Sudão

Sudão

Primeiro-ministro do Sudão detido por militares e pressionado a apoiar golpe de Estado

Líderes políticos sudaneses detidos, internet cortada em todo o país

25/10/2021 09:36:00

Líderes políticos sudaneses detidos, internet cortada em todo o país

O primeiro-ministro do Sudão , Abdullah Hamdok, foi 'detido em casa' pelos militares e pressionado a fazer uma declaração 'a apoiar o golpe [de Estado]', disse o ministério da Informação sudanês.

O primeiro-ministro do Sudão, Abdullah Hamdok, foi"detido em casa" pelos militares e pressionado a fazer uma declaração"a apoiar o golpe [de Estado]", disse o ministério da Informação sudanês."As forças militares conjuntas, que mantêm o primeiro-ministro sudanês Abdullah Hamdok dentro da sua casa, estão a pressioná-lo a fazer uma declaração de apoio ao golpe", disse o ministério numa curta publicação na rede social Facebook.

TV estatal da Venezuela transmite “Super Bigode”, um super-herói inspirado em Maduro Trotinetes, mupis e buracos: as armadilhas que os deficientes enfrentam Futebol português são 9 contra 11 e, no fim, ganha a estupidez

Homens armados não identificados detiveram, esta segunda-feira, líderes políticos sudaneses.As detenções acontecem após semanas de tensão entre as autoridades de transição civil e militar.A internet foi cortada em todo o país, enquanto manifestantes se concentravam nas ruas da capital, Cartum, para protestaram contra as detenções.

Estes acontecimentos surgem apenas dois dias após uma fação sudanesa que pedia uma transferência de poder para o Governo civil ter advertido sobre a preparação de um golpe de estado numa conferência de imprensa, que uma multidão de pessoas não identificadas procurou impedir. headtopics.com

O Sudão tem estado numa transição precária marcada por divisões políticas e lutas pelo poder desde a expulsão do presidente, Omar al-Bashir, em abril de 2019.PUBDesde agosto de 2019, o país tem sido governado por uma administração civil-militar encarregada de supervisionar a transição para um regime totalmente civil.

O principal bloco civil - as Forças pela Liberdade e Mudança (FFC) - que liderou os protestos anti-Bashir em 2019, dividiu-se em duas fações opostas."A crise atual é artificial - e assume a forma de um golpe", disse o líder da FFC, Yasser Arman, numa conferência de imprensa na capital, no sábado.

"Renovamos a nossa confiança no Governo, no primeiro-ministro, Abdullah Hamdok, e na reforma das instituições de transição, mas sem (...) imposição", acrescentou Arman.As tensões entre os dois lados já existem há muito tempo, mas as divisões foram exacerbadas após o golpe falhado de 21 de setembro.

Na semana passada, dezenas de milhares de sudaneses marcharam em várias cidades para apoiar a transferência total do poder para os civis e em resposta a uma concentração rival de vários dias junto ao palácio presidencial em Cartum, na qual se exigia um regresso ao"domínio militar". headtopics.com

Mutações do coronavírus podem obrigar a vacinação anual Novas tabelas do IRS isentam de imposto salários e pensões até 710 euros Hospital de Almada sem novos casos de Covid entre os profissionais de saúde

Hamdok descreveu anteriormente as divisões dentro do Governo de transição como a"crise mais grave e perigosa" que enfrenta a transição.No sábado, Hamdok negou os rumores de que tinha concordado com uma remodelação do gabinete, salientado que não monopolizara o direito de decidir o destino das instituições de transição.

Também no sábado, o enviado especial dos EUA para o Corno de África, Jeffrey Feltman, reuniu-se com Hamdok, com o presidente do órgão governamental do Sudão, o general Abdel Fattah al-Burhan, e o comandante paramilitar Mohamed Hamdan Daglo.

Feltman"destacou o apoio dos EUA a uma transição democrática civil, em conformidade com os desejos expressos pelo povo sudanês", segundo a embaixada dos EUA em Cartum.Os analistas dizem que as recentes manifestações mostram um forte apoio a uma democracia liderada por civis, mas os protestos de rua podem ter pouco impacto nas fações que pressionam para um regresso ao domínio militar.

JN/AgênciasHoje às 07:28, atualizado às 07:49 Consulte Mais informação: Jornal de Notícias »

O Futuro do PSD

Escolhemos seis questões que determinam o futuro do PSD e sobre elas questionámos os dois candidatos a presidente do partido, que será eleito a 27 de Novembro

Primeiro-ministro do Sudão detido pelos militares e pressionado a apoiar golpe de EstadoCm ao Minuto - Primeiro-ministro do Sudão detido pelos militares e pressionado a apoiar golpe de Estado

Manifestantes bloquearam estradas da capital do SudãoTensão tem sido constante no Sudão.

“A defesa dos direitos humanos num Estado democrático não pode ter preço”Quarenta e seis anos após a morte de Franco, estima-se que em Espanha haja ainda mais de 100 mil vítimas da ditadura enterradas em paradeiro desconhecido. São associações cívicas, e não o Estado, quem ajuda os familiares a procurar os corpos. Emilio

Centenas de pessoas pedem ao Estado que não esqueça mais vulneráveis em Caminhada pela VidaIniciativa realiza-se há 10 anos em Portugal.

Líbia anuncia detenção de dois líderes do autoproclamado Estado IslâmicoForças armadas do Governo de Unidade formado dez anos depois da morte de Kadhafi anunciaram a detenção de vários terroristas, incluindo dois líderes.

Ministro e Chefe do Estado Maior do Exército vaiados em Aveiro por antigos paraquedistasDezenas de antigos paraquedistas manifestaram-se, este domingo, durante as comemorações do Dia do Exército, que decorreram em Aveiro, desagradados pelo facto de não ser permitido aos paraquedistas em atividade cantarem 'Pátria Mãe' e marcharem da sua forma característica. Para quando a demissão destes dois ? Ainda aí a síndrome cabrita Rua com os dois imediatamente.