Opinião

Opinião

Portugal dos piquininos

17/06/2021 00:46:00

Há uns 50 anos, os estudos de Estado-Maior nas FFAA portuguesas, incidiam num objetivo estratégico primordial: o reforço do poder nacional.Este poder era apresentado como a resultante de vários poderes subsidiários entre os quais se contavam: o político (a capacidade de avaliação e decisão nacional e as alianças), o económico (agrícola/alimentar, industrial e comercial), o cultural (incluindo o técnico-científico), o militar, e a coesão e capacidade de mobilização nacional para a defesa da Pátria. 

Ministra da Saúde alerta para agravamento da covid-19 na última semana OE 2022: António Costa ''de consciência tranquila'' perante chumbo da proposta Desconto do Governo nos combustíveis entra em vigor a 10 de novembro

Lembro-me ainda de um Professor na matéria que se destacava pelas suas sistemáticas abordagens segundo o poder nacional, o prof. Adriano Moreira. Durante alguns anos, quando (ainda) havia algumas conversas na TV sobre o assunto, perante a ‘paisanice’ da generalidade dos oradores, Adriano Moreira voltava a dar lição. Infelizmente, nunca mais esse assunto foi abordado publicamente e Adriano Moreira desapareceu de cena, tal como o Poder Nacional. Na verdade, este foi, simplesmente, dissipado pela paisanice acéfala e serventuária que nos tem governado, independentemente dos matizes pseudointelectuais em que se desdobram.

O poder político foi esquartejado em doses variáveis segundo os empregados de turno no ‘desgoverno’, repartindo-se entre a CIA, a banca e as transnacionais, os ingleses, os ‘espanholitos’ e, talvez em último lugar, a União Europeia, a quem estamos ligados pelo tubo da sobrevivência metido na veia. headtopics.com

O poder económico, simplesmente desapareceu, já que nem chega para comermos o pequeno-almoço. Só tem de ‘nosso’ as terras dos camponeses que o capital estrangeiro ainda considera «não terem condições de competitividade no mercado internacional». (Há uns bons anos, um secretário de estado da defesa dizia que em vez de termos produção interna de rações de combate era mais barato comprarmos a Espanha. Comentário: assim os espanhóis conquistavam-nos sem um tiro, só pela diarreia!).

O poder militar, coitado, está reduzido à produção de ‘gurkas nacionais’ para limpar as casernas nas ações internacionais da Nato ou para alugar aos franceses na defesa dos seus interesses na África onde passam as caravanas de camelos (algumas vezes com a droga para a Europa). Como sintoma desse ‘poder’ veja-se, a propósito da mais recente ‘reforma’, o grau de dissociação entre as chefias militares, incluindo o general Eanes, relativamente ao ‘poder político’. É mais do que claro que esta reforma foi ditada do estrangeiro (como a dos navios para a GNR) e visa comer os nossos parcos direitos – antiga ‘soberania’ – sobre os recursos nacionais, incluindo a ZEE atlântica.

O poder cultural acabou com o último dos fadistas reconhecidos, o Carlos do Carmo. Resta-nos ainda o Ronaldo no futebol (e o Guterres na ONU…)Quanto à coesão e à capacidade de mobilização patriótica, que enfado, como se da Unidade e não da Competitividade viesse o ‘progresso’… ou, ainda, se o patriotismo fosse moeda circulante na pós-modernidade…

No mapa de Portugal constam só algumas capitais, como centros de consumo e de ‘bronzeamento da estrangeirada’; de resto, só há os vazios (territoriais e humanos) das ‘províncias’, atravessadas por umas linhas estreitas das novíssimas autoestradas por onde chegam as mercadorias ‘de fora’, muitas delas produzidas por ‘escravos nepaleses’. headtopics.com

Ander Herrera foi assaltado por uma prostituta no trânsito. A mulher entrou no carro, levou a carteira e o telemóvel e o jogador nem reparou Ministra alerta para agravamento da pandemia na última semana Chumbo do orçamento leva Bruxelas a querer falar com o Governo

E não vão ser os ‘patriotas ibéricos’ do novo movimento criptofascista (ibérico) dos ‘rurais e tradicionais’ que vai mudar as coisas, antes pelo contrário. Por isso, vergonha para aqueles que, de novo, se dispõem a acabar com Portugal entregando-o à direção dos ‘latifundiários tradicionalistas’ espanhóis.

Os episódios recentes daquela multidão de bêbados ingleses no norte, do posterior ‘fecho’ inglês às deslocações, e o dos espanhóis a ‘defenderem-se’ do ninho de covid que os primeiros cá deixaram, mostra bem aquele ditado popular que diz: «Quanto mais te agachas mais se te vê o…». Ou ainda o outro: «De Espanha, nem bons ventos nem bons casamentos!».

O caminho a percorrer é ao contrário, portugueses! Pela Construção e Defesa de um Portugal Digno e Soberano! Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Dos 241 surtos ativos em Portugal, 70% concentram-se em Lisboa e Vale do TejoDados da Direção-Geral da Saúde indicam ainda que existem 84 surtos ativos em estabelecimentos de ensino envolvendo um total acumulado de 514 casos positivos de covid-19. Números estão a aumentar, mas continuam muito distantes do pico da epidemia

Portugal pode estar ″a caminho″ de ser um dos países da UE com maior incidênciaPara o especialista Óscar Felgueiras., a questão passa por 'combinar' o aumento da incidência com o impacto económico e a saúde mental dos portugueses, considerando que tal depende também 'um pouco do próprio interesse dos concelhos'. Campeões em alguma coisa😂😅

Portugal regista 241 surtos ativos, 81 dos quais em estabelecimentos de ensinoSociedade - Portugal regista 241 surtos ativos, 81 dos quais em estabelecimentos de ensino

Produção de automóveis em Portugal recupera em maio mas continua 12% abaixo dos níveis pré-pandemiaAté maio deste ano, foram produzidos mais de 136 mil veículos, ou seja, mais 44,2% do que em igual período do ano anterior, mas menos 12,4% quando comparado com o mesmo período de 2019.

“Pete, o Muro” será o último obstáculo no caminho de PortugalSem o jovem talentoso Dominik Szoboszlai, um dos principais trunfos da Hungria contra Portugal será o guarda-redes Péter Gulácsi.

Espanha será mais rápida a gastar dinheiro do PRR nos próximos dois anos. Portugal com investimento equilibrado para os seis anosAprovação do PRR de Portugal deve ser anunciada esta quarta-feira. Estudo analisa os PRR dos Estados-membros da União Europeia