Psd, Paulo Rangel, Política

Psd, Paulo Rangel

Rangel: ″Se eu for líder do PSD não vai haver um bloco central″

Rangel: 'Se eu for líder do PSD não vai haver um bloco central'

28/10/2021 02:02:00

Rangel: 'Se eu for líder do PSD não vai haver um bloco central'

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel considerou que o executivo de António Costa deve manter-se em funções até às eleições, algo que Rui Rio criticou.

SubscreverCom o chumbo da proposta do Orçamento,"o que ficou claro foi a rutura da geringonça", disse Rangel."E o grande responsável é António Costa e o Partido Socialista, que nos convenceu que era possível diálogo com a esquerda radical".

Benfica igualou recorde com 57 anos O dia em que o futebol português morreu de vergonha Taça Libertadores: Marcelo felicita treinador Abel Ferreira

Lembrando que"com a mesma Assembleia da República pode haver dois ou três governos", mas neste caso, considerou, não faz sentido tentar outra solução que não novas eleições.Já quanto à manutenção do governo em funções até às legislativas, algo que o atual líder do PSD criticou duramente, Rangel considerou meritório:"Eu acho que o governo faz bem. É melhor ter um governo em funções até às eleições do que não ter um governo em funções até essa altura."

"O melhor para o país era não ter tido crise política", ressalvou."Mas isso é culpa de António Costa, que andou a enganar os portugueses estes anos todos dizendo que era possível governar com a esquerda radical". headtopics.com

Para Rangel, com este"divórcio litigioso" resultante do chumbo da proposta orçamental, o PS ficou agora mais sozinho."Vai demorar muito tempo até sarar as feridas".Pelo que, argumentou,"o voto no PS agora é um voto inútil". E não vê possibilidade de o Partido Socialista conseguir uma maioria absoluta --"António Costa já foi a votos duas vezes e não o conseguiu".

"Só há uma alternativa para um governo estável em Portugal, para um governo moderado, o PSD", afirmou Paulo Rangel.Prometendo apresentar um"grande projeto" para"um partido com vocação maioritária", capaz de"cativar, seduzir os portugueses para uma solução governativa", Rangel afirmou ainda que"o PSD se deve apresentar sozinho nas legislativas".

"Vamos pedir uma maioria estável. Se for possível uma maioria absoluta, melhor", afirmou."Mas se não tivermos, não vamos deixar de liderar um governo, se tivermos condições de liderar uma maioria estável", concluiu.

Quanto a acordos posteriores:"O nosso parceiro preferencial é o CDS, que é tradicionalmente o nosso parceiro. Reconheço na Iniciativa Liberal com quem o diálogo pode ser muito frutuoso, para encontrar soluções comuns para Portugal. Isto se a Iniciativa Liberal desejar, porque em Lisboa não aconteceu." headtopics.com

″E bem fundo″. Zemmour responde a mulher com o dedo do meio Liga diz que 'não houve nenhum pedido formal' do Belenenses SAD para adiar o jogo Xi Jinping, o novo imperador da China

Calendário"harmonizável"A questão de saber se a data das eleições antecipadas pode ou não ser prejudicial para o PSD, por estar em processo de escolha de líder, não parece preocupar o candidato ao lugar de Rui Rio.

"Não vamos agora cancelar eleições dentro do PSD, não há nenhum facto excecional que justifique isso", afirmou Paulo Rangel, lembrando que os sociais-democratas já estariam, fosse como fosse, normalmente em processo interno eleitoral."O PSD não está em estado de emergência, nem em estado de exceção".

Aliás, considerou, esta coincidência de diretas do PSD com legislativas antecipadas até pode ser vantajosa, pois permitirá"aos candidatos proporem a sua visão para o país"."No fundo as diretas são um processo de primárias. Nós vamos poder escolher o nosso candidato a primeiro-ministro antes das eleições [legislativas]", lembrou."O tempo é perfeitamente compatível. Os calendários são perfeitamente harmonizáveis."

