Coronavírus Covid-19 Discotecas

Coronavírus Covid-19 Discotecas

Reabertura de discotecas em outubro é 'teimosia', dizem empresários

30/07/2021 11:11:00

A vida para as discotecas do país vai continuar em pausa até, pelo menos, outubro deste ano. O anúncio foi feito por António Costa, no mesmo dia em que o setor tornou público que 60% dos estabelecimentos acabaram fechados, como consequência das limitações impostas pela pandemia da covid-19. Uns 60% que Ricardo Tavares, empresário associado à Associação de Discotecas Nacional e à Associação Portuguesa de Bares e Discotecas, admite que, quando chegue a altura de pagar as moratórias e as rendas em atraso, poderá subir até aos 80%.

Portugal vence Espanha e apura-se para as meias-finais do Mundial As nossas crianças vão viver três vezes mais desastres climáticos do que os seus avós Derrotado pelo PS, Bernardino Soares diz que sai de Loures com 'obra feita'

Tavares, responsável pelo grupo de espaços de diversão noturna Fiéis, não esconde a sua frustração com o anúncio de António Costa, acusando o primeiro-ministro de “teimosia”. O fecho das discotecas, garante, “já não faz sentido nenhum”. “É uma teimosia do nosso primeiro-ministro. No resto da Europa os bares estão abertos, e pensamos que António Costa ia ser sensível a isso e fazer o mesmo. Não foi isso que aconteceu e vamos ter de aguardar. No caso dos bares, podem adaptar-se às condições da restauração e abrir assim, mas não é isso que está no nosso ADN. Queremos fazer aquilo que sabemos fazer, e sem restrições”, explicou o empresário ao i.

“Com mais de 57% da população com as duas doses da vacina, 70% com a primeira, os grupos de risco todos vacinados, era só abrir... mesmo com os certificados, para o indoor, não há porquê para continuar fechados”, lamenta o empresário, que de seguida aponta o dedo àquela que lhe parece tem sido, e será, uma das maiores incongruências desta medida: “O que tem acontecido são muitas festas ilegais. Até casamentos falsos para pôr 500 pessoas a dançar até às 6 da manhã se fazem. Quando dissemos ao primeiro-ministro que tínhamos condições para que as pessoas nos nossos espaços tivessem segurança, não pudemos... depois fazem-se estas festas, e há surtos”. headtopics.com

O uso do Certificado Digital Covid-19 é uma das medidas apresentadas para permitir a entrada nas discotecas a partir de outubro, mas Ricardo Tavares questiona a utilidade da mesma, tomando em conta o momento em que será aplicada. “Era uma medida viável até para a abertura imediata. Nessa altura [em outubro], com já 85% da população vacinada, para que é que seria útil isso? Agora é que fazia sentido. É o que faz o Reino Unido, Paris, Itália... Espanha é o que começou a fazer. Só nós é que estamos na cauda da Europa”.

À conversa com o i esteve também Bartolomeu Costa Macedo, responsável pelo espaço Cargo 111, no Bairro Alto, que retomou a crítica feita pelo colega de profissão em relação às festas ilegais. “É uma falácia fechar as discotecas e os bares, quando depois, mesmo ao lado, há apartamentos alugados, festas no meio do mato... ao menos nas discotecas haveria forma de controlar a situação, com controlo de entradas, máscaras, certificados”, começa por explicar o empresário que, apesar de garantir “não estar de acordo com 90% dessas medidas restritivas”, recorda que, com discotecas e bares fechados, os jovens “vão todos reunir-se na mesma”. “Quem tem as condições para ter as coisas bem feitas, não pode... então ao que é que obriga? A festas ilegais”, acusa o mesmo.

Bartolomeu Costa Macedo não poupa nas críticas ao Governo pelo adiamento da abertura de discotecas para outubro deste ano. “É uma opção ridícula. O verão ‘fechado’ é para as pessoas não se divertirem, sobretudo nas zonas balneares, onde está grande parte da população neste momento. Essas zonas, que tinham o seu foco nas festas de verão, vão estar dizimadas pelo segundo ano consecutivo, quando não terão disponibilidade de fazer seja o que for, e ainda por cima quando já temos uma grande parte da população vacinada, entre a qual a maioria dos casos mais perigosos”, lamenta o empresário, acusando o Executivo de António Costa de “tirar medidas da cartola sem pensar nas consequências e naquilo que está a causar”.

 APSTE acusa insuficiência das medidasQuem também teve uma palavra a dizer sobre as medidas que saíram do Conselho de Ministros foi a Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos (APSTE), que acusa as medidas anunciadas de ficarem “muito aquém do que seria necessário para alavancar a retoma do setor, para o qual o período de verão já foi gravemente comprometido”. A falta de trabalho e a ausência dos resultados dos eventos-piloto realizados em abril e maio são duas reivindicações que surgem ainda, da Associação que recorda que “o setor dos eventos está parado há mais de um ano com perdas superiores a 100 milhões de euros”. headtopics.com

Pandemia levou às maiores descidas na esperança de vida desde a Segunda Guerra Mundial PSD vence Câmara de Reguengos de Monsaraz que foi sempre socialista Primeiro-ministro holandês na mira de gangue de tráfico de droga

Ver Comentários Consulte Mais informação: Jornal SOL »

A partir de agosto, com uma lotação de 66%, os eventos culturais podem decorrer até às 02:00Bares e as discotecas continuam encerrados pelo menos até outubro.

Bares abrem a partir de domingoReabrem com regras dos restaurantes. Só as discotecas ficam encerradas até outubro.

Tribunal aceita forma de pagamento da caução de Joe BerardoO empresário madeirense vai dar como contrapartida imóveis avaliados em oito milhões de euros.

Covid-19. Teletrabalho deixa de ser obrigatório e passa a ser recomendadoEsta medida enquadra-se na primeira de três novas fases de reabertura do país.

Covid-19. Governo prevê que 85% dos portugueses tenham vacinação completa em outubroA taxa de vacinação passa a ser o principal indicador do plano de reabertura do país.

Fim do recolher obrigatório, restaurantes até às duas. Discotecas em outubroAntónio Costa apresentou esta tarde um plano de alívio de três fases. A primeira começa no domingo, 1 de agosto, com a normalização dos horários da restauração e comércio. No início de setembro começa a fase seguinte, com o fim de uso de máscaras na rua. Em outubro reabrem bares e discotecas. Já podemos comprar uma garrafa Johnnie Walker na candonga por 3 euros e vender cada mini dose a 7 euros? Yupiiii preciso de pagar o cayenne novo! Tudo à grande, BORA LÁ O DN É UM PASQUIM.