Opinião, Biodiversidade, Biologia, Ambiente, Botânica, Flora, Câmara De Lisboa

Opinião, Biodiversidade

Pelo sonho é que vamos

Opinião: Pelo sonho é que vamos

20/10/2021 03:16:00

Opinião : Pelo sonho é que vamos

Foram lançados este mês oito livros sobre plantas. É o culminar de um trabalho iniciado há 20 anos por estudantes universitários de Biologia , apaixonados pelas plantas e movidos por um sonho.

Os cursos de Flora Mediterrânica, com cinco edições, foram um primeiro passo para este sonho. Com eles e através deles foram beneficiadas centenas de pessoas, desde professores a técnicos, que, durante uma semana intensiva, entre os feriados do 25 de Abril e 1 de Maio, chegavam à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa para poderem participar e aprender a identificar as espécies com trabalho de laboratório e visitas de estudo no campo. Num período de feriados, por vezes coincidente com época de férias da Páscoa, toda a logística burocrática que normalmente constituem barreiras intransponíveis, era compensada pelo apoio incondicional de professores e técnicos da Faculdade, que asseguravam a abertura, a segurança e disponibilização de espaços. E tudo se passou sem incidentes, movidos apenas pela alegria de levar o conhecimento a outros.

No Name Boys deixam marca na casa de banho do Tribunal de Sintra Nova Zelândia vai proibir a venda de tabaco a gerações futuras «Estamos onde pertencemos»: jogadores do Benfica reagem ao apuramento na Champions

Como a única alegria está no começar, segundo o escritor italiano Cesar Pavese, seria de prever uma desistência, depois de obra sucedida e acabada. Pelo contrário, mesmo com ventos contra na prossecução do seu sonho, os jovens uniram-se, formaram uma associação - a Sociedade Portuguesa de Botânica - e lançaram um portal da flora, ainda disponível e cada vez mais completo e organizado, com a mesma atitude e perseverança do início: transmitir gratuitamente o conhecimento do nosso património vegetal. Demonstrou

um serviço altruísta da Sociedade para a sociedade como oportunamente referi.Parte destes jovens pertence à chamada “geração rasca”. Hoje, muitos, mesmo à rasca, souberam mostrar o que valiam e não é por acaso que de entre esses há filósofos, encenadores, economistas, músicos e tantos outros headtopics.com

Partilhar citaçãoPartilhar no TwitterAo longo dos últimos dez anos estes estudantes passaram a jovens adultos, a grande maioria sem emprego fixo, com bolsas ou afins e, apesar de tudo, não desistiram. Motivaram e organizaram uma equipa de mais de 100 pessoas e lançaram primeiro a

Lista Vermelha da Flora Vasculare, agora, esta restante colecção. Com ela, Portugal fica mais rico, porque pode ter aqui um suporte para responder às obrigações a que se vinculou, ao assinar a Convenção para a Biodiversidade e, em particular, a Estratégia Global de Conservação das Plantas. E só quem conhece a realidade sobre o conhecimento fragmentado por escolas diferentes pode dar valor a todo este trabalho de compilação, diálogo, partilha e

focuspara uma obra única redigida por vários autores.Apesar desta demonstração de serviço público e amor à ciência, Portugal continua a não saber valorizar e estimular investigadores a desenvolver trabalhos que deveriam ser assegurados por instituições públicas. Abrem-se vagas, e bem, para a inclusão de investigadores para instituições de ensino superior, mas esquecem-se outras unidades como jardins botânicos, museus de história natural, herbários que deviam assegurar e manter o conhecimento da biodiversidade nacional. Parte destes jovens pertence à chamada “geração rasca”, termo lançado por Vicente Jorge Silva em 1994. Hoje, muitos, mesmo à rasca, souberam mostrar o que valiam e não é por acaso que de entre esses há filósofos, encenadores, economistas, músicos e tantos outros. Estes, botânicos, conseguiram por si, dar à sociedade esta obra. Felizmente que, em boa hora, o vereador Sá Fernandes, da Câmara Municipal de Lisboa, acarinhou e apoiou este projecto, tornando possível a sua realização. ? Sim: eles começaram, continuaram e não querem parar. Saibamos nós, enquanto país, reconhecer e valorizar este trabalho que transmite conhecimento científico sobre o nosso património biológico.

Consulte Mais informação: Público »

PSI-20 fecha em queda alinhada com bolsas da Europa que foram afetadas pela ChinaO índice lisboeta fechou com 11 títulos em queda, dos quais se destacam os da Jerónimo Martins que recuaram -2,47%, os da Sonae que perderam -1,35% e os do BCP que voltaram a cair. Na Europa, os ventos asiáticos derrubaram bolsas. Crise energética faz subir yields.

Covid-19: maioria dos sem-abrigo em Portugal ainda não foram vacinadosCâmara do Porto diz ter vacinado 48 pessoas nesta situação, mas na cidade há 590 sem-abrigo. Em Lisboa, são mais de três mil

Dirigentes da Fenprof passaram oito horas no Ministério da Educação e não foram recebidosCerca de duas dezenas de representantes da federação sindical estiveram no ministério para tentar agendar uma reunião negocial com vista a debater os problemas do sector, nomeadamente a falta de professores e o envelhecimento do corpo docente.

Espanha: sobreviventes de envenenamento ocuparam Museu do Prado, ameaçando suicidar-se, mas foram retirados pela políciaO grupo de seis pessoas já foi entretanto retirado do museu pelas autoridades espanholas. Pelo menos dois deles foram detidos esta manhã

Ex-Sporting que passou pelo Dortmund analisa Haaland: «É o sonho de qualquer clube»Borussia Dortmund - Ex-Sporting que passou pelo Dortmund analisa Haaland: «É o sonho de qualquer clube»

Protesto no Porto contra o preço dos combustíveis ficou pelo caminhoA marcha lenta contra o preço dos combustíveis que estava marcada para o início da manhã desta terça-feira, convocada a partir das redes sociais, ​​​​​​não se realizou. Nas redes sociais é fácil marcar e incentivar protesto… Faze-los é outra “música” A diferença entre mundo virtual do mundo real Estamos a ficar o povo muito covarde, precisamos de mais Otelos de Saraiva e Companhia. Reboçados pra tosse, não sei se me entendem!? Eles aprendiam de uma vez por todas!