Parlamento autoriza deslocação de Marcelo Rebelo de Sousa a São Tomé e Príncipe

Parlamento autoriza deslocação de Marcelo Rebelo de Sousa a São Tomé e Príncipe

17/09/2021 16:31:00

Parlamento autoriza deslocação de Marcelo Rebelo de Sousa a São Tomé e Príncipe

O Presidente da República estará de visita a São Tomé e Príncipe entre os dias 28 e 30 de setembro, 'para representar Portugal na cerimónia da tomada de posse do novo Presidente da República'.

O Presidente da República estará de visita a São Tomé e Príncipe entre os dias 28 e 30 de setembro,"para representar Portugal na cerimónia da tomada de posse do novo Presidente da República".O parlamento autorizou esta sexta-feira o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a deslocar-se a São Tomé e Príncipe entre os dias 28 e 30 de setembro, para a posse do novo Presidente, Carlos Vila Nova.

Crise política. Governo convoca conferência de imprensa para as 17h30 Bolsonaro diz que vacinas contra o coronavírus levam à SIDA Erdogan desafia Ocidente e ameaça expulsar dez embaixadores

O assentimento da Assembleia da República às deslocações do chefe de Estado é uma formalidade imposta pela Constituição, que estabelece que oPresidente da República não pode ausentar-se do território nacional sem autorização do parlamento.

Marcelo Rebelo de Sousa estará de visita a São Tomé e Príncipe entre osdias 28 e 30 de setembro,"para representar Portugal na cerimónia da tomada de posse do novo Presidente da República", indica o voto.O Presidente já tinha indicado, a 6 de setembro, que tencionava estar presente nesta tomada de posse, transmitindo na altura a Carlos Vila Nova headtopics.com

"votos de sucesso, bem como de desenvolvimento e aprofundamento das relações entre Portugal e São Tomé e Príncipe".Carlos Vila Nova foi eleito Presidente de São Tomé e Príncipe na segunda volta, realizada a 5 de setembro,

com 45.481 votos, 57,54%,vencendo Guilherme Posser da Costa, queobteve 33.557 votos, 42,46%, de acordo com resultados provisórios divulgados pela Comissão Eleitoral Nacional (CEN).Aabstenção foi de 34,68%, superior à da primeira volta, realizada em 18 de julho,

que se situou nos 31,6%.Do totalde 123.301 eleitores recenseados no país e na diáspora, votaram 80.535.Destes votos, 79.038 foram considerados válidos e houve 344 votos brancos e 1.153 nulos.Carlos Vila Nova, antigo ministro de governos liderados por Patrice Trovoada, foi apoiado pelo partido Ação Democrática Independente (ADI, oposição).

Antigo primeiro-ministro, Posser da Costa teve inicialmente o apoio do Movimento de Libertaçãode São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD), mas nasegunda volta recebeu igualmente o suporte dos restantes partidos que compõem a nova maioria headtopics.com

Covid-19: 123 mil pessoas já tomaram a terceira dose em Portugal Orçamento. CDS-PP diz ser lamentável que país esteja dependente da extrema-esquerda ″Não suporto a minha mulher. Quero ir para a prisão″

(Partido Convergência Democrática e coligação UDD/MDFM).Na primeira volta, a que concorreram 19 candidatos,Carlos Vila Nova tinha alcançado 35.342 votos, 43,3%, enquanto Posser da Costa obteve 16.905 votos, teve 20,7%. Consulte Mais informação: SIC Notícias »

Fazer o que cooperaçao economica!!🙏👌 sempre a passear O vigário sempre a passear Pra sempre? Como?

Habitação, mobilidade e transportes são problemas apontados pelos lisboetasEm dia de debate entre os candidatos à câmara de Lisboa, a RTP foi ouvir as maiores preocupações dos lisboetas. A dificuldade no acesso à habitação, a mobilidade e os transportes públicos são alguns dos problemas que os eleitores da capital querem ver debatidos e resolvidos.

Espanhóis, ingleses e norte-americanos são os mais interessados nas casas de luxo em PortugalO interesse internacional por imóveis de luxo em Portugal concentra-se na sua maioria em seis distritos, que acumulam 88,8% das visitas para procura de casas de luxo à venda no país.

Uso negligente e fogo posto são as principais causas de incêndios no paísA maior parte dos incêndios rurais registados este ano tiveram como causas o uso negligente do fogo, como queimas ou queimadas, e fogo posto, indicou esta quarta-feira o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Uso negligente e fogo posto são as principais causas dos incêndios em 2021No caso do uso negligente do fogo são as queimadas de sobrantes florestais ou agrícolas (22%), queimas de amontoados de sobrantes florestais ou agrícolas (11%) e queimadas para gestão de pasto para gado (15%) os motivos mais relevantes

Principais causas dos incêndios no país são uso negligente e fogo posto

João Pereira Coutinho: 'Estas são as autárquicas mais desinteressantes de que me lembro'Comentador da CMTV afirmou na rúbrica '3 Minutos' que as eleições 'estão mais ao menos decididas'. A ARS ALGARVE jah substituiu a Médica de Família que ah cerca 2 anos se reformou, no CENTRO DE SAUDE DE OLHAO? Sou diabético e desde tal data ainda não obtive uma consulta. Se me acontecer algo, a minha família jah tem indicações de RESPONSABILIZAR a ARS ALGARVE.