Pagar para ir a um entrevista de emprego? Há empresas a adotar prática por falta de mão de obra qualificada

Pagar para ir a um entrevista de emprego? Há empresas a adotar prática por falta de mão de obra qualificada

27/01/2022 00:06:00

Pagar para ir a um entrevista de emprego? Há empresas a adotar prática por falta de mão de obra qualificada

Uma seguradora alemã está a oferecer 500 euros aos candidatos entrevistados para vagas de emprego de programação na empresa. Medida surge como forma de colmatar falta de mão de obra especializada.

Stefan Knoll, fundador da Deutsche Familienversicherung, uma seguradora alemã com sede em Frankfurt está a oferecer 500 euros para as pessoas que sejam entrevistadas para vagas de emprego de programação na empresa. Se passar para a segunda fase de recrutamento recebe mais mil euros e, se aceite e passar o regime probatório de seis meses, recebe cinco mil euros adicionais.

Knoll disse, em entrevista ao jornal “Financial Times”, que “é particularmente difícil encontrar pessoas com capacidades para programação. Nós competimos contra gigantes como a Allianz que conseguem facilmente contratar centenas de pessoas em todo o mundo, mas nós não estamos interessados em contratar pessoas na Índia, queremos pessoas aqui em Frankfurt”.

Consulte Mais informação: Jornal Económico »

Momento histórico no Paquistão: pela primeira vez há uma mulher juíza no Supremo Tribunal - SIC NotíciasMomento histórico no Paquistão: pela primeira vez há uma mulher juíza no Supremo Tribunal Em Portugal não funciona...

Há aqui um namoro entre o PSD e Santana Lopes que é evidente - CNN PortugalCNN Portugal. O canal de informação, com uma cultura multiplataforma, que acompanha, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo.

Fernando Mendes: “Se Pinto da Costa quisesse, Jorge Jesus era treinador do Porto há muito tempo”Luís Filipe Vieira tinha medo que Jorge Jesus fosse para o FC Porto. Em novembro de 2019, Pedro Guerra assegurava ter uma fonte que lhe garantia estar iminente um acordo entre Jorge Jesus e o FC Porto. Tantas escutas e nada sai cá pra fora

PRR: Há 650 milhões para capitalizar empresas a partir de hojeFundo de Capitalização e Resiliência arranca com 50% da dotação global para dois programas, um dos quais para recapitalizar empresas “de interesse estratégico nacional”.

Há estudantes em isolamento sem aulas onlineHá escolas públicas que não estão a garantir o acesso a aulas online para os estudantes que estão em isolamento devido à Covid. Só na última semana, mais de 115 mil crianças testaram positivo. Contínuam a não olhar para o óbvio. Quem perde são os alunos... E os professores ganham desgaste! Mudem rápido esta realidade.

Como há uma falta de programadores na Europa numa economia pós-pandemia, há empresas a pagar bónus apenas por ir a entrevistas de emprego. Esse valor aumenta conforme as etapas de recrutamento que o candidato passe. Stefan Knoll, fundador da Deutsche Familienversicherung, uma seguradora alemã com sede em Frankfurt está a oferecer 500 euros para as pessoas que sejam entrevistadas para vagas de emprego de programação na empresa. Se passar para a segunda fase de recrutamento recebe mais mil euros e, se aceite e passar o regime probatório de seis meses, recebe cinco mil euros adicionais. Knoll disse, em entrevista ao jornal “Financial Times”, que “é particularmente difícil encontrar pessoas com capacidades para programação. Nós competimos contra gigantes como a Allianz que conseguem facilmente contratar centenas de pessoas em todo o mundo, mas nós não estamos interessados em contratar pessoas na Índia, queremos pessoas aqui em Frankfurt”. Esta estratégia pouco usual é uma consequência da falta de profissionais qualificados para o setor na Alemanha e em grande parte da Europa. Mas esta estratégia não é uma novidade dado que já há vários anos que é implementada nos Estados Unidos não só em trabalhos de programação, mas sim todos os empregos onde haja uma falta de procura. A falta de mão de obra é particularmente visível no sector das tecnologias, da saúde e construção. Mas de acordo com um inquérito conduzido pela Ifo, em outubro de 2021, 43% das nove mil empresas inquiridas admitiram estar a sentir-se prejudicadas pela falta de pessoal qualificado – um recorde desde 1990, adianta o “Financial Times”. Em França, 54% das empresas do sector de serviços também sentem dificuldades em recrutar, o número mais elevado desde 2000. Para colmatar a dificuldades, o governo de Jean Castex assegurou subsídios para ajudar os desempregados de longa duração a treinar com empregadores que tenham vagas não preenchidas.