Tanzânia e Moçambique lançam operações conjuntas contra rebeldes que atacam Cabo Delgado

Tanzânia e Moçambique lançam operações conjuntas contra rebeldes que atacam Cabo Delgado

23/11/2020 11:11:00

Tanzânia e Moçambique lançam operações conjuntas contra rebeldes que atacam Cabo Delgado

A violência armada no norte de Moçambique está a provocar uma crise humanitária com cerca de 2 mil mortes e 500 mil pessoas deslocadas.

O inspetor-geral da Polícia da Tanzânia, Simon Sirro, recebeu na sexta-feira o homólogo moçambicano, Bernardino Rafael, para uma reunião na cidade fronteiriça de Mtwara, anunciou a força de segurança em comunicado citado pela agência Bloomberg.

Governo reúne-se hoje com epidemiologistas para discutir encerramento das escolas Costa assume números ″dramáticos″ mas rejeita decidir ″conforme as pressões″ Ana Gomes diz que vai ser ''Presidente Rottweiler'': ''Andarei atrás de quem pode resolver problemas''

A reunião aconteceu um mês depois de um ataque de desconhecidos à vila de Kitaya, provocando um número de mortes ainda por esclarecer.O comandante tanzaniano convidou os residentes na área a regressarem a casa, depois de terem fugido por causa dos ataques, dizendo que o governo reforçou a segurança.

Norte de Moçambique. Alta-Comissária da ONU para os direitos humanos pede medidas urgentesOs dois chefes de polícia também anunciaram a partilha de informação relacionada com rebeldes.A violência armada em Cabo Delgado, norte de Moçambique, está a provocar uma crise humanitária com cerca de duas mil mortes e 500 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba. headtopics.com

A província onde avança o maior investimento privado de África, para exploração de gás natural, está desde há três anos sob ataque de insurgentes e algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo

Daeshdesde 2019.Jornalistas locais que presenciaram ataques no distrito de Muidumbe antes de fugirem para as matas relataram na última semana quehá muitos corpos abandonados e crianças sozinhas, perdidas no campo. Consulte Mais informação: SIC Notícias »

As restrições derivadas do combate à Pandemia são uma Ditadura Sanitária. Estamos todos reféns. O Primeiro Ministro não tem medo de Deus, mas dos representantes de Deus no Parlamento. Sugiro que as pessoas Ignorem as Diretrizes do Governo e ajam de acordo com o bom Senso.