O baile dos negociadores

16/01/2022 13:10:00

Eduardo Dâmaso - O baile dos negociadores

Pan, Inês Sousa Real

Eduardo Dâmaso - O baile dos negociadores

O líder do PSD não terá problemas na ‘causa animal’, mas alguns tópicos da chamada ‘causa ambiental’ suscitam-lhe frontal oposição, desde logo na questão da retirada de apoios à plantação de eucaliptos.

O último debate televisivo da pré-campanha foi um interessante ensaio de conversa entre o PAN e PSD sobre uma eventual solução de governo, caso Rui Rio ganhe as eleições e Inês Sousa Real tenha um bom resultado. Já tinha ficado claro no debate do Orçamento que as ditas ‘linhas vermelhas’ do PAN são facilmente negociadas por António Costa. Agora, percebemos que, pelo seu lado, Rio também as quer negociar mas terá de limar algumas arestas. E conter algumas das suas irritações mais primárias.

Consulte Mais informação: Revista SÁBADO »

Líder do CDS ambiciona governar sozinho com PSD, mas fala em eleitorado 'traído' - SIC NotíciasEm entrevista à agência Lusa, Francisco Rodrigues do Santos classificou o CDS-PP como “o partido que pode dar um passaporte ao PSD para poder governar Portugal”. CDS nem 1 deputado vai eleger nestas eleições. Está acabado. Vai mas é rezar umas ave Marias e tomar umas óstias...

PS afasta-se do PSD e Chega ultrapassa BE Rui Rio perde fôlego e António Costa alarga vantagem ​​​​​​​para dez pontos percentuais a duas semanas das eleições. Por que será que não acredito nas vossas sondagens? Aldrabar e condicionar a democracia de uma forma suja.

PS afasta-se do PSD e Chega ultrapassa BE Rui Rio perde fôlego e António Costa alarga vantagem ​​​​​​​para dez pontos percentuais a duas semanas das eleições. Parece que os portugueses abriram finalmente os olhos, apesar da mentira repetida até à exaustão dos media,incluindo os públicos. Prince_x007 Preocupante a posição do Chega....quem neste partido votar ao caos, a médio ou longo prazo vai parar!!!

PSD chumba OE se Costa vencer e apresentar proposta igualO presidente do PSD afirmou que, se o PS vencer as eleições legislativas de 30 de janeiro e António Costa apresentar o mesmo Orçamento do Estado para 2022 que foi chumbado, o partido votará contra. ah ah ah troca tintas Há um Rio que separa a realidade do País (PS) com a fantasia do Liberalismo (PSD, PP, IL CHEGA). O resto são pequenas pedras (BE, PCP, PAN). Não sei se os portugueses estão preparados financeiramente para um liberalismo.

Quem quer casar com o PSD? Edição PAN Rui Rio elogiou o PAN pela forma como está disposto a negociar acordos. Mas Inês de Sousa Real tem condições para esse apoio: debates quinzenais, ordenamento florestal e impostos.

As linhas vermelhas que separam PSD e PAN começam nos debates Rui Rio e Inês Sousa Real protagonizaram o último frente-a-frente televisivo antes do arranque oficial da campanha eleitoral

+ O último debate televisivo da pré-campanha foi um interessante ensaio de conversa entre o PAN e PSD sobre uma eventual solução de governo, caso Rui Rio ganhe as eleições e Inês Sousa Real tenha um bom resultado.CDS-PP defendeu que o PSD e o seu partido devem ter a ambição de governar sozinhos, embora admita que o eleitorado de centro-direita se possa ter sentido “traído” pela ausência de uma coligação pré-eleitoral entre ambos.e receba as informações em primeira mão.e receba as informações em primeira mão.

Já tinha ficado claro no debate do Orçamento que as ditas ‘linhas vermelhas’ do PAN são facilmente negociadas por António Costa. Agora, percebemos que, pelo seu lado, Rio também as quer negociar mas terá de limar algumas arestas. “Eu tenho a certeza absoluta de que o CDS e o PSD devem alimentar a ideia de poder sozinhos conseguir governar o país. E conter algumas das suas irritações mais primárias. Em novembro, com os sociais-democratas dilacerados por uma luta interna, os socialistas conseguiram uma vantagem de 14 pontos. Para continuar a ler . Questionado se esse é um cenário realista face às tendências das sondagens – que colocam partidos como Chega e IL à frente do CDS-PP -, Rodrigues dos Santos deu o exemplo da Câmara Municipal de Lisboa, em que essas novas forças políticas não integraram a coligação.