PCP quer saber 'se há mesmo vontade política' de criminalizar enriquecimento ilícito

PCP quer saber “se há mesmo vontade política” de criminalizar enriquecimento ilícito

21/06/2021 22:15:00

PCP quer saber “se há mesmo vontade política” de criminalizar enriquecimento ilícito

O líder parlamentar do PCP concordou hoje com as críticas apontadas pelos juízes às propostas de PS e PSD sobre o enriquecimento ilícito e defendeu ser necessário perceber “se há mesmo vontade política” para avançar nesta matéria.

Interpelado pelos jornalistas a propósito das críticas feitas pela Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) às propostas de PS e PSD sobre o enriquecimento ilícito de altos cargos públicos, João Oliveira referiu que “o que foi dito agora” já o PCP “anda a dizer há 14 anos”, quando apresentou o primeiro diploma neste sentido.

Jorge Fonseca vence combate maratona e avança para as 'meias' Temos memória Dívida total da economia, dívida pública e défice público

A ASJP referiu em 17 de junho que as propostas socialista e social-democrata “mantém os alçapões que impedem que a lei funcione”.Na opinião do líder da bancada parlamentar comunista, “fica tudo reconduzido” a uma “questão essencial”.

“Há mesmo vontade política de avançar a sério com a criminalização do enriquecimento injustificado?”, questionou, acrescentando que, se houver, “é fácil de encontrar a solução” na proposta do PCP.O diploma comunista, prosseguiu, “tem a base que corresponde não apenas à solução do ponto de vista criminal, como até à solução que do ponto de vista constitucional é admitida”. headtopics.com

“Se não houver vontade política, continuaremos enredados nesse discurso de passa culpas e que passa ao lado das verdadeiras soluções que podem ser encontradas para a criminalização do enriquecimento injustificado”, vincou.

No final de uma reunião com a Direção Nacional da Polícia Judiciária (PJ), em Lisboa, no âmbito das jornadas parlamentares do partido, João Oliveira sublinhou que o grupo parlamentar tem insistido na criação de um plano de investimento plurianual para a investigação criminal, que aponta “para a fixação de uma perspetiva de admissões” na PJ “correspondente com as necessidades que estão identificadas”.

“Se isto foi possível nos últimos anos e os resultados são estes, manifestamente positivos, é necessário garantir que isso aconteça nos próximos anos e vamos debater-nos para que isso seja, de facto, não apenas Orçamento [do Estado] a Orçamento, mas definido numa perspetiva plurianual”, sustentou, explicando que a cadência de admissões deveria ser na ordem de “100 por ano”.

Na opinião do parlamentar é necessário garantir que os meios efetivos da PJ estão adequados à “sofisticação e ao ritmo e dimensão que tem a criminalização económico-financeira”. Consulte Mais informação: Jornal Económico »

PCP prepara ″política alternativa″ em jornadas parlamentaresPartido reúne esta segunda e terça-feira em Lisboa e Setúbal para discutir soluções para os problemas decorrentes da pandemia da covid-19.

Da justiça à saúde – PCP dedica jornadas parlamentares a Lisboa e a SetúbalDeputados dedicam dois dias aos problemas da área metropolitana de Lisboa. DCIAP, PJ, Laboratório Militar, TAP, Hospital de Setúbal, Metro Sul do Tejo, e CP são alguns dos pontos de visita.

PCP inicia hoje jornadas parlamentares para apresentar 'política alternativa'Um ano e meio desde as últimas, realizadas em dezembro de 2019, as jornadas parlamentares do PCP arrancam hoje às 11:00, na Casa do Alentejo, em Lisboa, com as intervenções do secretário-geral, Jerónimo de Sousa, e do líder do grupo parlamentar, João Oliveira.

Jerónimo avisa: 'o PCP não claudicou' e 'é tempo de confrontar o Governo'Comunistas estão reunidos para as primeiras jornadas parlamentares em tempo de pandemia. O partido vê com 'cristalina clareza' que a situação do país é 'grave' e que o PS não está a corresponder às expectativas. PCP passou à oposição ativa e reforça o combate político ao Governo

Jogos Olímpicos de Tóquio com público se pandemia não se agravarCada evento terá no máximo 10 mil espectadores.

Jovens desempregados de Luanda agarram-se a biscates “para sobreviver”Muitos dos desempregados têm qualificações técnicas e académicas, mas não encontram oportunidades. A pandemia agravou a já débil situação económica do país.