Concelho Porto, Obras, Avenida De Fernão De Magalhães, Câmara Do Porto

Concelho Porto, Obras

Pó das obras assentou mas ainda falta ar aos comerciantes da Fernão de Magalhães

Pó das obras assentou mas ainda falta ar aos comerciantes da Fernão de Magalhães

14/06/2021 18:02:00

Pó das obras assentou mas ainda falta ar aos comerciantes da Fernão de Magalhães

Câmara do Porto vota segunda tranche para compensações aos lojistas da Avenida Fernão de Magalhães. Medida é ansiada, mas há desconfiança entre os que sobreviveram à intervenção

"Esta faturação não me dá esperança para continuar", diz, desalentado, Nelson Manuel, dono do restaurante"Manuel Alves". Abriu portas na avenida Fernão de Magalhães há 49 anos, naquele mesmo prédio e numa avenida que lembra mais iluminada e alegre."Agora, não tem nada de convidativo. É só uma passagem", lamenta.

“Sondagens erraram muito. Aqui estou, ganhei a Câmara de Lisboa”, diz Carlos Moedas Campanha de Carlos Moedas já festeja vitória em Lisboa CDS diz que está dado o ″tiro de partida″ para virar o país à Direita

Sente o peso das contas que lhe vão esvaziando a almofada, valioso ensinamento do pai. Os quinhentos e tal euros de luz, os mil de gás, os salários de nove funcionários, as compras para o restaurante:"A almofada tem um limite". Enquanto não o atingir, o"Manuel Alves" fará jus à comida que lhe deu fama:"cabritinho pequeno de antigamente; bom cozido e bom bacalhau".

Nelson Manuel espera que apoio da câmara chegue a tempo para salvar o negócio de uma vidaFoto: Rui Oliveira / Global ImagensEsta segunda-feira, o Executivo da Câmara do Porto vota a segunda tranche de indemnizações no valor 278 mil euros, a distribuir por 23 comerciantes da Fernão de Magalhães, a título de compensação pelos prejuízos causados pelas obras, iniciadas em setembro de 2018. Os pagamentos a outros 22 lojistas foram aprovados antes. No total, o apoio municipal chega quase a 600 mil euros. headtopics.com

"Um abre e fecha"José Fernandes diz que só acredita quando o dinheiro da indemnização entrarFoto: Rui Oliveira / Global ImagensPUBMais abaixo na avenida, José Fernandes, do talho Miranda, alinha pela mesma cautela:"Só acredito quando o dinheiro vier". Fala do que lhe desagrada da obra que atrasou as contas, enquanto vai atendendo as freguesas da vizinhança: os passeios largos"só para os turistas", a falta de estacionamento que atira a clientela para outro lado."Estou aqui desde 2006 e esta é a segunda alteração de raiz à avenida. E desta vez, foi um abre e fecha aqui à porta", diz, sobre as obras apontadas para estar concluídas no terceiro trimestre deste ano.

José Oliveira, da loja de eletrodomésticos"Nova Ferreira", toma o anúncio da câmara como promessa, dessas que o vento leva. São meses de queixas e de ressentimentos de que foi lesado sem nunca ter sido ouvido."Alteraram a avenida sem nos ouvir... E agora, para baixo só passam autocarros, os passeios têm quatro metros quase que parece Santa Catarina e temos de andar às voltas para chegar aqui", enumera.

Silvana Cerqueira, da casa de miudezas"Silvana" que esteve"mais de um ano bloqueada pelas obras", não compreende"tanto passeio, quando aqui não há turismo".Silvana Cerqueira escreveu com outros comerciantes à câmara a pedir mais estacionamento na avenida

Foto: Rui Oliveira / Global ImagensSemáforos voltam o ao lugarDe acordo com a Câmara do Porto, será colocada"sinalização luminosa de modo a garantir o funcionamento da avenida e transversais em condições de segurança, nomeadamente os semáforos na intersecção da Avenida Fernão de Magalhães com a Rua de Aires Ornelas, e também na Rua de Joaquim Urbano". headtopics.com

Catarina Martins: “Não negociamos com a direita” Autárquicas: PAN com ''sentido de missão cumprido'' Ventura afirma que CDS e PSD terão, afinal, que falar com o Chega. Em Lisboa e não só

A Autarquia está a fazer um inquérito com o objetivo de conhecer os padrões de mobilidade dos residentes e utilizadores de transportes públicos na envolvente da Avenida de Fernão Magalhães, no âmbito do estudo da oferta de transporte público. Pretende-se dotar a avenida com uma frequência de autocarros e linhas que sejam as que dão resposta à procura.

Consulte Mais informação: Jornal de Notícias »

Logística enfrenta os desafios de uma nova eraSector tem de responder aos desafios da digitalização, da descarbonização e da resiliência, para ser competitivo num mundo em mudança acelerada.

Pedro Magalhães: “Há uma hostilidade grande em relação aos políticos”Pedro Magalhães, investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e um dos autores do estudo “Os valores dos portugueses” porque será? Povo tem razão Acho que ou políticos mudam Ou muda povo Ou uma coisa ou outra Isto já passa a mais Roubam que se fartam Nada se pode fazer Justiça come da mesma gamela Isto já não vai com outro 25 de Abril Bastou 25 de Novembro Mas pode bastar umas horas para tudo isto acabar 3ª lei de Newton.

Secretário-geral da NATO defende que Aliança não está a entrar numa ''nova Guerra Fria''Secretário-geral da NATO defende que Aliança não está a entrar numa “nova Guerra Fria“

Mota Pinto acusa PS e Governo de “falta de comparência” na reforma da justiçaPSD: Mota Pinto acusa PS e Governo de “falta de comparência” na reforma da justiça

Uma escola reflectiu sobre o passado e futuro — com fotografias dos estudantes de agoraUma câmara fotográfica na mão, um grupo de adolescentes cheios de ideias e uma pergunta no ar: “O que querem da vossa esc

G7 vai doar mil milhões de vacinas aos países mais pobresPlano “terá pouco impacto”, mas ainda é “uma pequena tábua de salvação” dizem especialistas demorou