Prepare-se. Vem aí a 5.ª Revolução Industrial

Prepare-se. Vem aí a 5.ª Revolução Industrial

Opinião

17/01/2022 03:46:00

Prepare-se. Vem aí a 5.ª Revolução Industrial

É verdade. Parece que ainda estamos a meio da 4.ª Revolução Industrial, mas vem aí a 5.ª Revolução Industrial.

A economia e a sociedade andam hoje a uma velocidade vertiginosa e tudo aquilo que o #digital trouxe à vida quotidiana de todos nós ainda mais acelerou estes processos. Hoje, um telemóvel ou computador de última geração fica desatualizado em 18 meses. Uma viatura topo de gama fica desatualizada em 36 meses. Um avião de última geração fica desatualizado em 60 meses.

Na era dos QR Codes, doblockchain, onde a inteligência artificial controla grande parte das nossas vidas e em que até a arte e cultura sucumbiram ao #digital através dos NFT - Non Fungible Tokens, tudo acontece à velocidade de um clique sobre fibra ótica. O Grupo Inditex, dono da marca Zara, apresentou nesta semana a sua primeira coleção virtual de roupa no Metaverso onde qualquer pessoa se pode vestir e vestir também o seu avatar. Por isso sabemos que o 5G está na rua, mas já há milhares de empresas a trabalhar nas bases das futuras redes de última geração que são baseadas no 6G.

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

A sexta revolução é evitar os jornais não 'sacarem e obterem' a vossa privacidade. Cada vez que clickam nos anuncios e fotografias o DN imediatamente sabe onde vc vive, sua cor politica e vosso profile digital. Instalem ADblocker sempre. NÃO clickem para anuncios e fotos.

″Inflação? Sabemos que a onda vem aí, ainda sem se ver″Pedro Pimentel, diretor-geral da Centromarca, fala num ″tsunami inflacionista″, fruto da disrupção das cadeias de abastecimento.

Espanha. Vem aí a final da Supertaça

Espanha. Vem aí a final da Supertaça

Safe-Crop e Lusitania querem revolução no seguro agrícolaMediadora e seguradora vão além de ajudar agricultores na má meteorologia e lançam seguro agrícola paramétrico para cobrir quebras de produtividade e de preços de mercado.

Melgaço faz upgrade tecnológico de 15 milhões para indústriaAutarquia reforça cobertura 5G e aposta na produção e armazenamento de energia renovável para autoconsumo e postos de abastecimento elétricos e a hidrogénio para pesados na Zona Industrial de Penso.

Incêndio na Baixa do Porto - RenascençaAlerta foi dado perto das 13h e ainda não se sabe se há vítimas.

O tempo hoje corre mais rapidamente do que nunca e os muitos anos que demoraram a passar da 1.ª Revolução Industrial para a 2.ª Revolução Industrial (praticamente cem anos), e da 2.ª Revolução Industrial para a 3.ª (também quase cem anos), já foram muito menos na passagem da 3.ª Revolução Industrial para a 4.ª e por isso se percebe que os tempos de migração e de evolução de ciclos são hoje muito mais curtos. A economia e a sociedade andam hoje a uma velocidade vertiginosa e tudo aquilo que o #digital trouxe à vida quotidiana de todos nós ainda mais acelerou estes processos. Hoje, um telemóvel ou computador de última geração fica desatualizado em 18 meses. Uma viatura topo de gama fica desatualizada em 36 meses. Um avião de última geração fica desatualizado em 60 meses. Na era dos QR Codes, do blockchain , onde a inteligência artificial controla grande parte das nossas vidas e em que até a arte e cultura sucumbiram ao #digital através dos NFT - Non Fungible Tokens, tudo acontece à velocidade de um clique sobre fibra ótica. O Grupo Inditex, dono da marca Zara, apresentou nesta semana a sua primeira coleção virtual de roupa no Metaverso onde qualquer pessoa se pode vestir e vestir também o seu avatar. Por isso sabemos que o 5G está na rua, mas já há milhares de empresas a trabalhar nas bases das futuras redes de última geração que são baseadas no 6G. As anteriores revoluções industriais basearam-se muito nos aspetos mecânicos e na evolução tecnológica. A 5.ª Revolução Industrial assenta nos aspetos qualitativos e de lifestyle , ligados ao ambiente e à cultura e a tudo aquilo que tem por detrás a aposta no desenvolvimento sustentável. Ou seja, os fatores diferenciadores desta nova Revolução Industrial são a aposta que cada vez mais as pessoas e nomeadamente os jovens fazem na qualidade de vida e na primazia que dão à mesma. A aposta que os países e os governos fazem quando apostam nas energias renováveis, na qualidade de vida dos seus povos, nas smart cities , na economia circular e em políticas ativas ligadas aos vários eixos do desenvolvimento sustentável. Hoje, os jovens já não hesitam e querem viver a sua vida em pleno e fazer e desfrutar de tudo aquilo em que acreditam e querem"experienciar". Por isso muitos jovens recusam atualmente excelentes ofertas de emprego de multinacionais de referência para se dedicarem àquilo em que acreditam e querem fazer. O que há uns anos seria um emprego"perfeito" para toda a vida transformou-se hoje em algo que os jovens evitam. A 5.ª Revolução Industrial é ditada assim pelo poder do indivíduo e por tudo aquilo que ele está disponível, ou não, para fazer. Por tudo aquilo em que ele acredita e nos sacrifícios, leia-se"fretes", que já não está disponível para fazer. As empresas já não escolhem as pessoas. São as pessoas que escolhem as empresas. A 5.ª Revolução Industrial é, sobretudo, uma"revolução cultural" no modo de estar na indústria. Não que uma vida diferente não tenha sacrifícios. Há sempre sacrifícios. Mas as novas gerações estão disponíveis para todos os sacrifícios desde que acreditem verdadeiramente neles e estejam de acordo com os valores que defendem e querem viver. Por isso, hoje em dia, um grupo de jovens saídos da universidade prefere por exemplo abrir a sua startup e lutar por ela sem tréguas do que aceitar um"honroso" emprego numa qualquer multinacional. O american dream