Plenário da Conferência sobre o Futuro da Europa discute 90 recomendações

21/01/2022 22:06:00

A Europa que Queremos: Plenário da Conferência sobre o Futuro da Europa discute 90 recomendações

A Europa Que Queremos, Parlamento Europeu

A Europa que Queremos: Plenário da Conferência sobre o Futuro da Europa discute 90 recomendações

A reunião decorre este fim-de-semana em Estrasburgo e analisa as propostas de 400 cidadãos feitas em painéis anteriores.

Reuters/VINCENT KESSLERO Parlamento Europeu, em Estrasburgo, recebe nesta sexta-feira e no sábado, dias 21 e 22 de Janeiro, aterceira reunião plenária da Conferência sobre o Futuro da Europa. O encontro servirá para analisar as 90 recomendações que já foram feitas pelos 400 cidadãos que participaram nos painéis sobre “Democracia Europeia, Valores e direitos, Estado de direito, segurança” e sobre “Mudanças Climáticas, Ambiente, Saúde”, e também as recomendações dos Painéis Nacionais de Cidadãos.

Consulte Mais informação: Público »

Sol da Caparica na RTP | Extra | RTP

Os artigos da TV e da Rádio no entretenimento, música, comédia, ficção, artes e espetáculo no universo RTP Consulte Mais informação >>

Lisboa cai mais de 1% em dia de perdas na EuropaO dia foi de quedas expressivas nas principais bolsas europeias, e a praça lisboeta não foi exceção. Quedas da família EDP pesaram no desempenho do PSI-20.

A Europa e a guerra da UcrâniaOs exigentes desafios que o mundo enfrenta neste momento - da crise climática à pandemia, do agravamento da Guerra Fria ao perigo de uma confrontação nuclear, do aumento das violações dos direitos humanos ao crescimento exponencial do número de refugiados e de pessoas com fome - exigem mais do que nunca uma intervenção ativa do ONU, cujo mandato inclui a manutenção da paz e da segurança coletivas e a defesa e promoção dos direitos humanos. Entre muitas áreas de intervenção em que a ONU pode intervir, uma das mais importantes é a da paz e segurança, e respeita concretamente ao agravamento da Guerra Fria. Iniciada por Donald Trump e prosseguida com entusiasmo por Joe Biden, está em curso uma nova Guerra Fria que tem aparentemente dois alvos, a China e a Rússia, e duas frentes, Taiwan e Ucrânia. À partida, parece insensato que uma potência em declínio, como são os EUA, se envolva numa confrontação em duas frentes simultaneamente. Para mais, ao contrário do que se passou com a Guerra Fria anterior, visando a União Soviética, a China é uma potência de grande poder económico e um importante credor da dívida pública dos EUA. Está a ponto de ultrapassar os EUA como a maior economia mundial e, segundo a National Science Foundation dos EUA, teve pela primeira vez em 2018 uma produção científica superior à dos EUA. Acresce que a lógica aconselharia os EUA a ter a Rússia como aliada e não como inimiga, não só para a separar da China, como para acautelar as necessidades energéticas e geoestratégicas da sua aliada histórica, a Europa. A mesma lógica aconselharia a UE a ter presente as relações históricas e económicas da Europa central com a Rússia (até à Ostpolitik de Willy Brandt).

COVID-19: Portugal e Europa continuam pintados de vermelho em nível máximo das infeçõesO Centro de Controle de doenças europeu divulgou o mapa desta quinta-feira, mostrando a Europa Ocidental totalmente a vermelho, representando mais de 500 casos positivos de COVID1-9 ... Não estamos na Europa? Ou excesso de lusitanocenteismo?

Voleibol. Sporting eliminado na Europa - RenascençaJá o Fonte Bastardo segue em frente na Challenge Cup.

PSI-20 afunda-se 1,43%. Europa fecha com fortes quedas - SIC NotíciasO dia foi muito negativo nas bolsas europeias. O PSI-20 não escapou Como é possível se outras fontes estão a dar mais dinheiro...

Legislativas: o que precisa de saber se estiver confinado no dia das eleições - SIC NotíciasPerguntas e respostas sobre as regras e recomendações do Governo e da Direção-Geral de Saúde.

Reunião em Estrasburgo realiza-se hoje e amanhã Reuters/VINCENT KESSLER O Parlamento Europeu, em Estrasburgo, recebe nesta sexta-feira e no sábado, dias 21 e 22 de Janeiro, a terceira reunião plenária da Conferência sobre o Futuro da Europa .Os “pesos pesados” da bolsa destacam-se também em terreno negativo, com o BCP a cair 2,05% para os 0,1575 euros e a Galp Energia a recuar 0,46% para os 9,53 euros., é depois ampliada pela Reuters e a Associated Press e secundada pelos briefings das embaixadas dos EUA..

O encontro servirá para analisar as 90 recomendações que já foram feitas pelos 400 cidadãos que participaram nos painéis sobre “Democracia Europeia, Valores e direitos, Estado de direito, segurança” e sobre “Mudanças Climáticas, Ambiente, Saúde”, e também as recomendações dos Painéis Nacionais de Cidadãos. Tudo começou com as reuniões dos nove grupos de trabalho que se juntaram em dois horários distintos (das 10h às 12h e das 14h às 16h). No extremo oposto, a Sonae e a Nos registaram ganhos de 0,40%, enquanto a Semapa subiu 0,85% para os 11,80 euros. Ao fim do dia, das 19h30 às 21h, realizam-se também as reuniões das várias famílias políticas (bancadas parlamentares). A ONU tem informação abundante que lhe permite contrariar esta narrativa e intervir ativamente para neutralizar o seu potencial destrutivo. Todos os debates serão transmitidos ao vivo nas plataformas da Conferência sobre o Futuro da Europa, do Centro Multimédia do Parlamento e da Europe by Satellite . O Stoxx 600, o índice que agrega as 600 principais cotadas, desvalorizou 1,9% , tendo registado uma queda semanal de 1,5%. Em cada um dos dois painéis de cidadãos dos quais resultaram as nove dezenas de recomendações sobre os desafios que a Europa enfrenta no presente e no futuro participaram, presencial ou remotamente, 200 europeus de diferentes idades e origens, de todos os Estados-membros.ad-ctn:not(:empty):before {top:0;} Foram atualizados os dados pelo Centro de Controle de doenças europeu (ECDC na sigla em inglês) desta quinta-feira.

Na sua sessão final, o painel sobre “Democracia Europeia, Valores e direitos, Estado de direito, segurança” originou 39 recomendações. https://eco. Em termos de recursos energéticos, a Ucrânia depende em 72% do gás natural da Rússia, tal como acontece com outros países europeus (a Alemanha depende em 39%), o que dá uma ideia do poder de negociação da Rússia neste domínio. O encontro teve lugar no .