NATO. PCP condena Governo português por associar-se a um projeto 'perigoso'

NATO. PCP condena Governo português por associar-se a um projeto “perigoso“

14/06/2021 18:45:00

NATO. PCP condena Governo português por associar-se a um projeto “perigoso“

O PCP atacou a 'perigosa estratégia' da cimeira da NATO, hoje em Bruxelas, como 'instrumento de agressão ao nível mundial' e condenou o Governo português por se associar a este 'perigoso projeto de reforço' da aliança

O PCP atacou a"perigosa estratégia" da cimeira da NATO, esta segunda-feira em Bruxelas, como"instrumento de agressão ao nível mundial" e condenou o Governo português por se associar a este"perigoso projeto de reforço" da aliança.

Gustavo Ribeiro brilha e garante final no skate Milhares nas ruas do Brasil para exigir destituição de Bolsonaro Teresa Bonvalot faz história e apura-se para os 'oitavos'

Em comunicado, o PCP afirma que a cimeira da NATO é"um novo passo na perigosa estratégia" para"reforçar este bloco político-militar como um instrumento de ingerência e agressão ao nível mundial", para impor"o domínio hegemónico dos EUA e de outras potências imperialistas sobre os povos do mundo".

Para os comunistas, a Aliança Atlântica, que"contou com a ditadura fascista de Salazar" entre os seus fundadores, tem sido"responsável por décadas de guerras e agressões -- da Jugoslávia à Líbia --, em violação sistemática da Carta da ONU e do Direito Internacional". headtopics.com

E a agenda da reunião de hoje, o Conceito Estratégico e a denominada 'Agenda NATO 2030',"centrados no objetivo da confrontação com a China e a Rússia", torna"evidentes os sérios riscos de uma tal estratégia", alimentada por"setores mais belicistas e reacionários das potências imperialistas".

Dos nove parágrafos do comunicado, um é dedicado ao Governo, criticado por assumir"uma grave responsabilidade ao associar-se ao perigoso projeto do reforço da NATO" que é uma"afronta à Constituição da República Portuguesa que consagra a paz, o desarmamento, a dissolução de todos os blocos político militares".

Em Bruxelas, o primeiro-ministro, António Costa, defendeu que a cimeira da NATO, hoje em Bruxelas, é"muito importante" porque vai permitir o"reencontro" entre a Europa e os Estados Unidos, o que é"particularmente importante" para Portugal.

Sublinhando que o"reforço da dimensão transatlântica é absolutamente essencial", António Costa avançou que é"particularmente importante para Portugal", devido à sua posição geográfica que, através dos Açores, coloca o país na"fronteira do extremo ocidental europeu com os Estados Unidos da América". headtopics.com

Incêndio deflagra em prédio em Algés Yolanda Hopkins nas repescagens Dupla portuguesa falha acesso às meias-finais

Os chefes de Estado e de Governo da NATO reúnem-se hoje em Bruxelas para"reforçar o laço transatlântico", abordar os desafios criados por China e Rússia, e projetar o futuro da Aliança num mundo de"competição global", segundo as palavras do secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.

Consulte Mais informação: Expresso »

Tholos do Barro. Valorizar sepultura megalítica com cinco mil anos

E entrega dos nomes e tudo mais para a Rússia? Não há problema Este só aplaudiria se fosse com a Korea É por estas que o PCP afugenta votantes... De quem o PS depende para ser governo… tanta hipocrisia de um lado e do outro, o que interessa é capturar o poder!

PSD, BE, PCP e PEV dispostos a apertar a malha na concessão de exploração de minasPartidos querem alterar decreto regulamentar do Governo por considerarem que não protege o ambiente Pena n terem 'apertado a malha' à inqualificável Lei 27 n seu art 6.º! Quando é que o Governo deixa de publicar decretos-leis elaborados por sociedades de advogados?

Rui Rio acusa IL de criticar o PCP e fazer pior ao promover arraialSe acabaram os apoios para os profissionais de festivais, é porque já se pode festejar. Ou estamos a obrigá-los a mudar de profissão, à revelia da declaração universal dos direitos humanos? Se não podemos festejar livremente, o desconfinamento tem de ser reavaliado.

Aliança não está a entrar numa nova ″Guerra Fria″, diz secretário-geral da NATO'​​​​​Temos de responder juntos, como uma Aliança, aos desafios que a ascensão da China cria para a nossa segurança', afirmou, no entanto, Jens Stoltenberg.

Secretário-geral da NATO defende que Aliança não está a entrar numa ''nova Guerra Fria''Secretário-geral da NATO defende que Aliança não está a entrar numa “nova Guerra Fria“

Uma China “cada vez mais próxima” preocupa secretário-geral da NATOJens Stoltenberg mostrou-se inquieto com a crescente capacidade militar e económica da China. Regime de Pequim deverá ser designado risco “sistémico” pelos membros da Aliança Atlântica.

Cimeira da NATO: aliados alertam para desafios vindos da Rússia e da ChinaNa cimeira que assinala uma nova relação com os Estados Unidos, os 30 membros da NATO olham com especial preocupação para a Rússia e para a China '...e cuidadinho com o chibo do medina, que esse vai contar tudo a toda a gente.' - acrescentaram.