'Temos de ver isto com normalidade, a Ómicron não é um problema'. Virologista Pedro Simas diz que infeções ainda vão subir em Portugal

01/12/2021 23:10:00

“Temos de ver isto com normalidade, a Ómicron não é um problema“. Virologista Pedro Simas diz que infeções ainda vão subir em Portugal

“Temos de ver isto com normalidade, a Ómicron não é um problema“. Virologista Pedro Simas diz que infeções ainda vão subir em Portugal

No congresso de turismo que decorre em Aveiro, o virologista defendeu que a economia não deve fechar e que a chave para esta fase em que o vírus se está a tornar endémico é o reforço da vacinação. 'A partir da próxima Páscoa as coisas vão mudar completamente ', garantiu

Conceição Antunes Jornalista Os casos de covid estão a subir em Portugal, mas"não podemos entrar em pânico porque estes níveis de infecāo são normais" e ainda irão subir mais no país, não se devendo com isto avançar com medidas restritivas de fecho da economia e da sociedade- adiantou Pedro Simas, virologista e investigador principal do Instituto de Medicina Molecular, no congresso da Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo (APAVT) que decorre em Aveiro até 3 de dezembro..Saiba mais.Abraham, em disputa com Medel, é baixa para a recepção ao Inter de Milão EPA/ELISABETTA BARACCHI A Roma de José Mourinho perdeu, por 1-0, nesta quarta-feira, na deslocação a Bolonha, em partida referente à 15.

"Esta estirpe Ómicron já está na Europa toda e vai-se espalhar pelo mundo inteiro.Mas não é um problema, as variantes nunca foram um problema", salientou o especialista, frisando tratar-se do processo natural de imunização num quadro pandémico.HABIB NAQASH desigualdade de género é verificada na disponibilidade de acesso à Internet: Globalmente, 62% dos homens acede à Web, quando 57% das mulheres o faz ; Nos países desenvolvidos praticamente não se verifica esta diferença (89% dos homens e 88% das mulheres"estão online") , nos países mais pobres e em desenvolvimento, vive-se o contrário: 31% dos homens acedem à Internet, enquanto apenas 19% das mulheres o consegue fazer ; Esta diferença é mais acentuada em duas regiões do globo: em África, com 35% nos homens e apenas 24% nas mulheres ; e nos países árabes, com 68% nos homens e 56% nas mulheres ; Internet tarda em chegar ao mundo rural Por todo o globo, o mundo rural continua mais longe do acesso ao universo online que o mundo urbano."O nível de infeções que temos em Portugal nesta fase da endemia ainda é baixo e vai subir mais, mas temos de encarar isto com normalidade", explicitou o virologista no congresso de turismo, frisando que o foco deve estar agora não no número de infeções mas no de internamentos e de mortes, que é muito inferior ao que se assistiu em vagas anteriores da pandemia.Os números da vacinação em Portugal e no Mundo Pelo menos vinte pessoas no Aeroporto de Lisboa e três no de Faro foram multadas por terem desembarcado sem o teste negativo à covid-19, obrigatoriedade que entrou em vigor às 00:00 desta quarta feira.Mesmo tendo em conta que temos pela frente um período frio de inverno,"não vai ser por causa da covid que nos vamos descontrolar como aconteceu no ano passado, e há que ter cautela quando impomos restrições", salientou.BROWN Também o binómio cidade-campo, como descreveria Cesário Verde, se reflete nesta realidade, com uma dificuldade maior nos países com menor nível de urbanização em conectarem-se : 76% da população urbana acede à Internet , apenas 39% da A diferença é mais acentuada nos países subdesenvolvidos (47% em meios urbanos contra 13% em meios rurais) do (89% em meios urbanos contra 85% em meios rurais) ; Internet não isenta de culpas Refira-se, também, que pode, por vezes, não se encontrar adaptado às populações dos países mais desfavorecidos."Não podemos correr o risco de não abrir a sociedade e de começarmos todos a perder imunidade".José Mourinho perdeu ainda Abraham e Karsdorp para o duelo que se segue, frente ao Inter de Milão.

