Suíça, União Europeia, Imigração

Suíça, União Europeia

Suíços decidem no domingo se querem travar imigração da União Europeia

Suíça: Suíços decidem no domingo se querem travar imigração da União Europeia

26/09/2020 08:51:00

Suíça : Suíços decidem no domingo se querem travar imigração da União Europeia

Sondagens apontam para vitória do “não”, num ambiente político diferente daquele que levou à vitória do “sim” num referendo semelhante, em 2014. Aprovação levaria ao fim do acordo de livre circulação com a União Europeia .

.Mas o facto de a proposta que está em cima da mesa ser mais concreta e rígida do que a de 2014 parece ter afastado o voto de protesto, que foi essencial para a vitória política do Partido Popular Suíço há seis anos. Segundo uma sondagem do instituto gfs.bern, publicada no dia 7 de Setembro, o “sim” no referendo de domingo tem 35% das intenções de voto, contra 60% do “não” e 5% de indecisos.

Pinto da Costa: ″Varandas fará um grande serviço ao Sporting quando se dedicar à medicina″ Podemos entrar em Novembro com mais de 3500 a 4 mil casos por dia, avisam investigadores Pinto da Costa: 'Varandas fará um grande serviço ao Sporting quando se dedicar à medicina'

Tal como acontece em outros casos relacionados com as questões da imigração, o fim do acordo entre a Suíça e a União Europeia recolhe mais apoio nas regiões de fronteira, neste caso no cantão de Ticino, na fronteira com o norte de Itália, e menos nas grandes cidades mais para o interior.

E, também à imagem do que acontece noutros países em que a imigração é um assunto na ordem do dia, os apoiantes do “sim” no referendo suíço dizem que o seu objectivo não é fechar a porta aos estrangeiros, mas sim “favorecer a imigração de qualidade”.

“Temos de recuperar o pedaço de soberania que envolve o controlo da imigração”, disse à AFP Vincent Schaller, um vereador do Partido Popular Suíço em Genebra.Exemplo do “Brexit"O melhor do Público no emailSubscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.

Subscrever×Do outro lado, os partidos da esquerda ao centro-direita ou são contra o fim da liberdade de circulação, ou dizem que esta não é a melhor altura para comprar uma guerra com a União Europeia. E avisam que o fim do acordo de circulação com Bruxelas será mais prejudicial para a Suíça do que para o resto da Europa – não só o país tem beneficiado de mão-de-obra especializada em sectores como a saúde, o que tem sido essencial em tempos de pandemia, como os vários acordos entre a Suíça e a União Europeia têm uma “cláusula guilhotina”: se um deles cair, caem todos os outros.

Para contornar essa situação, a União Europeia teria de estar disposta a entrar em duras e complexas negociações com a Suíça, numa altura em que enfrenta vários problemas como a resposta coordenada à pandemia de covid-19

e as difíceis negociações para a saída do Reino Unido.“As condições mudaram muito em comparação com 2014”, disse à AFP Pascal Sciarni, cientista político na Universidade de Genebra. Segundo o especialista, a população suíça está hoje mais certa de que o país sairia prejudicado das negociações com a União Europeia, um sentimento para o qual terão contribuído os desenvolvimentos do “Brexit”.

Daniel Ricciardo ansioso por vir a Portimão: «É uma pista muito excitante» Centeno alerta para risco de nova crise financeira e pede aos governos que usem bem os fundos SNS24 bate recorde: mais de 23 mil chamadas atendidas esta segunda-feira Consulte Mais informação: Público »

Suíços referendam acordo de livre circulação com União Europeia

Comissão Europeia quer “fintech” sujeitas às mesmas regras que bancos na União EuropeiaBruxelas quer “promover a partilha de dados e o financiamento aberto, mantendo ao mesmo tempo os padrões muito elevados da UE em matéria de privacidade e protecção de dados”.

União Europeia não reconhece Lukashenko como Presidente da BielorrússiaBruxelas considera que Lukashenko não tem “qualquer legitimdiade democrática” e exige novas eleições. Mais de 300 pessoas foram detidas depois da tomade de posse do Presidente bielorrusso, no poder há 26 anos.

Tribunal de Justiça da União Europeia rejeita recurso de suspeito do caso MaddieChristian B., suspeito da morte de Madeleine McCann, contesta a sua detenção após ser extraditado para a Alemanha.

União Europeia recusa reconhecer Lukashenko como presidente da BielorrússiaUE aponta para 'resultados falsificados' da eleição de agosto e 'falta de qualquer legitimidade democrática'. É o mínimo que se pode fazer? Esperamos mais! Abaixo ao comunismo e socialismo (cancro na evolução da huminidade) Os tecnocrates dictadores e fascista da UE, no seu melhor...

União SAD já pode inscrever atletasCampeonato de Portugal - União SAD já pode inscrever atletas