Técnicos que monitorizam vítimas e agressores ainda sem carreira própria

17/01/2022 10:36:00

Técnicos que monitorizam vítimas e agressores ainda sem carreira própria

Técnicos que monitorizam vítimas e agressores ainda sem carreira própria

Duas décadas depois de ter sido instituída a pulseira eletrónica em Portugal, os técnicos responsáveis pela monitorização de arguidos e vítimas continuam à espera de ter uma carreira própria. E queixam-se de ser em número insuficiente para as milhares de pessoas que, diariamente, têm de vigiar à distância em todo o país.

), Mário Barroco de Melo. Atualmente, há, em todo o país, 12 equipas de vigilância eletrónica, responsáveis por monitorizar, em permanência, cerca de quatro mil pessoas, entre arguidos, condenados e vítimas.

Consulte Mais informação:
Jornal de Notícias »