"A partir da próxima Páscoa, as coisas vão mudar completamente, tal como mudaram este verão", sustentou o virologista, lembrando que"o vírus não vai parar quando chegarmos à Primavera de 2022", e que, mesmo tornando-se endémicos,"os coronavirus contribuem para 20 a 30 milhões de infeções que há em Portugal todos os anos".exigem níveis de alfabetização e de conhecimento numérico e matemático que muitos não possuem.Aos 20 casos detetados até ao início da tarde em Lisboa, somam-se mais três em Faro, de passageiros que vinham de Berlim e Paris.Generalizar a terceira dose em vez de vacinar crianças A chave para tornar a pandemia numa endemia controlada, segundo o imunologista, está nas vacinas, e aqui Portugal faz a diferença pela alta taxa de imunização da população, atingindo 88% com as duas doses tomadas."As vacinas funcionam, é uma evidência científica, e temos de acreditar na ciência", sublinhou Pedro Simas, para quem"a terceira dose tem um grande impacto, como se verificou em Israel"."Ainda há muito a fazer para conectar todas as pessoas à Internet" , diz Houlin Zhao, secretário-geral da UIT.O virologista defende que a terceira dose deve ser generalizada em Portugal,"começando pelos mais vulneráveis"e ir descendo pelos escalões etários, em vez de vacinar as crianças.Só os menores de 12 anos e quem viaja em voos domésticos escapam à regra." Não é necessário vacinar as crianças, com a terceira dose já se consegue um efeito protetor da população a nível global", avançou.A UIT parece caminhar em direção a esta meta: desde 2019, nos países em desenvolvimento, o acesso à Internet aumentou em 13%.

"Portugal vive numa bolha" pela alta taxa de população vacinada,"mas ao mesmo tempo não vive numa bolha pelos efeitos colaterais", de contacto com outros paises, e tendo em conta que"queremos ter uma economia aberta" e sem fecho de fronteiras, destacou ainda o investigador principal do Instituto de Medicina Molecular.Comparando a atual situação pandémica de Portugal com a da Alemanha, o virologista constatou haver neste país"uma assimetria grande de pessoas não vacinadas", mesmo dentro das mesmas faixas etárias, o que explica por que este país está a ter nesta fase níveis muito superiores de internamentos e de mortes.Chung Sung-Jun De 2019 para 2021, aumentou exponencialmente o número de utilizadores online : 17%, ou seja, mais 782 milhões de pessoas.Saiba mais."A pandemia em Portugal e na UE já terminou" - foi o o título da comunicação avançada no congresso da APAVT por Pedro Simas, que reconheceu tratar-se de um exagero semântico."De facto, a pandemia não acabou, mas vai acabar rapidamente".O aumento resulta de medidas levadas a cabo durante o pico do período pandémico , como o fecho de escolas e os confinamentos, e a consequente necessidade de aceder a informação noticiosa, serviços públicos ou comércio online.clarificou o especialista, frisando que"a pandemia biológica está a acabar em Portugal", mas é preciso contar com"a pandemia sociológica" e os"efeitos colaterais" do contacto com outros países.

"Numa área geográfica em que quase 90% da população está vacinada o vírus já não é pandémico, é um facto científico", sublinhou..

Consulte Mais informação:
Expresso »
Loading news...
Failed to load news.

Internet: uma miragem para mais de um terço do mundoUm relatório da União Internacional de Telecomunicações sugere um aumento da conectividade devido à pandemia, mas com os mais pobres a serem deixados para trás.

Covid-19: 20 pessoas multadas no Aeroporto de Lisboa e três em Faro por falta de teste negativoA maior parte dos passageiros diz que o controlo está a ser rápido e eficaz.

Roma regressa às derrotas em BolonhaEquipa de José Mourinho foi mais perigosa, mas não teve argumentos para contrariar um adversário mais eficaz.

Benfica estreia-se na Liga dos Campeões de voleibol com derrotaZenit S. Petersburgo impôs na Rússia a sua superioridade, com um triunfo por 3-0.

“Talvez a pandemia tenha acabado com as ‘cidades “superstar”’”Ben Wilson, historiador, diz que deixar entrar os carros na cidade foi “um erro histórico” que é urgente corrigir. “Não há nenhuma solução humana para os extremos climáticos”, afirma.

Porto cancela festejos de rua e fogo de artifício na Passagem de AnoConcerto dos GNR agendado para o último dia do ano no Queimódromo foi antecipado para a véspera, no Pavilhão Rosa Mota. ❤