Serviço Nacional De Saúde, Saúde, Ministério Da Saúde, Hospitais, Governo, Lei De Bases Da Saúde, Médicos, Marta Temido, Orçamento Do Estado

Serviço Nacional De Saúde, Saúde

“Temos um problema de organização” no SNS, diz Marta Temido

Serviço Nacional de Saúde: “Temos um problema de organização” no SNS, diz Marta Temido

22/10/2021 00:56:00

Serviço Nacional de Saúde: “Temos um problema de organização” no SNS, diz Marta Temido

Em entrevista ao Telejornal da RTP, a ministra da Saúde esclareceu algumas questões sobre o novo Estatuto do SNS, aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros e que segue para audições e consulta pública, que o Governo pretende que entre em v

ANTÓNIO COTRIM/LUSAA ministra da Saúde admitiu, esta quinta-feira, que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem um “problema de organização”. Em entrevista aoTelejornalo novo Estatuto do SNS, aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros e que segue para audições e consulta pública, que o Governo pretende que entre em vigor em simultâneo com o Orçamento do Estado para 2022.

Benfica igualou recorde com 57 anos Blaya Rodrigues: “Não podemos esquecer quem éramos antes. Isto aqui, o bebé, é só um extra” Como interpretar o novo “semáforo” alemão

Questionada sobre o facto de alguns hospitais estarem no limite e em situações de ruptura — o que já levou, por exemplo, àdemissão em bloco de 87 médicos do Hospital de Setúbal—, Marta Temido explicou que “o SNS, como todos os serviços de saúde, tiveram uma pressão extraordinária ao longo dos últimos quase dois anos”. “Mas os problemas não são novos, muitos deles são problemas que têm um lastro considerável”, admitiu.

Por outro lado, a ministra da Saúde garantiu que esta “não é uma questão de meios”, destacandoas verbas destinadas ao SNSe que, desde 2015, foram contratados mais 29.000 profissionais de saúde, dos quais 5300 médicos e 11.000 enfermeiros. headtopics.com

“Temos um problema de organização. Em contexto de pandemia, um conjunto de reformas que estavam associadas àNova Lei de Bases da Saúdee ao Programa do Governo não puderam ser realizadas”, afirmou.Marta Temido destacou ainda que o Governo tem trabalhado no novo Estatuto do SNS “ao longo dos últimos meses, com muitas outras coisas também em cima da mesa”. “Consideramos que este era o momento possível para dar aqui um novo impulso porque esperamos, apesar de não estarmos ainda livres totalmente da pandemia, que os próximos meses sejam mais tranquilos”, acrescentou.

Em relação à autonomia dos hospitais para contratar pessoal, a ministra da Saúde referiu que se trata do “regresso a um regime que já existiue que por circunstâncias várias deixou de estar a funcionar nos últimos anos e que passará a permitir que quer os hospitais quer as administrações regionais de saúde possam fazer contratações com autonomia”. “No caso dos hospitais para todo o tipo de contratos, no caso das administrações regionais de saúde para contratos de substituição de profissionais temporariamente ausentes”, disse.

Marta Temido esclareceu que as instituições passam a poder contratar directamente os profissionais “que não os integrados na carreira médica”, “obviamente seguindo os princípios gerais da transparência, da organização de concursos, da organização de reservas de recrutamento”.

Já a contratação de médicos continua a acontecer através de “dois concursos centralizados anualmente”. “Em todas as outras áreas profissionais essa autonomia é recuperada e é estendida para as administrações regionais de saúde para os casos de substituições temporárias”, explicou. headtopics.com

Comissão Política. A vitória de Rei Rio, o que ela quer dizer sobre o PSD e as apostas para as legislativas Diogo Jota: da consola para a vida real Perfil: quem é o coronel que agora comanda a vacinação

Relativamente à criação de uma direcção executiva para coordenar a assistência de saúde, a ministra esclareceu que “aquilo que se pretende é que a direcção executiva tenha funções mais operacionais”. “O Ministério da Saúde tem uma responsabilidade política específica sobre o SNS, até porque o SNS é o garante do direito à protecção da saúde nos termos constitucionalmente consagrados. Mas o Ministério da Saúde tem de ter uma preocupação sistémica, não pode substituir-se a uma coordenação executiva e operacional que, no caso do nosso sistema, não estava atribuída a uma entidade”, explicou, destacando que outros modelos como, por exemplo, o inglês têm já essa direcção executiva.

“Uma das lições que a pandemia nos trouxe foi que há necessidade de melhorar essa articulação entre hospitais, cuidados de saúde primários, entre as várias regiões, com os cuidados continuados, com os cuidados domiciliários. E, portanto, esta estrutura não é mais uma camada de direcção, é uma estrutura diferente que se pretende ágil e pouco complexa que vai, sobretudo, utilizar estruturas preexistentes, mas ter uma função específica: coordenação e integração de cuidados”, acrescentou.

