TAP reduz frota a 101 avi\u00f5es e corta 146,26 milh\u00f5es de euros no leasing

30/11/2020 10:19:00

TAP reduz frota a 101 aviões e corta 146,26 milhões de euros no leasing

30 Novembro 2020, 07:13A frota da TAP passou de 108 para 101 aviões no terceiro trimestre de 2020. Mas o JE sabe que em breve a companhia tenciona voltar a reduzir o seu número de aviões para para 94 aeronaves. Os encargos com o leasing operacional devem cair 175 milhões de dólares (cerca de 146,26 milhões de euros) na totalidade do ano de 2020, admite a TAP

Governo reúne-se hoje com epidemiologistas para discutir encerramento das escolas Ana Gomes diz que vai ser ''Presidente Rottweiler'': ''Andarei atrás de quem pode resolver problemas'' Proteção Civil Distrital de Lisboa pede fecho imediato de escolas e maior confinamento

A frota da TAP “passou de 108 aviões no segundo trimestre para 101 aviões no terceiro trimestre”, informou ao Jornal Económico uma fonte da empresa, com base nos dados divulgados à CMVM. Trata-se de uma redução de frota que permite reduzir encargos mas que também poderá proporcionar um encaixe à TAP”, esclarece a mesma fonte.

Os encargos com oleasingoperacional devem cair 175 milhões de dólares (cerca de 146,26 milhões de euros) na totalidade do ano de 2020, segundo estimativa da TAP, a que ainda acresce a redução de mil milhões de dólares (cerca de 875,77 milhões de dólares) entre 2020 e 2022 pelo adiamento da entrega de aviões negociada com a Airbus. O JE sabe que a curto prazo a TAP poderá reduzir novamente a sua frota para 94 aviões, embora a empresa não tenha comentado esta informação. headtopics.com

“A redução de encargos e o encaixe ocorrem por dois motivos: a saída de oito aeronaves traduz-se na venda de oito aviões. Não sabemos se essa saída acontecerá até dezembro ou se será concretizada no primeiro trimestre de 2021. Importa saber que a venda de um avião exige uma série de procedimentos que são muito complexos, dependendo da velocidade a que se processe a alienação. Pode ser que ocorra em janeiro ou fevereiro do próximo ano, mas vai permitir um encaixe”, diz a fonte.

“São aviões próprios da TAP que já não têm dívidas associadas. Por isso, além de permitirem encaixes com a venda, permitem evitar uma despesa de manutenção muito grande, que ocorreria em 2021, porque já são aviões antigos, com quase 20 anos de utilização. Alguns desses aviões tinham manutenções pesadas previstas para o início do ano que vem. Esperávamos gastar na manutenção dessas aeronaves algo em torno de 30 a 40 milhões de euros somente no início do ano que vem. Ou seja, além do encaixe, também há essa poupança. Acresce a isso tudo o facto de que eram aviões grandes que não íamos utilizar, porque a procura está ainda muito baixa. Por isso, não fazia sentido manter esses aviões na frota da TAP”, explica a fonte da empresa.

Mas já é possível avaliar o encaixe relativo à redução de 108 para 101 aviões, ou até, eventualmente, para 94 aviões em breve? “O efeito da redução da frota da TAP avalia-se pela composição de aeronaves que vão ser vendidas e pelos aviões que vão ser devolvidos à empresa proprietária do avião – os designados

lessors–, permitindo obter um encaixe porque deixamos de pagar a renda mensal destes aviões e teremos o encaixe com a venda dos oito aviões. Consulte Mais informação: Jornal Económico »