PSD: Rangel admite acordos e coligações com CDS e IL ou governar em minoria sem partidos radicais

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel admitiu esta segunda-feira fazer acordos e até...

19/10/2021 01:43:00

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel admitiu esta segunda-feira fazer acordos e até...

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel admitiu esta segunda-feira fazer acordos e até coligações com o CDS-PP e a Iniciativa Liberal com vista a uma maioria absoluta de centro-direita ou governar em minoria, excluindo 'partidos radicais' num Executivo social-democrata.

E usufrua de todas as vantagens de ser assinanteEm entrevista à TVI, Paulo Rangel defendeu que, se for eleito presidente, o PSD vai batalhar"para ter maioria absoluta", mas assegurou que não estará fechado a acordos ou coligações -"acho que pode chegar a isso" - com o CDS-PP ou com a Iniciativa Liberal.

Supremo condena André Ventura e Chega por segregação racial Obra de finais do século XVIII exposta por intervenção em igreja de Tavira André Ventura condenado por segregação social: ''Vemos isto com muita satisfação''

Questionado se, para chegar ao poder o PSD depender do Chega, Paulo Rangel prefere não formar Governo, o eurodeputado respondeu:"O Governo do PSD nunca será feito com um partido radical, seja de direita, seja de esquerda", sem nunca referir o nome do partido liderado por André Ventura.

No entanto, excluiu que tal signifique entregar o poder à esquerda."Não necessariamente, Portugal já teve governos minoritários de sucesso", afirmou, defendendo que o centro-direita já teve maiorias absolutas no passado e pode voltar a ambicioná-las, dizendo que o atual presidente do PSD, Rui Rio,"tem alienado o centro-direita e a direita moderada". headtopics.com

Questionado se ficaria surpreendido se Rio não se recandidatasse à liderança do partido, Rangel afirmou não ter estados de alma sobre essa matéria."Tenho um enorme respeito pessoal e político pelo dr. Rui Rio, que conheço há 20 anos, qualquer decisão que tome respeitarei com enorme recato. Se for candidato terei o maior gosto em disputar eleições com ele", disse, acrescentando não ter"uma visão pessoal da política"

Sobre o que o distingue do atual presidente - que apoiou nas diretas de há dois anos -, Paulo Rangel apontou a falta de esforço de"agregação" das várias tendências no partido, não convidando adversários como Luís Montenegro ou Miguel Pinto Luz para integrarem órgãos nacionais em 2020, e a forma de oposição ao Governo, que"tem de ser mais firme, mais visível, mais assertiva".

"Não é uma questão de tom de voz: quando há um líder do partido que resolve acabar com os debates quinzenais, estamos a falar de formas de conceção da democracia. Como é que o maior partido da oposição, com o Governo de António Costa que tem instintos controleiros em certas áreas de forma preocupante, aceita perder o principal instrumento de escrutínio parlamentar?", questionou.

Na entrevista à TVI, o eurodeputado e antigo líder parlamentar foi questionado se teria o apoio do anterior líder Pedro Passos Coelho e se este seria importante para unir o partido, com Paulo Rangel a dizer não poder responder pelo antigo primeiro-ministro, com quem disse ter desenvolvido uma relação mais próxima desde que foram adversários internos, em 2010, e assegurou que não lhe pediu conselhos antes de avançar. headtopics.com

André Ventura: ''Aceito a decisão, mas entendo que as minhas afirmações não foram racistas'' Portugal vai receber quatro cabos submarinos até 2025. São mais 600 Terabits por segundo que aí vêm “Investir na sustentabilidade é investir na economia”

Rangel defendeu que tem"todas as condições para agregar" as várias correntes do PSD, entre os mais sociais-democratas, mais liberais, mais conservadores ou mais democratas-cristãos."Se me permite alguma emancipação, não preciso da tutela de ninguém, seja de quem for, para conseguir o primeiro e mais imediato objetivo como líder do PSD: fazer a unidade, a congregação das várias correntes, porque infelizmente isso não foi feito", frisou, dizendo já ter apoios de pessoas de"várias sensibilidades".

Depois do período de disputa eleitoral, que gera"debate e conflitualidade", Rangel prometeu que se for eleito presidente do PSD agregará não só os que já lhe manifestarem apoio mas"também os que entrem na corrida mais tarde".

As eleições diretas para escolher o presidente do PSD estão marcadas para 04 de dezembro e o Congresso irá decorrer entre 14 e 16 de janeiro e Paulo Rangel é, por agora, o único candidato anunciado.18 de Outubro de 2021 às 23:37

Consulte Mais informação: Jornal de Negócios »

O Futuro do PSD

Escolhemos seis questões que determinam o futuro do PSD e sobre elas questionámos os dois candidatos a presidente do partido, que será eleito a 27 de Novembro

Paulo Rangel: ″Não compete ao PSD aprovar o OE2022″Candidato à presidência do Partido Social Democrata em entrevista à TVI O PSD prefere orçamentos anticonstitucionais. ..que fracos jornalistas para uma entrevista a um candidato ao maior partido da oposição!!! Sempre a interromper e sem interesse em saber o que o Homem pensa e quer para o País, sobretudo.

Paulo Rangel promete mostrar ao país ″um PSD unido″O eurodeputado Paulo Rangel, que se candidata a líder do PSD, afirmou que o seu primeiro objetivo caso vença as eleições é 'unir e fazer a congregação das várias correntes' do partido. Considera 'muito pouco provável' que venha a existir uma crise política mas defende que, se ela ocorrer, o PSD não deve ajudar a aprovar o Orçamento do Estado. Nota se Muda-se as moscas...

Paulo Rangel eleva a fasquia do PSD: 'Trabalhar para a maioria absoluta''Temos todas as condições para ter uma maioria de 42% ou 43%', apontou o candidato à liderança do PSD, na primeira entrevista nessa qualidade, à TVI. Paulo Rangel promete unir o partido para depois atacar o PS. Pronto, temos vidente... Deus nos livre. E trabalhar para os portugueses? Ah, desculpem... é demasiado radical!... 😒

Paulo Rangel na posse de Moedas para celebrar ″novos tempos″O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel marcou, esta segunda-feira, presença na tomada de posse do novo presidente da Câmara de Lisboa, mas escusou-se a falar sobre a vida interna do partido, dizendo querer celebrar os 'novos tempos'. Mas quais novos tempos? São sempre os mesmos palermas dos mesmos partidos. Ora é Feijão ou é arroz. Ora como eu ora comes tu. O país (o povo) engrenou o ponto morto há mais 40 anos e não é capaz de engrenar a primeira e ver-se livre destes cangalhos de um vez por todas.

Paulo Rangel diz que 'não compete ao PSD aprovar o Orçamento do Estado e este é mau'Candidato à liderança do PSD afirmou ainda que tem 'a maior das admirações' por Pedro Passos Coelho.

Passistas apoiam Rangel contra oposição ″suave e passiva″ de RioUm grupo de 31 personalidades do PSD, entre elas vários antigos ministros do Governo de Passos Coelho, assinou uma carta denunciando a oposição 'suave e passiva' de Rui Rio ao Executivo. 'Não temos dúvidas de que um líder como Paulo Rangel mudará este estado de coisas', escrevem.