Regime de Daniel Ortega manda prender líderes empresariais

Nicarágua: Regime de Daniel Ortega manda prender líderes empresariais

Nicarágua, América Latina

22/10/2021 14:24:00

Nicarágua : Regime de Daniel Ortega manda prender líderes empresariais

Os dois principais dirigentes do organismo que representa os empresários nicaraguenses foram detidos sob várias acusações de conspiração para derrubar o Governo.

Reuters/STRINGERperseguir os opositores políticos, o regime da Nicarágua voltou-se contra os empresários do país. As duas principais figuras do Conselho Superior da Iniciativa Privada (Cosep) foram detidas na quinta-feira, acusadas de desvio de dinheiro e de traição ao país.

Na quinta-feira de manhã, o presidente do Cosep, Michael Healy, foi detido com violência pela polícia na sua residência em Manágua, diz oEl País. Cerca de duas horas depois, o vice-presidente da instituição, Álvaro Vargas, também era preso.

Consulte Mais informação: Público »

Magistradas afegãs ameaçadas pelo regime talibã chegam ao BrasilSete magistradas afegãs que estavam ameaçadas pelo regime talibã chegaram ao Brasil com as suas famílias após receberem vistos humanitários do país sul-americano.

Seis combatentes pró-regime mortos em explosão num depósito de munições na SíriaDepósito estava sob o controlo das Forças de Defesa Nacional, a principal milícia auxiliar do regime de Bashar al-Assad.

Ordem dos Médicos diz que não foi informada sobre o regime de dedicação plena no SNSO Governo impede médicos de chefiarem no privado.

O haraquiri da esquerda conversado com Daniel OliveiraA cada dia que passa mais provável parece o chumbo do orçamento e a crise política. Vindos de uma derrota nas autárquicas e com o sério risco de serem responsabilizados pela crise política que se aproxima, os partidos de esquerda sabem que serão castigados nas urnas mas, mesmo assim, avançam. Estarão a cometer suicídio em defesa da honra? Enfim, enfim... Este encostado ao orçamento... A extrema esquerda nunca respeitou o bem comum, não tem sentido patriótico, apenas preocupados com a sua ideologia.

Governo aprova Estatuto do SNS e alterações à legislação laboralMarta Temido: 'Novo estatuto do SNS vai ser submetido a consulta pública'

Líderes partidários nos momentos de dissolução do ParlamentoCom o fantasma da crise política a pairar na semana antes da votação do Orçamento na generalidade e o PSD à beira de eleições internas, o PÚBLICO recorda casos de anteriores dissoluções do Parlamento e o clima político que as envolveu.

Michael Healy chegando ao Ministério Público Reuters/STRINGER perseguir os opositores políticos , o regime da Nicarágua voltou-se contra os empresários do país. As duas principais figuras do Conselho Superior da Iniciativa Privada (Cosep) foram detidas na quinta-feira, acusadas de desvio de dinheiro e de traição ao país. Na quinta-feira de manhã, o presidente do Cosep, Michael Healy, foi detido com violência pela polícia na sua residência em Manágua, diz o El País . Cerca de duas horas depois, o vice-presidente da instituição, Álvaro Vargas, também era preso. Esta sexta-feira, o Ministério Público, controlado pelo Governo de Daniel Ortega, deu ordem para que os dois líderes empresariais ficassem em prisão preventiva durante pelo menos 90 dias. A polícia acusa-os de estar por trás de “actos que menosprezam a independência, soberania e autodeterminação” da Nicarágua, “incitar a ingerência estrangeira em assuntos internos” e de “pedir intervenções militares”, de acordo com a agência Europa Press. Em Junho, o antecessor de Healy à frente do Cosep, José Adán Aguerri, também já tinha sido detido. O empresário foi preso durante a onda de detenções de vários dirigentes conotados com a oposição a Ortega, que tem afastado praticamente todos os pré-candidatos com alguma hipótese de o derrotar nas eleições presidenciais de Novembro. Aguerri havia deixado o Cosep em Setembro do ano passado para se juntar à Aliança Cívica, um grupo que congrega vários opositores do regime nicaraguense, explica o El País . Ao contrário de Aguerri, Healy tinha assumido uma postura menos contestatária da forte deriva autoritária de Ortega, mas nem assim escapou à purga que o líder nicaraguense está a realizar a todos os níveis há já vários meses. A detenção das duas figuras mais importantes da confederação empresarial expõe o divórcio entre as indústrias nacionais e o regime de Ortega, que até 2018 eram importantes aliadas do Governo. Foi nesse ano que os tiques autoritários de Daniel Ortega, acompanhado da sua mulher e “número dois” do regime, Rosario Murillo, se acentuaram. A onda de protestos estudantis de 2018 foi reprimida com extrema violência pelas autoridades e Ortega atribuiu a instabilidade social à ingerência externa, particularmente dos Estados Unidos, no país – um receio que hoje se transformou numa autêntica obsessão para o Presidente nicaraguense. A partir daí, Ortega passou a usar as forças de segurança para perseguir qualquer dirigente político ou social que manifestasse algum sinal de oposição. Foram detidos vários políticos que planeavam candidatar-se às eleições presidenciais, e até