Com isto, recusou simplesmente opinar sobre o que consideraria uma boa data para as eleições:"Não vou substituir-me ao Presidente da República. Há vários líderes partidários que estão a pressionar o Presidente, mas a marcação das eleições é exclusiva do PR." headtopics.com

Para o partido, promete"uma equipa plural", capaz de fazer"um processo de unidade", que"foi o que falhou na liderança anterior"."Nunca seremos um partido ganhador se não formos um partido plural", afirmou.

A visita polémicaRui Rio foi esta quarta-feira muito crítico ao facto de Paulo Rangel ter sido recebido pelo Presidente da República, criando uma polémica que fez com que este tivesse de vir declarar que"não se intromete na vida interna dos partidos".

Blaya Rodrigues: “Não podemos esquecer quem éramos antes. Isto aqui, o bebé, é só um extra” Aumento de casos de Covid preocupa Sérgio Conceição Vergonha no Belenenses SAD-Benfica: Azuis entraram com nove jogadores e acabaram reduzidos a seis

Esta quarta-feira à noite, Rangel garantiu que se tratou meramente de uma visita de cortesia, solicitada no dia em que apresentou a sua candidatura à liderança do PSD. Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

O Futuro do PSD

Escolhemos seis questões que determinam o futuro do PSD e sobre elas questionámos os dois candidatos a presidente do partido, que será eleito a 27 de Novembro

Foi isso que o Marcelo queria saber. Já com o Rio, o bloco central é possível desde que os socialistas queiram No caso dele já há Ah Ah Ah Ah,,, num país com xuxialistas de direita e de esquerda? Este aqui é outro...maluco.

Apoiantes de Rangel pedem Conselho Nacional extraordinário para antecipar Congresso do PSDA proposta é que as eleições diretas se mantenham em 04 de dezembro e o Congresso se realize entre 17 e 19 de dezembro, em vez de entre 14 e 16 de janeiro, como estava previsto. Foste ao Marcelo, isso faz se?

Rangel vai pedir Conselho Nacional extraordinário para antecipar congresso do PSDPede, pede, acho que fazes bem 😘😘🙋‍♂️

Apoiantes de Rangel pedem Conselho Nacional extraordinário para antecipar Congresso do PSDDirigentes distritais e conselheiros nacionais que apoiam Paulo Rangel na candidatura à liderança do PSD estão a recolher assinaturas para realizar um Conselho Nacional extraordinário que antecipe o Congresso do partido para dezembro.

Marcelo ouviu Rangel sobre prazos eleitorais e tentará não atropelar processo interno do PSDPresidente da República ouviu o candidato à liderança do PSD e se dissolver o Parlamento tentará não prejudicar os processos eleitorais em curso no PSD e no CDS. Marcelo não deu garantias, mas foi sensível ao argumento de que 15 dias podem fazer diferença. Havendo eleições antecipadas, a sua elasticidade é restrita mas pode marcá-las para 13 de fevereiro, no limite. Se o PSD antecipar o Congresso, tanto melhor … pior mesmo que o Marcelo é Rangel. A dimensão do problema é tal que Ventura e Cotrim esfregam já as mãos… Mas o que é que interessa ao Marcelo, o país ou o PSD? Xô Presidente, como é o último mandato, o país que se lixe, é? Diz a ' jornalista' sem vergonha instalada no jornal.

Rangel tenta marcar Conselho Nacional extraordinário Paulo Rangel está a tentar reunir o número de assinaturas necessário para agendar um Conselho Nacional extraordinário.

Marcelo e a audiência com Rangel: ″Não me imiscuo na vida interna dos partidos″O Presidente da República garantiu que recebeu o candidato à liderança do PSD porque recebe 'toda a gente' e fala 'com toda a gente'. se isto não é imiscuir então o que quer dizer imiscuir Este marcelo sempre foi uma doninha vira casacas Beto Beato de Cascais