″Mulheres e raparigas afegãs enfrentam o colapso dos seus direitos e sonhos″

'Mulheres e raparigas afegãs enfrentam o colapso dos seus direitos e sonhos'

Afeganistão, Talibãs

18/01/2022 13:12:00

' Mulheres e raparigas afegãs enfrentam o colapso dos seus direitos e sonhos'

Os talibãs estão a privar as mulheres afegãs dos seus direitos à saúde e educação e de trabalharem e colaborarem na economia doméstica desde que assumiram o poder no Afeganistão , segundo a organização não-governamental (ONG) dos direitos humanos Human Rights Watch ( HRW ).

HRW) e o Instituto de Direitos Humanos da Universidade Estadual de San José (SJSU).A crise humanitária no país fez com que grande parte da população não tivesse acesso a alimentos, água, moradia e assistência médica desde a ascensão dos talibãs ao poder em agosto, o que levou à suspensão de fundos internacionais, ao aumento dos preços, à crise de liquidez e a falta de dinheiro.

"Mulheres e raparigas afegãs enfrentam o colapso dos seus direitos e sonhos, assim como riscos para a sua sobrevivência básica", disse Halima Kazem-Stojanovic, investigadora sénior sobre o Afeganistão no Instituto de Direitos Humanos da SJSU.

Consulte Mais informação: Jornal de Notícias »

carmoafonso penny for your thoughts?

Veja como os investigadores concluíram que os cães conseguem distinguir línguas diferentes - CNN PortugalCNN Portugal. O canal de informação, com uma cultura multiplataforma, que acompanha, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo.

Poderão os robôs substituir os advogados?O Direito é um campo ideal para a inteligência artificial. Para que isso aconteça, é preciso “codificar o pensamento jurídico”. O que pode acontecer num futuro não muito distante.

Vinte milhões viram os debates – afinal os portugueses querem saber de políticaAs estatísticas foram todas elevadas: recorde no número de forças políticas e, também por isso, de total de espectadores. Mas o debate mais visto continua a ser o de Passos-Costa de 2015. A televisão continua a ser o veículo principal para os partid

Amnistia Internacional pede a Itália para não discriminar os não vacinadosPara a Amnistia Internacional, algumas restrições põem em causa direitos fundamentais dos cidadãos italianos. Os voos de passageiros para Macau oriundos de “regiões fora da China” estão proibidos durante duas semanas, devido a dois casos da variante

″No Norte estão os campeões nacionais de perdas de água″O professor universitário Joaquim Poças Martins refere que em Portugal a água é escassa e não lhe 'é atribuído um preço', particularmente na agricultura, e lembra que 'no Norte estão os campeões nacionais de perdas de água'.

A receita para ficar milionário segundo os empresários mais ricos do planetaPode não existir uma folha de instruções com as respostas, mas estes seis multimilionários dão uma ajuda.

"Os talibãs impuseram políticas que violaram direitos e criaram enormes barreiras à saúde e educação de mulheres e raparigas, restringiram a liberdade de movimento, expressão e associação, e privaram muitas do rendimento do seu trabalho", afirmaram num comunicado conjunto a organização Human Rights Watch ( HRW ) e o Instituto de Direitos Humanos da Universidade Estadual de San José (SJSU). A crise humanitária no país fez com que grande parte da população não tivesse acesso a alimentos, água, moradia e assistência médica desde a ascensão dos talibãs ao poder em agosto, o que levou à suspensão de fundos internacionais, ao aumento dos preços, à crise de liquidez e a falta de dinheiro. "Mulheres e raparigas afegãs enfrentam o colapso dos seus direitos e sonhos, assim como riscos para a sua sobrevivência básica", disse Halima Kazem-Stojanovic, investigadora sénior sobre o Afeganistão no Instituto de Direitos Humanos da SJSU. A investigadora acrescentou que as mulheres"estão presas entre os abusos dos talibãs e as ações da comunidade internacional, que levam as mulheres afegãs cada vez mais ao desespero". PUB HRW e ao (SJSU) que não conseguem fazer frente ao aumento dos preços de alimentos básicos, transporte e livros escolares, já que a maioria perdeu sua principal fonte de rendimento depois de os talibãs restringirem o acesso das mulheres ao trabalho. "Apenas quem trabalhou na educação primária ou na saúde ainda pode trabalhar, e a maioria não receberam os seus salários devido à crise financeira", disse o comunicado. A chegada ao poder dos talibãs restringiu o acesso das estudantes afegãs ao ensino médio e superior, bem como a modificação dos currículos para os adaptar às regras islâmicas e dar um maior foco na religião. "[Os talibãs} ditam o que as mulheres devem usar, como devem viajar, a segregação do trabalho por sexo e até que tipo de telefone as mulheres devem ter. Impõem essas regras por meio de intimidação e inspeções", denunciou a organização de direitos humanos. "O futuro parece sombrio... Eu tinha muitos sonhos, queria continuar a estudar e a trabalhar. Estava a pensar em fazer o meu mestrado. No momento, [os talibãs] nem permitem que as raparigas terminem o ensino médio", disse à HRW uma mulher que trabalhava para o anterior governo afegão. Da mesma forma, as mulheres sublinharam que com o desaparecimento da força de segurança nacional e do Ministério da Mulher, agora vivem mais inseguras, e algumas até experimentam"medo, ansiedade, desesperança, insónia e um profundo sentimento de perda e desamparo". "As políticas dos talibãs rapidamente transformaram muitas mulheres e raparigas em prisioneiras virtuais nas suas casas, privando o país de um dos seus recursos mais preciosos, as habilidades e talentos da metade feminina da população", concluiu a diretora para o direito das mulheres, Heather Barr. JN/Agências