Execução Orçamental, Dinheiro

Pandemia custou ao Estado 5.139,5 ME até agosto

Pandemia custou ao Estado 5.139,5 ME até agosto

27/09/2021 23:38:00

Pandemia custou ao Estado 5.139,5 ME até agosto

Dados constam na Síntese da Execução Orçamental , divulgada esta segunda-feira.

SubscreverJá na despesa"os apoios às empresas e ao emprego atingiram 2.438,2 milhões de euros, destacando-se o programa Apoiar (1.008,1 milhões de euros), o apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade (489,5 milhões de euros) e o 'layoff' simplificado (366,0 milhões de euros)".

Organização de brasileiros “indignada” com convite a ministro de Bolsonaro para conferência em Lisboa Sozinhos frente ao cancro. Doentes oncológicos queixam-se de atrasos de cirurgias e falta de acompanhamento Governo anuncia desconto de dez cêntimos por litro no combustível para as famílias

A Direção-Geral do Orçamento assinala ainda a existência de"medidas de apoio ao rendimento das famílias (709,3 milhões de euros)", as"medidas por parte do setor da Saúde (961,7 milhões de euros), nomeadamente com recursos humanos, vacinas e equipamentos de proteção individual, medicamentos, testes e vacinas".

São ainda salientados, na síntese divulgada, os"apoios extraordinários ao rendimento dos trabalhadores (380,5 milhões de euros)".A DGO estima ainda que, na ausência da pandemia de covid-19,"a despesa efetiva das Administrações Públicas teria crescido 2,4% face ao ano anterior (em vez de +5,1%) e a receita efetiva teria aumentado 3,9% (em vez de +4,7%)". headtopics.com

O efeito é explicado pois em agosto de 2020"o impacto na receita efetiva foi de 578,6 milhões de euros, e na despesa efetiva ascendeu a 1.896,5 milhões de euros", refere a DGO."Ao nível da receita não está a ser incluído o impacto do alargamento do prazo de autoliquidação do Modelo 22 (IRC), que em 2020 não se encontra quantificado, cujo efeito correspondente em 2021 ascende a 119,8 milhões de euros", pode ler-se na síntese.

A DGO refere ainda que também não está incluído na receita"o impacto da isenção de pagamento da Taxa Social Única, que em 2020 não se encontra quantificado, cujo efeito correspondente até ao primeiro semestre de 2021 ascende a 206 milhões de euros".

O défice das contas públicas agravou-se em 550 milhões de euros (ME) até agosto, face ao período homólogo, atingindo 6.878 ME, avançou hoje o Ministério das Finanças. Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Jerónimo admite perdas e aponta a mira ao próximo Orçamento do EstadoAinda a noite eleitoral estava longe do fim e já Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, admitia, em Lisboa, que os resultados da CDU tinham ficado 'aquém dos objetivos colocados', apontando já ao próximo Orçamento do Estado. Foi em 2017 e agora em 2021 o grande derrotado foi o PCP, que continue a ser a muleta deste desgoverno Xuxa de incompetentes, mentirosos e criminosos, mais irah descer e quem sabe o seu desaparecimento da vida política Portuguesa.

Tunísia: centenas de manifestantes contra alterações à Constituição, vistas como “um golpe de Estado”Centenas de pessoas de todos os estratos sociais saíram às ruas de Tunis para denunciar as 'medidas excecionais' decididas esta semana pelo Presidente Kais Saied que alteram a lei fundamental e permitem-lhe legislar por decreto

Marcelo defende discussão de reforma do Estado até às legislativas de 2023O Presidente da República afirmou esta segunda-feira que considera difícil deixar de se fazer uma discussão sobre a reforma do Estado até 2023, salientando que 'não vale a pena escamotear' o debate

Empresas do turismo vão poder receber até 15 mil euros do Estado para investirMinistro da Economia, Pedro Siza Vieira, afirmou que apoio a fundo perdido vai chegar ao terreno “nos próximos dias”.

Défice do Estado agrava-se para 6.878 milhões de euros até agostoEvolução resulta de crescimento da despesa ter sido superior ao observado na receita. Ministério das Finanças realça que este agravamento está 'amplamente influenciado pela prorrogação do prazo de entrega do IVA de agosto'.

Défice do Estado agrava-se para 6.878 milhões de euros até agostoEvolução resulta de crescimento da despesa ter sido superior ao observado na receita. Ministério das Finanças realça que este agravamento está 'amplamente influenciado pela prorrogação do prazo de entrega do IVA de agosto'.