Rússia regista pela primeira vez mais de 1000 mortes em 24 horas

Rússia regista pela primeira vez mais de 1000 mortes em 24 horas

Covıd-19, Internacional

16/10/2021 13:12:00

Rússia regista pela primeira vez mais de 1000 mortes em 24 horas

Em número de casos, a Rússia está perto de oito milhões e é o quinto país do mundo em número de casos, atrás dos Estados Unidos, Índia, Brasil e Reino Unido.

Apenas 45,8 milhões de pessoas, 31,4% da população, receberam o esquema vacinal completo.Se essa taxa for mantida, a Rússia ainda vai demorar 140 dias para atingir a meta de 60% da população adulta vacinada.

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Calendário de Futsal - RTP Desporto

Covid-19. Rússia regista pela primeira vez mais de 1.000 mortes em 24 horas

Migrações: Polónia acusa Rússia de fomentar crise na fronteira bielorrussaO Governo polaco pensa que 'a crise migratória está a ser levada a cabo com grande apoio da Federação Russa', acusando a Rússia de apoiar logisticamente a Bielorrússia e de ser tudo um plano de 'agressão contra a Polónia'

Rússia e Arábia Saudita ponderam criar uma aliança de países produtores de gásO vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, e o ministro da Energia da Arábia Saudita discutiram hoje a ideia de criar uma aliança de países produtores de gás, perante a alta dos preços.

Pavel Latushko, opositor bielorrusso e ex-embaixador em Portugal: “Têm medo da Rússia? Se sim, a conversa termina aqui”A oposição bielorrussa concentrou-se em Nuremberga para exigir à comunidade internacional que considere o regime de Alexander Lukashenko uma organização terrorista. O Expresso falou com um antigo embaixador da Bielorrússia em Portugal, que se afastou do ditador depois de ter sido seu aliado e membro do Governo. Pavel Latushko foi processado e enfrenta a pena de morte. Leia esta entrevista e a reportagem na edição semanal do Expresso de 16 de outubro de 2021

Covid-19. Rússia regista pela primeira vez mais de 1.000 mortes em 24 horas

Em dia com sete mortos, R(t) e incidência sobemBoletim diário da DGS indica que há agora 301 pessoas internadas, das quais 55 em unidades de cuidados intensivos. O índice de transmissibilidade está novamente perto da zona amarela na matriz de risco.