Professores e auxiliares de educação aderem à greve da Administração Pública de 12 de novembro

Professores e auxiliares de educação aderem à greve da Administração Pública de 12 de novembro

27/10/2021 17:55:00

Professores e auxiliares de educação aderem à greve da Administração Pública de 12 de novembro

A FNE avançou esta quarta-feira com pré-aviso de greve para 12 de novembro em articulação com greve anunciada pela Federação de Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos. A FNE e a FESAP exigem políticas concretas de valorização dos trabalhadores.

“A FNE e a FESAP pretendem com esta greve reforçar a ideia de que durante toda esta legislatura e em todos os orçamentos, desde 2016 até 2021, nunca foi promovida uma justa valorização dos trabalhadores da Administração Pública (AP)”, avança a FNE, realçando que “as decisões tomadas têm provocado uma profunda insatisfação, sendo a greve por isso inevitável”.

Ferro Rodrigues despede-se da AR: 'Maior honra da minha vida' foi ser presidente do Parlamento Francisco Louçã: ''Rangel é mau em campanhas eleitorais'' «Nós somos o Bayern, tu não»: Assembleia Geral do clube alemão a 'ferro e fogo'

A FNE realça ainda que o Governo “continua a ignorar” a orientação definida pela Lei do Orçamento de Estado para que iniciem as negociações relativas à recuperação integral do tempo de serviço congelado de nove anos, quatro meses e dois dias.

É ainda destacada a questão dos trabalhadores não docentes e da insuficiência de recursos humanos para garantir o funcionamento das escolas, situação, diz a FNE, agravada pelos desafios criados pela pandemia da Covid-19. Um quadro que, segundo esta federação sindical, “leva a que existam serviços escolares que não funcionam por falta de trabalhadores, mas também a uma sobrecarga para aqueles que se mantêm ao serviço, sem esquecer o regime de precariedade a que continuamos a assistir”. headtopics.com

Para a FNE, o Ministério da Educação “foi até agora incapaz de procurar” resolver estes problemas com as organizações sindicais, realçando que o ministério liderado por Tiago Brandão Rodrigues recusou-se a abrir processos negociais para os quais a FNE tem demonstrado, diz, “total abertura e disponibilidade”.

“Um país mais desenvolvido exige um serviço público de educação de qualidade. Por isso, a FNE, em conjunto com a FESAP, exige um Orçamento de Estado para 2022 que atribua à Educação os recursos financeiros adequados, no sentido de se conseguir que estes venham a representar 6% no quadro orçamental”, frisa a FNE.

Esta federação reclama ainda a determinação de “aumentos justos” de salários e pensões para todos os trabalhadores da administração pública, os quais, defende a FNE, “devem atingir os 2,5% para todos, bem como a atualização do subsídio de refeição para seis euros”.

Na lista das reivindicações está ainda a revisão da Tabela Remuneratória Única, “eliminando as injustiças que se foram acumulando, particularmente em resultado do justo crescimento do Salário Mínimo Nacional, mas sem que se tenha garantido o necessário e consequente ajustamento das posições remuneratórias seguintes”. headtopics.com

Portugal tem médicos suficientes mas SNS não é atrativo, diz bastonário O retrato cru de uma geração desiludida: três em cada quatro jovens ganham menos de €950 e um terço quer sair de Portugal Vandalizados carros dos congressistas do Chega

É também reclamado a concretização de um “efetivo diálogo social” no sector da educação, com o reconhecimento do direito à participação das organizações sindicais na determinação e acompanhamento das políticas educativas. E ainda a promoção de uma escola pública de qualidade, com políticas de reconhecimento e valorização de todos os educadores de infância, professores dos ensinos básico, secundário e superior, formadores e trabalhadores não docentes, em termos de remuneração, desenvolvimento de carreiras, condições de trabalho, rejuvenescimento e mecanismos adequados de acesso à aposentação.

A FNE pretende também a criação das carreiras especiais de Trabalhadores Não Docentes, com reconhecimento dos respetivos conteúdos funcionais, bem como o estabelecimento de “justos procedimentos de avaliação de desempenho”, que substituam os sistemas atualmente em vigor, que, sustenta, “se revelam inadequados e promotores de mal-estar em todos os setores e serviços”.

Consulte Mais informação: Jornal Económico »

O Futuro do PSD

Escolhemos seis questões que determinam o futuro do PSD e sobre elas questionámos os dois candidatos a presidente do partido, que será eleito a 27 de Novembro

Federação Nacional de Educação adere à greve da administração pública no dia 12 de novembroFNE diz que na legislatura e nos orçamentos nunca foi promovida uma justa valorização dos trabalhadores da Administração Pública. Entretanto... Estes a cagarem para o país, para além dos partidos...

Chefias do corpo das guardas prisionais convocam greve para 12 de novembroTrabalhar? Sim, os telemóveis e armas não andam nas prisões? Então dêem lugar a outros...

Trabalhadores do Metro de Lisboa fazem greve de 24 horas a 4 de novembroLuta arranca com três greves parciais, a primeira das quais na terça-feira, anunciou esta segunda-feira a FECTRANS.

Trabalhadores do Metro de Lisboa fazem greve de 24 horas a 4 de novembroOs trabalhadores do Metro de Lisboa vão realizar uma greve de 24 horas a 4 de novembro, mas a luta arranca com três greves parciais, a primeira das quais na terça-feira, anunciou esta segunda-feira a FECTRANS.

País entra em greve nos próximos meses: veja que sectores e classes profissionais vão pararProfessores, médicos, enfermeiros, transportes, administração pública: o país vai parar no próximo mês

Chefias do Corpo da Guarda Prisional em greve no dia 12 de novemrboAssociação Sindical acusa o Ministério da Justiça de 'inércia, apatia e desconsideração'.