Em relação aoregime de dedicação plena dos médicos do SNS, Marta Temido sublinhou que “não é obrigatório a não ser para novos médicos” e para “os médicos em funções de direcção de serviço e departamento que venham a ser nomeados para essa função”. “Para os restantes é facultativo e depende da aceitação de uma carta de compromisso assistencial”, disse, destacando que o objectivo é criar “incentivos à produtividade”.

“Tem de haver uma negociação de uma carta de compromisso assistencial entre os médicos que adiram voluntariamente e a instituição para a qual trabalham que atenda a metas de acesso, de qualidade e de sustentabilidade e que terá como contrapartida uma valorização remuneratória para aquele concreto profissional. No caso das direcções de serviço, este compromisso não se cinge em actividade assistencial — são funções de organização e essa dedicação plena e obrigatória será para as novas direcções”, notou. headtopics.com

Sobre o aumento salarial para os médicos, será um valor que o Governo irá agora “discutir com as estruturas sindicais”. “Temos uma ideia porque tudo isto, no fundo, tem um enquadramento naproposta do Orçamento do Estadoque foi apresentada à Assembleia da República, mas vamos trabalhar com as estruturas sindicais para três aspectos: em primeiro lugar, o valor deste acréscimo da remuneração base; por outro lado, a majoração das horas trabalhadas se forem incorporadas”, disse. A ministra explicou também que “para as direcções de serviço a incompatibilidade decorrente da dedicação plena é não só face ao exercício de funções de direcção ou chefia em entidades do sector privado ou social, mas também na limitação daquilo que as pessoas podem acumular de actividade assistencial fora do SNS”.

A pandemia também não escapou à conversa, com Marta Temido a destacar quePortugal regista, neste momento, uma incidência da covid-19 a 14 dias de 85 casos por cem mil habitantese que a média europeia é de 190. “Há países que estão acima de mil e há três ou quatro países que estão abaixo de Portugal. Aquilo que estamos todos a constatar é que vamos entrar numa fase em que o vírus se vai tender a propagar mais pelas suas próprias características: mais espaços fechados, condições climatéricas menos favoráveis ao arejamento”, disse, destacando que “há algumas situações mais extremas” devido a “baixas taxas de vacinação”.

Portugueses sem medo de viajar esgotam Natal e passagem de ano Tom Stoddart (1953-2021), o repórter que procurava o sítio certo e a hora certa Madalena Abecasis: Ser mãe a tempo inteiro “vale todo o dinheiro do mundo”

“Este tipo de vírus tem maior propensão para a sua disseminação em temperaturas baixas e em determinadas condições”, sublinhou. Para combater essa propagação, o Governo vai “reforçar as campanhas de comunicação para a necessidade de medidas de protecção não farmacológicas”.

Nesta segunda-feira, deu-se também início àvacinação em co-administração da vacina da gripe e da terceira dose da vacina da covid-19para os maiores de 65 anos. Mas há uma ressalva: “Só vamos conseguir intensificar esse processo em Novembro. Os prazos de entrega da vacina da gripe atiram-nos mais para essa data e a co-administração para ser eficiente coloca-nos nessa data. Temos de ser muito cautelosos.”

Consulte Mais informação: Público »

Novo estudo sobre a origem da Covid-19 aponta para mercado de Wuhan

temos de agradecer à Ordem dos Médicos a sua excelente capacidade para destruir o SNS. Temos, não, TENS TU. Verdade. Deve ser culpa do Passos.

Inspeção-geral das Atividades em Saúde audita 11 unidades do SNS11 centros hospitalares e hospitais do SNS estão a ser sujeitos a ações da IGAS no sentido de avaliar os seus mecanismos de controlo interno em termos financeiros, contabilísticos e até de recursos humanos.

Governo aprova Estatuto do SNS e alterações à legislação laboral Marta Temido : 'Novo estatuto do SNS vai ser submetido a consulta pública'

Médicos em dedicação plena no SNS só não podem exercer cargos de chefia no privadoO Conselho de Ministros aprova medidas para satisfazer BE e PCP e garantir a viabilização do Orçamento do Estado para 2022. Em causa está o estatuto do SNS, o estatuto dos trabalhadores do espectáculo e alterações ao Código do Trabalho.

Médicos: ou há exclusividade opcional no Orçamento ou o SNS definhaTrata-se de impedir o esvaziamento do Serviço Nacional de Saúde em termos de especialistas.

Médicos em dedicação plena no SNS não poderão exercer cargos de chefia no privadoMedida vai ser aprovada no Conselho de Ministros e resulta da negociação do Bloco de Esquerda com o Governo para a viabilização do Orçamento do Estado

Novo estatuto do SNS prevê dedicação plena dos médicosO novo Estatuto do Serviço Nacional de Saúde (SNS), aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros, prevê a dedicação plena aplicada progressivamente aos médicos e a criação de uma direção executiva para a gestão do SNS, anunciou o Governo . GOVERNOBEM ..caminhamos para a morte do SNS. Ou de facto a carreira fica por demais aliciante com ordenados a acompanhar ou foge tudo para o privado . Privado onde até uma enorme fatia dos Portugueses já vai ou tem de ir com maior ou menor custo.