:00

Novas medidas para travar a pandemia foram anunciadas esta quinta-feira.

Covid-19, Sars-Cov-2

Sociedade - Testes à Covid-19 são obrigatórios para acesso a lares, estabelecimentos de saúde e grandes eventos

Novas medidas para travar a pandemia foram anunciadas esta quinta-feira.

António Costa anunciou novas medidasFOTO: LusaO acesso a lares, estabelecimentos de saúde e grandes eventos culturais ou desportivos passa a exigir a apresentação de teste de deteção do vírus SARS-CoV-2 com resultado negativo, mesmo para pessoas vacinadas contra a covid-19, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro.

Em conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, que aprovou medidas para conter a pandemia, António Costa assumiu a necessidade de"incrementar as situações em que o recurso a testes é obrigatório e condição para acesso a certos locais ou certas atividades", face ao agravamento da situação epidemiológica no país, enumerando as estruturas abrangidas por este requisito.

Consulte Mais informação:
Correio da Manhã »

Covid-19: testes rápidos gratuitos disponíveis em quase 800 farmácias e laboratóriosOs testes gratuitos continuam a ser limitados a quatro por mês e por utente, sendo que os testes apenas podem ter lugar nas farmácias e laboratórios devidamente autorizados pela Entidade Reguladora de Saúde como já acontecia antes.

Governo anuncia novas medidas de combate à covid-19: veja a conferência em diretoFora de Campo - Governo anuncia novas medidas de combate à covid 19: veja a conferência em direto

Prorrogado inquérito a alegada prevaricação de Bolsonaro em importação de vacina indiana contra a Covid-19Ministério da Saúde classificou recentemente como sigilosos os processos relacionados ao contrato da compra da vacina.

OMS alerta: covid-19 é a primeira causa de morte na EuropaOrganização Mundial da Saúde prevê que até ao início de março morram mais 700 mil pessoas devido à pandemia.

Covid-19: cerca de um quarto dos inquiridos num estudo perdeu rendimentosCerca de um quarto dos inquiridos num estudo perdeu rendimentos com a pandemia

OMS considera que é altura para debater obrigatoridade da vacina contra a covid-19Europa pode vir a ter mais de meio milhão de mortes na primavera de 2022 se não forem tomadas medidas urgentes em breve. A OMS vai acabar mal, e o plano dos arcontes é esse, é sacrificar o Tedros Adhanom Ghebreyesus por ter apoiado os movimentos revolucionários de esquerda e o Tigray People's Liberation Front e assim todos os grupos revolucionários e libertários (que são na sua maioria de esquerda) Obrigar uma vacina para uma doença que tem um tx de letalidade pouco mais de 1% é a coisa mais estapafúrdias que já se viu. Mata mais o tabaco e ainda nao foi proibido! O tabaco mata 8M de pessoas por ano. O COVID-19 em 2 anos matou 5M. Aqui apenas existe um interesse: Money 💰 Debater não, implantar. Chega de dar asas a esses babacas q tem medinho de vacina, bando de frouxo e uns cretinos q não respeitam a vida em sociedade.

Lusa António Costa anunciou novas medidas FOTO: Lusa O acesso a lares, estabelecimentos de saúde e grandes eventos culturais ou desportivos passa a exigir a apresentação de teste de deteção do vírus SARS-CoV-2 com resultado negativo, mesmo para pessoas vacinadas contra a covid-19, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro.covid-19 , no âmbito do regime que prevê a sua comparticipação a 100%, estão disponíveis em 622 farmácias e 158 laboratórios de Portugal continental, segundo o Infarmed.Ativar Cookies Marketing Automation certified by Copyright © 2021.Lusa Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro FOTO: Getty Images Uma juíza do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro prorrogou esta terça-feira por mais 45 dias o prazo do inquérito que investiga a alegada prática de prevaricação pelo Presidente, Jair Bolsonaro, no caso da importação da vacina indiana Covaxin.

Em conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, que aprovou medidas para conter a pandemia, António Costa assumiu a necessidade de"incrementar as situações em que o recurso a testes é obrigatório e condição para acesso a certos locais ou certas atividades", face ao agravamento da situação epidemiológica no país, enumerando as estruturas abrangidas por este requisito. "Em primeiro lugar, para as visitas aos lares. As pessoas podem consultar as farmácias e laboratórios da sua localidade através destas , que estão em “constante actualização”, através do site do Infarmed. Gostaria de sublinhar que não há nenhuma medida que esteja em vigor que restrinja de qualquer forma que os familiares possam visitar os seus familiares que estão a residir em lares.A. Contudo, para proteção dos familiares e de toda a comunidade que vive e trabalha no lar, para as visitas passa a ser necessário a exigência de teste para se poder entrar", disse. O regime excepcional e temporário tinha cessado em Outubro, tendo em conta que Portugal estava próximo de atingir os 85% da população totalmente vacinada contra a covid-19 , mas o ministério decidiu reactivá-lo devido à actual situação epidemiológica, com o aumento de casos de covid-19 e dos internamentos. António Costa salientou também a obrigação de apresentação de teste com resultado negativo nas"visitas aos doentes que estão internados em qualquer estabelecimento de saúde", bem como para"todos os grandes eventos, qualquer que seja a sua natureza, cultural ou desportiva, que se verifiquem em lugares improvisados, sem lugares marcados e em todos os recintos desportivos, cobertos ou ao ar livre". Rosa Weber classificou de"insólita" a iniciativa do executivo de impedir o acesso público às informações de determinado contrato administrativo, cuja divulgação não põe em risco a segurança da sociedade ou do Estado.

Leia também Bares e discotecas podem reabrir a partir de 1 de outubro O primeiro-ministro anunciou ainda que o teste passa também a ser um"requisito para se poder entrar nas discotecas e nos bares", além da atual exigência do certificado digital. Explicou ainda que a comparticipação de testes, mesmo num cenário onde mais de 86% da população já está completamente vacinada , pretende facilitar o acesso dos cidadãos nas situações em que os testes estão indicados. António Costa apelou para a realização de mais autotestes pela população, sublinhando a importância desta medida para acautelar a quadra natalícia. "Sempre que possível, devemos fazer autotestes. Os testes gratuitos ficam limitados a quatro por mês e por utente, sendo que os testes apenas podem ter lugar nas farmácias e laboratórios devidamente autorizados pela Entidade Reguladora de Saúde como já acontecia antes. Por exemplo, antes de nos juntarmos às nossas famílias; nas vésperas e no dia de Natal devemos fazer um autoteste para assegurar que protegemos aqueles que nos são mais queridos", frisou, elencando ainda os testes PCR e os testes rápidos de antigénio como alternativas. E insistiu sobre os cuidados especiais em relação ao Natal:"É uma medida para nossa própria proteção e daqueles que nos rodeiam, em particular antes de as famílias se reunirem no Natal é muito importante que cada um possa fazer autoteste, de forma a ter a garantia de que não põe em risco nenhum dos seus entes mais queridos". Este ano foram efectuados cerca de 48 mil testes por dia, em média, mais de 70% do total de testes de diagnóstico realizados desde o início da pandemia, adiantam os dados divulgados em 6 de Novembro. Em junho, o deputado federal Luis Miranda, que integrou a base de apoio do Governo, e seu irmão, Luis Ricardo Miranda, chefe de importação do Ministério da Saúde, disseram à CPI que denunciaram ao Presidente brasileiro pressões indevidas e supostas irregularidades no contrato de intenção de compra firmado para a aquisição de 20 milhões de doses da Covaxin.

Leia também .