'Stock' de crédito à habitação sobe para 96,9 mil milhões de euros em dezembro e toca máximo desde 2016

'Stock' de crédito à habitação sobe para 96,9 mil milhões de euros em dezembro e toca máximo desde 2016

29/01/2022 06:25:00

'Stock' de crédito à habitação sobe para 96,9 mil milhões de euros em dezembro e toca máximo desde 2016

De acordo com os dados hoje divulgados, o valor total emprestado em crédito à habitação (96,9 mil milhões de euros) em dezembro significa mais 1,99% face a dezembro de 2020 e 0,37% em relação a novembro passado.

O ‘stock’ de crédito à habitação era, em dezembro passado, de 96,9 mil milhões de euros, mais 1,99% do que no mesmo mês de 2020 e um máximo desde pelo menos 2016, segundo dados do Banco de PortugalEste é ainda o valor mais alto de ‘stock’ de crédito à habitação desde, pelo menos, dezembro de 2016.

Já o rácio de empréstimos vencidos na habitação era de 0,5% em dezembro (o mesmo valor de novembro e abaixo dos 0,6% de dezembro de 2020).Nos empréstimos ao consumo o valor emprestado em dezembro era de 19,2 mil milhões de euros, mais 0,23% face a dezembro de 2020 e 0,17% face a novembro.

Consulte Mais informação: Jornal Económico »

‘Stock’ das Reservas Internacionais Líquidas cabo-verdianas caiu 18,6% num ano

Ações da Imperial Petroleum disparam mais de 100%. É uma meme stock?A empresa de transporte petrolífero duplicou a sua cotação em apenas 24 horas, estando há poucos momentos a disparar 117% para os 2,5174 dólares, quando esta quinta-feira estava cotada em 1,16 dólares.

Juventus confirma contratação de Vlahovic - RenascençaA Fiorentina recebe 70 milhões de euros, mais 10 milhões de euros em objetivos.

Os números do EuromilhõesEm jogo um jackpot de 49 milhões de euros

Euromilhões: a chave vencedora do sorteio desta sexta-feiraEm jogo está um jackpot de 49 milhões de euros

EDPR conclui venda de parques eólicos por 534 milhões à OnexEsta operação 'engloba cinco parques eólicos', dos quais 96 megawatts estão em operação desde 2018-2019 e os restantes 125 megawatts arrancaram a operação em dezembro do ano passado.

Living Aliados (Porto) O ‘stock’ de crédito à habitação era, em dezembro passado, de 96,9 mil milhões de euros, mais 1,99% do que no mesmo mês de 2020 e um máximo desde pelo menos 2016, segundo dados do Banco de Portugal Este é ainda o valor mais alto de ‘stock’ de crédito à habitação desde, pelo menos, dezembro de 2016. Já o rácio de empréstimos vencidos na habitação era de 0,5% em dezembro (o mesmo valor de novembro e abaixo dos 0,6% de dezembro de 2020). Nos empréstimos ao consumo o valor emprestado em dezembro era de 19,2 mil milhões de euros, mais 0,23% face a dezembro de 2020 e 0,17% face a novembro. Segundo o Banco de Portugal, “o ritmo de crescimento dos empréstimos ao consumo continua aquém dos anos anteriores à pandemia”. Em crédito a outros fins estavam, em dezembro, emprestados 8,9 mil milhões de euros, mais 36% do que em dezembro de 2020 e mais 0,33% do que em novembro. Quanto a malparado, o rácio de empréstimos vencidos no consumo e outros fins era em dezembro de 4,5% (abaixo dos 6,3% de dezembro de 2020 e dos 4,6% de novembro). Quanto às empresas, em dezembro estavam concedidos em crédito 75,7 mil milhões de euros, neste caso, mais 2,3% em termos homólogos mas menos 0,48% face a novembro. Nas empresas, segundo o banco central, em dezembro passado, 2,3% do montante total de empréstimos estava em incumprimento (abaixo dos 3,3% em dezembro de 2020). “Este foi o valor mais baixo registado desde 2008, prolongando a tendência de decréscimo observada desde finais de 2016”, refere o Banco de Portugal, acrescentando que a redução do rácio de incumprimento é mais significativa nas empresas dos setores da construção e das atividades imobiliárias (passou de 10,3% e 4,8%, respetivamente, em dezembro de 2020, para 7,5% e 2,4%, em dezembro de 2021). Quanto a depósitos, em dezembro passado, os particulares tinham depositados 172,9 mil milhões de euros, mais 6,8% face a dezembro de 2020. Os depósitos de particulares estão no valor mais elevado desde, pelo menos, dezembro de 2016. O banco central destaca os depósitos à ordem, pois, “no final de 2021, representavam 48% do total dos depósitos de particulares”. Já o montante de depósitos das empresas em bancos em Portugal cresceu 17,0%, relativamente a 2020, para 61,8 mil milhões de euros. “É necessário recuar até finais de 2010 para encontrar taxas de crescimento semelhantes às que se verificaram nos dois anos da pandemia”, afirma o Banco de Portugal.