Artes

Artes

″O Teatro Nacional não é milho para os pássaros″

'O Teatro Nacional não é milho para os pássaros'

23/10/2021 19:42:00

'O Teatro Nacional não é milho para os pássaros'

Quatro representantes de teatros nacionais explicaram as condicionantes que encontram nas suas missões de dirigir uma instituição nacional.

Os posicionamentos perante o teatro e os seus papéis são radicalmente diferentes, mas todos influenciados pelas circunstâncias que os rodeiam. Ricardo Pais, o único dos presentes que não está em funções, abriu as hostes dizendo-se contrariado pela sua presença e explicou as indignações:"Fala-se mal em palco em português. Somos um país pobre e pobre de espírito. E o anacrónico acordo ortográfico só serviu para percebermos que Fernando Pessoa não é Maria Bethânia".

Novavax anuncia vacina contra a Ómicron para janeiro Cidade chinesa oferece mais de mil euros a quem testar positivo à Covid-19 Cristiano Ronaldo: «Foco já está no próximo jogo. Não há tempo para celebrar!»

Pais defendeu que"os teatros nacionais não podem ser milho para os pássaros e albergue das vacas sagradas do teatro independente. Têm de ser a excelência da criação". Acrescentando discordar do"teatro para minorias e a obedecer ao politicamente correto como se não houvesse nada de mais interessante a fazer".

Sebastián Blutrach, do centenário Teatro Cervantes em Buenos Aires, o único teatro nacional na Argentina, descreveu uma realidade distinta. Num país pobre e com vertiginosas clivagens sociais, a instituição não se limita a fazer teatro para a elite porteña. Até porque tem a concorrência de 35 estruturas privadas que, não sendo subsidiadas, permitem aos atores ser isentos de impostos. A sua missão é não só alimentar o teatro independente, como fazer teatro para todas as outras províncias, obedecendo às respetivas especificidades linguísticas e culturais. headtopics.com

Diretor do irlandês Abbey Theatre, Mark O´Brien explicou que o seu teatro é um ato de resistência que nasceu ainda antes da nação e que a melhor carta de amor é a contestação, dos trabalhadores e dos espectadores. O pior é um teatro que deixa a todos indiferentes.

Claudio Longhi, do Piccolo Teatro di Milano, explicou que no seu caso a missão é"um teatro que sirva a todos", especialmente porque a sua instituição só tem um quarto de apoio do Estado, vindo o resto de privados. Consulte Mais informação: Jornal de Notícias »

Novo estudo sobre a origem da Covid-19 aponta para mercado de Wuhan

Teatro Nacional São João tem um novo coração a partir de hojePrograma de reabertura arranca às 19 horas, prolongando-se pelo fim de semana. A entrada é livre.

Todo o teatro de Beckett e um novo romance de Franzen: esta semana nas livrariasO primeiro volume da trilogia A Key to All Mythologies; todo o teatro do Nobel da Literatura 1969; um ensaio sobre a memória de Pedro Cabral e outro sobre a capacidade de raciocínio de Steven Pinker; o romance do Prémio Camões 2018 que fecha a Trilo

Teatro São João regressa ao passado, e ao futuro, em vários actosPassado ano e meio de pandemia, tempo que foi aproveitado para a realização de obras de restauro e modernização, o teatro nacional portuense reabre agora as portas. Ainda a lembrar o centenário do edifício de Marques da Silva, e a história que lhe e

Teatro Romano dá a conhecer as suas muitas vidas com nova exposiçãoHá milhões de anos, o mar chegava até ao local onde está agora o museu de Lisboa, pelo que outrora poderiam lá ser encontrados corais, raias e até mesmo tubarões.

O engano da “dedicação plena”Só resta uma explicação para esta proposta do Governo: ela serve apenas para confundir as negociações em curso com os partidos da esquerda e os sindicatos, fingindo uma cedência que não existe.

OE 2022: Marcelo reitera que chumbo do Orçamento do Estado criaria ''mais um problema''O Presidente da República afirmou que não pretende voltar a chamar os partidos, e que tem acompanhado 'à distância' os contactos as reuniões partidárias para desbloquear a situação. Sempre a mesma ladainha. O chumbo do Orçamento é a democracia parlamentar a funcionar ou só serve quando dá jeito?