Os estrangeiros vivem à custa dos nossos impostos? Eis uma ideia muito repetida, mas errada

Os estrangeiros vivem à custa dos nossos impostos? Eis uma ideia muito repetida, mas errada

08/05/2021 11:06:00

Os estrangeiros vivem à custa dos nossos impostos? Eis uma ideia muito repetida, mas errada

Os imigrantes contribuem mais do que recebem, e o país precisa deles. O saldo é largamente positivo: devido ao trabalho e respetivos descontos da população estrangeira, €884 milhões entraram a mais nos cofres do Estado no ano de 2019

JornalistaYusuf Bozkurt é um cidadão turco de 28 anos que em 2016 chegou a Braga para estagiar numa empresa ao abrigo do programa Erasmus+. Seguiu-se outro trabalho, muitas viagens pela Europa, uma decisão: “Fui contactado pela empresa onde estagiei e decidi começar a minha nova vida em Braga.” Entretanto a covid-19 surgiu e Yusuf foi despedido. O novo emprego chegou uns meses depois: uma empresa de tecnologia precisava de trabalhadores que falassem inglês e turco. “Como tenho de pagar renda de casa e despesas, precisava mesmo de trabalhar para continuar a viver aqui.”

A Porto Business School montou uma horta para tirar estudantes e funcionários do computador ''Se não se quiser vacinar, farei com que o prendam e depois injeto-lhe a vacina nas nádegas'' Pandemia agravou o fosso entre pobres e ricos em Portugal

Yusuf assinou o primeiro contrato de trabalho em setembro de 2018, e o dinheiro que pagou em impostos em 2019 está contabilizado nos €995,5 milhões que o Estado português recebeu nesse período das mãos de cidadãos estrangeiros a viver e trabalhar em território português, segundo o Observatório das Migrações. Por outro lado, os apoios sociais pagos por todos nós para integrar quem chegou do estrangeiro nesse ano ficaram-se pelos €111,1 milhões. O saldo é largamente positivo: devido ao trabalho e respetivos descontos da população estrangeira, €884 milhões entraram a mais nos cofres do Estado.

Consulte Mais informação: Expresso »

Mas que tipo de estrangeiros estamos a falar? Legais? Ilegais? Legais com benefícios fiscais? Refugiados? São mais os portugueses que não querem trabalhar! Nós é que vivemos À Custas Deles...Senão a CE não nos Dá O Dinheiro para ..Sobrevivermos..! 🤔🙏 Imigrantes são contribuintes líquidos da SegurançaSocial e com os seus impostos, trabalho e consumo contibuem muito para as economias dos países de acolhimento. Quem vive à custa dos contribuintes são as Zmars. Devido aos seus passivos, incobráveis, custos de manutenção e afins.

Tanta reportagem de investigação merdosa sem qualquer conteúdo de interesse e são incapazes de fazer um estudo exaustivo do fenômeno da imigração ilegal , como entram pelas fronteiras portuguêsas , o número de ilegais que será superior aos legalizados e aflorar a cultura dos msm. Naaaaaão não! nós vivemos do income dos negócios k eles geram com o seu trabalho e se refletem no Pib, mas sobretudo na conta dos exploradores, k esses sim fugirão aos impostos se puderem

Os filhos e os enteados…

Os seis “pecados mortais” da transição climática proposta pelo Governo, segundo os ambientalistasZero e ANP/WWF mostram “desalento” e “preocupação” com vários dos projetos para a transição climática que o Governo quer financiar com os milhões da “bazuca”. Aplaudem sobretudo as componentes relacionadas com a floresta e a eficiência energética dos edifícios e traçam linhas vermelhas ao financiamento de mais estradas e barragens, contrárias ao princípio de “não agressão ambiental”, é um dos pilares do Pacto Ecológico Europeu

O resumo do Benfica-FC Porto: os golos, os casos e outros lancesVídeos - O resumo do Benfica-FC Porto: os golos, os casos e outros lances Arbitragem manhosa

Os golos e os principais lances do Benfica - FC PortoVeja aqui os momentos decisivos do clássico.

Os golos e os principais lances do Nacional-BenficaVeja aqui os momentos decisivos do duelo na Choupana.

Quem tem entre os 60 e os 65 anos já pode fazer o autoagendamento da vacinaAinda gostava de saber o porquê de, só 'Quem tem entre os 60 e os 65 anos'...🤔😏 Dessa vez matam os mais velhos e deixam de onerar o Estado. Cambada de traíras.