Somos feitos de quem gostamos

Somos feitos de quem gostamos

Henrique Burnay, Opinião

06/12/2021 04:19:00

Somos feitos de quem gostamos

Quando vim para Bruxelas 'por dois anos e meio de certeza absoluta', há dezassete anos, enchi o carro de coisas que não faziam sentido para quem ia ficar tão pouco tempo. Além de livros escusados, como se não houvesse livrarias e muito mais para ler, trouxe umas trinta fotografias soltas. Umas férias, um baile, uma noitada, uma despedida, a entrega de um presente. Coisas antigas, algumas muito, que me lembravam alguma história. Se calhar por mal haver internet, não existir Facebook, voar ser caro, precisava de trazer raízes, que é o que as memórias são.

SubscreverOs nossos amigos são as pessoas de quem gostamos. E as pessoas de quem gostámos de alguma maneira e em algum momento. E nem é fundamental que eles saibam isso. Era bom, mas não é importante. O importante é que volta e meia olhava para a televisão e tropeçava na cara de alguém que me lembrava que aos catorze ou quinze anos fiquei amigo de um tipo bom que era simpático, bem-disposto, considerado o mais giro da turma sem ser convencido, e que tratava bem as pessoas. E ficava contente a ver que a vida lhe parecia ter corrido bem. E é por isso que isto não é um elogio ao Pedro Oliveira, que morreu subitamente na semana passada. Esse foi feito por imensa gente que se cruzou com ele, sobretudo na

Exame Informáticae na SIC, e que veio falar das suas qualidades, se calhar sem saber que muitas eram as mesmas que tinha em miúdo. É difícil maior elogio.Mas isto não é, já disse, um elogio ao Pedro, que às tantas já mal se lembrava que tínhamos sido colegas de turma, nem tinha porque ter uma satisfação qualquer se visse um texto meu num jornal. Nem é para dizer que deixamos o tempo passar e deixamos passar o tempo de estar uns com os outros. Será sempre assim.

Isto é para recordar que somos feitos de muito mais do que de nós. Somos feitos, também, daqueles de quem decidimos gostar, dos que lembramos, das saudades que gostamos de ter. Que essas saudades velhas, essas amizades que fizemos lá longe nos acrescentem gente boa ao que somos, com sorte diz um pouco bem de nós. Por isso este é um texto egoísta. Mas é verdade. Gostarmos de gente boa pode não lhes fazer diferença nenhuma, mas faz-nos a nós um bocadinho melhores. Obrigado, Pedro. headtopics.com

'Stock' de crédito à habitação sobe para 96,9 mil milhões de euros em dezembro e toca máximo desde 2016

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

«Somos um só»: a reação dos jogadores do Sporting à vitória diante do BenficaFotogalerias - «Somos um só»: a reação dos jogadores do Sporting à vitória diante do Benfica

Quando a paisagem vence LisboaO cansaço é evidente, o crescimento da economia é anémico, o esbulho fiscal a que nos sujeitam não abranda, a falta de esperança dos jovens é uma realidade que os leva a optar por outras geografias. Tudo isto terá consequências. A 30 de janeiro de 2022 ou num qualquer outro dia que haverá de chegar.

Quando fecharam a fronteira, foi como se lhes tivessem fechado a janela de casaOs habitantes da raia voltaram a conhecer o que significava a fronteira com a pandemia. Presos a regras legislativas diferentes em Portugal e Espanha e a uma dependência social e económica comum, os trabalhadores transfronteiriços temem pelo dia em

Ben Wilson: 'As cidades são produto dos seus desastres tanto quando dos seus sucessos'

Quando a silly season chega ao Natal

“Quando cheguei ao FC Porto a minha preocupação foi entrar sem fazer muito ruído e ser absorvido, porque eu não tinha a marca Porto”Enquanto espera pelo recomeço da competição no Catar, onde está a treinar o Al-Duhail, Luís Castro foi ao baú das memórias para nos contar como o futebol se tornou a sua profissão. Cedo percebeu que não era um talento com a bola nos pés e que, a vingar, seria pela via do treino. Depois de uma infância marcada por uma doença que lhe ameaçou a vida e pela precoce consciência política adquirida em plena Revolução de Abril, foi jogador, capitão e trabalhou como comercial. Foi a mulher quem o convenceu a tirar o nível III do curso de treinador que o levaria a entrar mais tarde no FC Porto, pela via da formação, antes de assumir uma missão especial à frente da equipa sénior. Com peripécias e pormenores inéditos, não perca a primeira parte desta entrevista - no domingo servimos o resto da história