Praça Do İmpério Brasões

Praça Do İmpério Brasões

Praça do Império sem brasões florais

25/09/2021 12:26:00

Os brasões florais, retratados em bucho, situados na Praça do Império, em Lisboa, vão mesmo ser removidos. Os brasões com os símbolos das capitais de distrito e das ex-colónias rumarão, agora, para a calçada – como havia proposto o Movimento Nova Portugalidade nas suas petições de 2017 e 2021.

Condutores aproveitam para abastecer antes do aumento dos combustíveis na segunda-feira Paulo Rangel candidata-se à presidência do PSD | Jornal Económico Carrinha da equipa de andebol do Boa Hora incendeia-se

Uma solução que parece agradar aos dois lados, uma vez que Sá Fernandes, vereador do Ambiente, Clima e Energia, Estrutura Verde e Serviços Urbanos, conseguirá, de facto, apagar os brasões florais e, ao mesmo tempo, o movimento tê-los-á representados na calçada. Sabe ainda o Nascer do SOL que, por parte da Câmara Municipal de Lisboa, foi inicialmente proposta a construção de placas com os brasões, algo que o Movimento Nova Portugalidade terá rejeitado.

 Resistência de pesoRecorde-se que a remoção dos brasões florais da Praça do Império originou forte polémica, com vários milhares a insurgirem-se contra o projecto de restauração daquela praça de referência na zona de Belém. Entre as muitas personalidades que assinaram as petições contra a remoção dos brasões florais incluem-se os ex-Presidentes da República António Ramalho Eanes e Aníbal Cavaco Silva, mas também o ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara de Lisboa Pedro Santana Lopes ou o antigo ministro Bagão Félix e o sociólogo António BArreto.  Apesar de nem Ramalho Eanes nem Cavaco Silva  terem assinado a petição da Nova Portugalidade, ambos manifestaram apoio público à causa: «A Praça do Império é, toda ela, uma homenagem à gesta dos Descobrimentos, feito de que os Portugueses se devem orgulhar. Portugal soube manter uma amizade sólida com os países de expressão portuguesa, baseada no respeito mútuo e numa cooperação continuamente aprofundada. Espero que se tenha o bom-senso de recuperar e preservar os brasões florais que evocam a memória da nossa presença Além Mar e devem ser hoje celebração dessa proximidade entre países irmãos», dizia, em Fevereiro, Cavaco Silva. Já Ramalho Eanes, ao headtopics.com

i, apesar «de não assinar petições», demonstrava-se solidário  com a causa da Nova Portugalidade, discordando do projeto da autarquia.Também o sociólogo António Barreto, em fevereiro, deixou duras críticas às intenções da Câmara de Lisboa, considerando uma demagogia querer refazer-se o jardim mas não «demolir o Mosteiro dos Jerónimos», notando haver um «universo de abdicação da História, da sua negação, quando devia haver era um enorme esforço de fazer cada vez mais História e mais rigorosa». Barreto relembrava ainda como «durante 100 anos se falava da escravatura como uma vantagem, com orgulho, e é verdade que a escravatura não merece o menor orgulho» mas «aconteceu».

Consulte Mais informação: Jornal SOL »

GRAMSCI EXPLICA. Que fazer MDS?!

Praça do Município - Albufeira

Afeganistão. Pessoas da lista prioritária portuguesa continuam retidasNo Afeganistão cresce o desespero dos afegãos que estão há mais de um mês na lista prioritária portuguesa, e que continuam à espera, sem nenhuma notícia ou plano de evacuação.

A semana em oito gráficos: Europa regressa aos ganhos após três semanas em quedaAs bolsas europeias fecharam a semana em alta, com a praça lisboeta a liderar os ganhos. Apesar das quedas de sexta-feira, devido aos receios em torno do impacto de uma eventual derrocada da gigante chinesa do imobiliário Evergrande e do travão às criptomoedas colocado por Pequim, o índice de referência Stoxx 600 conseguiu recuperar depois de três semanas em baixa. Já o petróleo valorizou pela terceira semana consecutiva.

BCP leva Lisboa a abrir sessão no 'verde'. Europa em subida generalizadaO BCP puxa pela praça lisboeta, fazendo-a abrir em terreno positivo, ao registar um ganho superior a 2%.

Europa inicia sessão em queda. BCP afunda mais de 1%A última sessão da semana abriu em queda, com o BCP a pressionar a praça lisboeta, depois de ao dia de ontem ter puxado pelos ganhos ao subir mais de 8%.

Praça do Município - Albufeira