Rio e o combate à pobreza. 'Temos de mudar o modelo económico” - Renascença

Rio e o combate à pobreza. “Temos de mudar o modelo económico”

17/01/2022 22:47:00

Rio e o combate à pobreza. “Temos de mudar o modelo económico”

Líder do PSD e candidato a primeiro-ministro reage à entrevista de Carlos Farinha Rodrigues à Renascença, em que o economista defende o combate à pobreza como um 'desígnio nacional'.

“Se continuarmos com o mesmo modelo de desenvolvimento económico do PS, obteremos resultados idênticos àqueles que o PS tem tido e não conseguiremos tirar da pobreza aqueles que, trabalhando, estão na pobreza, e aqueles que não trabalhando, não tendo condições para ter os seus próprios rendimentos possam não ter os apoios sociais suficientes porque o país não tem a riqueza suficiente.”

O candidato a primeiro-ministro afirma que, se o país “não produzir mais, não consegue ter para distribuir”.“Faço-o de forma fictícia durante algum tempo, mas à custa da dívida pública e, depois, vem o ricochete contra o país e, principalmente, contra os mais desfavorecidos”, argumenta Rui Rio.

Consulte Mais informação: Renascença »

Rio começa campanha a acusar Costa de mentir aos portugueses - RenascençaO líder do PSD diz que António Costa e o PS deturpam aquilo que os sociais democratas e ele defendem em áreas como a saúde e a segurnaça social.

Liga adia Académica-Rio Ave a poucas horas do jogo - RenascençaAcadémica enfrenta surto de Covid-19 e não terá os 13 jogadores necessários para ir a jogo.

Legislativas: Líder do CDS diz que Rio 'está equivocado' e fala em ausência de planeamento do voto - RenascençaO presidente do CDS-PP considerou hoje que o líder do PSD, Rui Rio, 'está equivocado' sobre como se processa o voto antecipado em mobilidade e criticou o Governo, que 'falhou na antecipação e no planeamento' das eleições.

Legislativas: Ventura diz que Rui Rio ou governa com o Chega ou 'põe-se nos braços do PS' - RenascençaO presidente do Chega, André Ventura, defendeu hoje que Rui Rio apenas tem 'dois caminhos' nestas legislativas, que passam por aceitar governar com o seu partido ou 'pôr-se nos braços' do Partido Socialista. O homem já disse isto centenas de vezes. Vão fazer uma 'notícia' cada vez que ele disser o mesmo? Se ele não diz nada de jeito ou de novo não é obrigatório escreverem as merdas que ele diz!

Legislativas: Rio diz que é o sistema judicial que está na linha da frente do combate à corrupção - RenascençaO presidente do PSD afirmou hoje, em Braga, que quem está na 'linha na frente' do combate à corrupção é o sistema de justiça, 'não é a política', a qual tem de dar 'os instrumentos e as leis necessárias'.

Académica ataca «falta de fair play» do Rio Ave (Académica)A BOLA, toda a informação desportiva. Acompanhe todas as notícias do seu clube ou modalidade preferida, para onde quer que vá.

Ver mais “Se continuarmos com o mesmo modelo de desenvolvimento económico do PS, obteremos resultados idênticos àqueles que o PS tem tido e não conseguiremos tirar da pobreza aqueles que, trabalhando, estão na pobreza, e aqueles que não trabalhando, não tendo condições para ter os seus próprios rendimentos possam não ter os apoios sociais suficientes porque o país não tem a riqueza suficiente.” O candidato a primeiro-ministro afirma que, se o país “não produzir mais, não consegue ter para distribuir”. “Faço-o de forma fictícia durante algum tempo, mas à custa da dívida pública e, depois, vem o ricochete contra o país e, principalmente, contra os mais desfavorecidos”, argumenta Rui Rio. Em entrevista à Renascença , Carlos Farinha Rodrigues, economista e especialista nas questões de Pobreza e Desigualdade, deixa claro que é preciso pôr no terreno uma Estratégia de Combate à Pobreza, que tenha como objetivo a sua erradicação. O que exige medidas estruturais, uma visão e uma intervenção integrada. O professor e investigador do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) frisa que a pandemia mostrou que é preciso reforçar o Estado Social, para garantir mais e melhor proteção a quem precisa. Considera que o combate à pobreza tem que ser uma prioridade do próximo Governo, seja de que partido for, e é preciso conhecer as propostas de cada um. Por isso, lamenta que a pobreza não seja um dos temas em discussão nos debates da campanha eleitoral. A pandemia de Covid-19 reverteu os bons resultados que estavam a ser conseguidos desde 2014 no combate à pobreza. 2020 foi o ano em que se registou o maior agravamento em décadas, fazendo cair na pobreza mais de duzentas mil pessoas. Os dados divulgados pelo INE no fim de dezembro mostram que o nível de pobreza aumentou 2,2% de 2019 para 2020, para 18,4%, atingindo cerca de 1,9 milhões de portugueses. Tópicos