P3, P3-Cronica, Saúde, Covid-19, Saúde Mental, Coronavírus

P3, P3-Cronica

Ouvir vozes: não é normal, é humano

Megafone: Ouvir vozes: não é normal, é humano

12/05/2021 10:21:00

Megafone: Ouvir vozes: não é normal, é humano

Há um aparente consenso de que ouvir vozes que outras pessoas não ouvem é, necessariamente, um problema, sinónimo não só de loucura, mas também de violência, servindo esse suposto perigo como justificação para que se usem todos os meios para as supr

continuum. Quantas vezes já aconteceu ouvires-te ser chamada na rua, sem ninguém conhecido à vista? Quantas vezes já tiraste o telemóvel do bolso porque podias jurar que o tinhas sentido vibrar? E o que distingue estas alucinações da vida quotidiana das experiências que julgamos como sinais de problemas? O que distingue essas das vozes que guiaram

Um quarto da população portuguesa já completou a vacinação Bolsonaro gere crise pandémica com ajuda de um ministério-sombra Activista da Greenpeace cai no relvado antes do França-Alemanha

Joana d’Arc em batalha, das vozes que ditaram a Schumann algumas das suas mais conhecidas composições ou da voz que Gandhi sempre acreditou vir de Deus? Apesar da tendência a olhar estas experiências com estranheza, a associá-las à loucura, à doença mental ou à violência, o facto é que elas são muito mais comuns e muitíssimo mais variadas do que imaginamos. 

Quando o psiquiatra holandês Marius Romme acedeu a apoiar Patsy Hage a encontrar outras pessoas, fora do hospital, que, como ela, ouviam vozes, foi surpreendido por dezenas de respostas de pessoas que, ouvindo vozes, nunca haviam tido contacto com serviços de saúde mental, tinham as suas próprias explicações para o fenómeno e este não lhes causava nenhum incómodo. Pelo contrário, consideravam-no algo positivo. Dos encontros e das conversas que se seguiram nasceu o headtopics.com

Movimento Ouvir Vozes (MOV), um movimento social que reivindica espaço para estas experiências (ou as de ver, sentir ou crer coisas que outras pessoas não), facilitando espaços de encontro, promovendo investigação científica e redefinindo a forma como pensamos sobre elas.  

Ouvir VozesMovimento Ouvir Vozes Portugal, o Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e a Rádio Aurora, do Hospital Júlio de Matos, no âmbito do Programa Arte e Saúde Mental, da Direcção-Geral das Artes.A abordagem convencional a estas experiências passa por negar a sua realidade e incentivar as pessoas a ignorá-las. Mas, sem outro apoio, esta abordagem pode aumentar a sensação de desespero e fragilidade, e é essa ausência de poder e controlo sobre a situação/experiência — e não o seu conteúdo — o que tende a distinguir quem precisa ou não de apoio profissional. O MOV, por outro lado, incentiva e apoia as pessoas a prestarem atenção às características das suas experiências e a explorarem as suas crenças pessoais, promovendo, assim, uma reconfiguração da relação com as vozes, visões e outras experiências. 

Ao facilitar espaços de encontro entre pessoas com experiências semelhantes, onde estas podem ser abordadas sem julgamento e onde cada pessoa tem direito às suas crenças, oMOVcria espaço para uma co-construção do conhecimento sobre as experiências, onde todas as vozes são bem-vindas, onde não há qualquer hierarquia entre elas e onde o conhecimento que vem da experiência é valorizado. De facto, todo o conhecimento sobre estratégias para lidar com as experiências que o MOV agora partilha veio de pessoas que lidam ou lidaram com elas em primeira mão. Os grupos de pares tornam-se, assim, um espaço de exploração e construção comum, de partilha de vivências, perspectivas e estratégias e, acima de tudo, um espaço de encontro onde, à semelhança do que acontece com outras vivências marginalizadas, as pessoas têm liberdade para, simplesmente, ser. Porque ainda que estas experiências não tenham necessariamente um impacto significativo na vida das pessoas, não poder falar sobre elas pode ter, porque nos isola. E, depois deste ano, creio que todas sabemos como é difícil sentirmo-nos isoladas. 

Ainda que partindo de um lugar de abertura e aceitação, importa referir o aumento da evidência de ligação destas experiências com a vivência de trauma (eg. luto, abuso, bullyingpandemianos ajudou a relembrar a ligação entre o sofrimento emocional e as experiências e contextos de vida, seria bom aproveitarmos para derrubar as fronteiras da nossa empatia que a limitam a formas normalizadas de expressão do sofrimento. Ainda que possivelmente perturbadoras, estas experiências são uma resposta adaptativa, criativa e útil a vivências adversas. Ao descartá-las como um irrelevante sintoma de doença, podemos estar não só a ignorar a mensagem subjacente e a condenar a pessoa à cronicidade, mas também a silenciar vivências traumáticas e desigualdades sociais.  headtopics.com

Israel quebra cessar-fogo e lança ataques aéreos em Gaza Simão Sabrosa é o novo diretor para as relações internacionais do Benfica 33 passes. O tiki-taka que deu origem ao terceiro golo de Portugal Consulte Mais informação: Público »

Há um rebanho de ovelhas a pastar num parque de Lisboa com uma finalidade sustentávelRebanho controla a vegetação e enriquece os solos.

Centenas de milhares de colombianos nas ruas há 2 semanas para exigir a demissão do GovernoJá morreram pelo menos 26 pessoas e mais de 1500 ficarm feridas e há 300 pessoas desaparecidas segundo observadores independentes. Até os colombianos tem mais tomates que os portugueses E os brasileiros continuam calados diante de um governo completamente desqualificado. Medelin

Marcelo diz que há ''duas boas razões'' para estar atento e preocupado com a TAPPresidente da República lembra que a TAP tem tido uma 'posição estratégica' para Portugal.

“Em ano de autárquicas há mais incêndios florestais”: Marcelo lança alerta para o reforço da prevençãoEm Caminha, o Presidente da República assistiu a uma ação de limpeza de um terreno contíguo ao Lugar da Aldeia Nova, em Venade. Apesar de frisar que Portugal melhorou na prevenção e combate aos incêndios desde o verão trágico de 2017, o Presidente da República adverte ser preciso estar atento por haver dados que apontam para mais fogos em anos de eleições locais

Jovem de 22 anos viola e agride companheira com quem vivia há quatro meses

Marcelo diz que há 'muitas consequências políticas' a retirar do caso Odemira