O jovem que não sabia que era capitalista

21/09/2021 23:26:00

Partilharpor João CerqueiraEra uma vez um jovem que odiava o sistema capitalista, os mercados, a globalização e o consumismo burguês. Para ele, tudo isso significa pobreza, opressão e exploração – em suma, a desgraça da humanidade. Com muito orgulho, frequentava os acampamentos de Verão do BE e ouvia embevecido as palestras anticapitalistas, além de nunca faltar à Festa do Avante! com a sua t-shirt de Che Guevara. Havia, sim, uma alternativa ao capitalismo e não faltaria muito para o sistema ruir. E contribuía ativamente para essa derrocada convencendo as vítimas do capitalismo de que andavam a ser enganadas.

Mulher que matou o filho autista em Mirandela condenada a 10 anos de prisão Misteriosa ″Equipa A″ resgata cães cercados por lava do vulcão Cumbre Vieja Filipa Martins conquista um inédito 7.º lugar no concurso completo dos Mundiais de ginástica artística

Tudo corria bem, muitos fiéis já convertera, até que um dia se deparou com uma incrédula que, além de rejeitar a boa nova, ripostou com má-fé e demagogia.Disse-lhe que não se podia diabolizar o sistema capitalista e financiá-lo ao mesmo tempo. Isso tornava-o igual ao padre que pregava a virtude e depois ia ter com a amante. Um hipócrita. Pois qualquer pessoa que tivesse um carro, uma televisão, um computador, um cartão de crédito, usasse roupa e sapatos, comprasse remédios, e se abastecesse nos supermercados estava a financiar o sistema capitalista, fazia parte dele e, sobretudo, não desejava qualquer outro sistema alternativo como a troca direta de produtos ou as senhas de racionamento do países comunistas.

O sistema capitalista não era um dragão que vivia numa gruta, raptava donzelas e lançava chamas sobre os pobres. O sistema capitalista não era apenas Bill Gates, Jeff Bezos e demais magnatas. O sistema eram os milhões de pessoas que produziam bens e serviços e os biliões que os compravam ou deles usufruíam. Ou seja, o sistema capitalista era a própria espécie humana que, em total liberdade, ambicionava a melhor qualidade de vida, o maior conforto e os mais requintados prazeres para si e para os seus. O sistema capitalista era a melhor solução encontrada pelo ser humano para melhorar a sua vida, para se realizar e ser feliz. Produzira não apenas riqueza e tecnologia, mas também a mais elevada arte, literatura, música e cinema. Possibilitara ainda o nascimento da democracia, dos direitos humanos e da igualdade entre os sexos. E todas as alternativas ao capitalismo liberal redundaram em tirania, corrupção e miséria. headtopics.com

Assim se explicava que aqueles que responsabilizavam a burguesia capitalista pelos males do mundo não tenham senão imitado – quando não superado – o seu modo de vida: dirigentes comunistas, intelectuais marxistas, cardeais, papas e atores de Hollywood com remorsos sazonais de consciência.

E, então, não havia ninguém que rejeitasse o conforto capitalista, o luxo e a riqueza? Sim, havia: os monges budistas, os franciscanos, as freiras e os membros de seitas que se exilavam em locais remotos (os seus gurus também não eram bons exemplos de abnegação e desprendimento dos bens materiais). Além de, claro, as tribos selvagens que nunca tinham visto uma garrafa de Coca-Cola.

Perturbado, o jovem recorreu ao seu habitual método para se libertar do stress: foi passear no shopping. E dentre as lojas da grande Meca do consumo, nenhuma o acalmava mais do que a Fnac e a sua irresistível parafernália de produtos tecnológicos. E foi então, já totalmente relaxado pela visão cintilante dos últimos computadores, televisões, máquinas fotográficas e iPhones, que se deparou com o seu brinquedo favorito: os telemóveis.

Afinal, o capitalismo era como as alheiras – comer uma de vez em quando, ou comprar algo de quando em vez, não fazia mal nenhum. E aquele novíssimo telemóvel com os mais recentes prodígios da tecnologia, aquele extraordinário objeto mágico cujas potencialidades pareciam infinitas, concebido na América e montado na China, com a empresa cotada em Wall Street e as ações a disparar, estava mesmo a pedir para ser comprado. headtopics.com

Diploma que permite limitar margens na comercialização de combustíveis em vigor sexta-feira Denunciante do Facebook e fundadora do 'Black Lives Matter' abrem Web Summit Covid-19: morreram 8 pessoas em Portugal nas últimas 24 horas e há mais 865 casos

Dali a nada, o jovem estava a ligar o seu novo telemóvel, a entrar nas redes sociais e a desancar o horroroso capitalismo. Há muito tempo que não se sentia tão feliz. Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Corpo encontrado em parque natural dos Estados Unidos corresponde ao de jovem desaparecidaA descoberta do corpo foi feita por agentes da autoridade que passaram os últimos dois dias a vasculhar acampamentos no parque natural em busca de Gabrielle 'Gabby' Petito, de 22 anos

Autoridades investigam causa da morte de jovem que desapareceu durante viagem com namorado nos EUAFBI confirmou ao final da noite de domingo que corpo de Gabby Petito tinha sido encontrado no parque Grand Teton.

Encontrado corpo que corresponde à descrição de Gabrielle Petito, a jovem desaparecida nos EUAO FBI afirma que a identificação ainda não foi confirmada a 100%.

'Ela tocou o Mundo': Pai de jovem que desapareceu nos EUA divulga imagem da filhaMundo - 'Ela tocou o Mundo': Pai de jovem que desapareceu nos EUA divulga imagem da filha

Família de namorado de jovem desaparecida nos EUA reage ao aparecimento de corpoMundo - Família de namorado de jovem desaparecida nos EUA reage ao aparecimento de corpo Clickbait vergonhoso

Jovem morto a tiro por pedir a cliente para usar máscara