Ministério Público do Brasil conclui que esfaqueador de Bolsonaro agiu sozinho

É pedido o arquivamento do inquérito.

05/06/2020 02:46:00

Ministério Público do Brasil conclui que esfaqueador de Bolsonaro agiu sozinho

É pedido o arquivamento do inquérito.

Na manifestação enviada à Justiça Federal em Juiz de Fora, município onde Bolsonaro foi esfaqueado, o MP indicou que, após analisar a investigação, concluiu que o autor, Adélio Bispo de Oliveira,"concebeu, planeou e executou sozinho o atentado".

Vai nascer um miradouro em forma de barco rabelo sobre o Douro Helton Leite eleito o melhor guarda-redes da Liga NOS em junho Benfica confirma Nélson Veríssimo até final da época e deixa palavra a Bruno Lage

Apesar das conclusões do inquérito apontarem que o investigado executou o crime sozinho, o pedido de arquivamento enviado à Justiça Federal é provisório devido a diligências que dependem de decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e que podem, em tese,"revelar a existência de grupo ou pessoas que tenham instigado ou induzido Adélio à prática do atentado", referiu o MP.

A diligência pendente é a análise do telemóvel e dos materiais apreendidos no escritório do ex-advogado de Adélio Bispo, Zanone Manoel de Oliveira Júnior.Em 06 de setembro de 2018, quando participava num comício eleitoral na cidade de Juiz de Fora, no estado de Minas Gerais, o então candidato presidencial Jair Bolsonaro sofreu um ataque com faca, tendo sido posteriormente submetido a várias cirurgias.

O autor do ataque contra Bolsonaro foi preso no mesmo dia, mas em junho do ano passado a justiça absolveu-o por considerar que tem problemas mentais.A prisão preventiva do autor confesso do ataque foi convertida em internamento psiquiátrica por tempo indeterminado.

Em março passado, o juiz Bruno Savino, de primeira instância, determinou que Adélio Bispo fosse internado num hospital psiquiátrico na cidade de Barbacena, também em Minas Gerais."Adélio já estava em Juiz de Fora quando o ato de campanha foi programado. Portanto, não se deslocou até a cidade com o objetivo de cometer o crime. Ele não mantinha relações pessoais com ninguém em Juiz de Fora, tampouco estabeleceu contactos que pudessem ter exercido influência sobre o atentado. Não efetuou ou recebeu ligações telefónicas ou troca de mensagens com possível interessado no atentado ou relacionadas ao crime", frisou hoje o MP.

Segundo o inquérito, ficou também evidente que, nas contas bancárias de Adélio Bispo e dos seus familiares investigados, não houve nenhuma movimentação financeira incompatível com as suas atividades trabalhistas ou com os respetivos padrões de vida.

"Além disso, não foram recebidos valores atípicos ou de origens desconhecidas. Não há respaldo [suporte] à hipótese de que o delito pudesse ter sido praticado mediante pagamento", reforçou o Ministério Público em comunicado.

OMS vigia de perto casos de peste na China e Mongólia Comunidade Israelita de Lisboa acusa PSD de “retirar” direitos na lei dos judeus sefarditas Detido suspeito de abusar sexualmente de filha de um amigo

Caberá agora ao magistrado Bruno Savino decidir se o caso será arquivado ou não.O primeiro inquérito sobre o caso foi concluído em setembro de 2018, no mesmo mês em que o crime ocorreu. A investigação inicial já havia considerado que Adélio Bispo tinha agido sozinho no momento do ataque e que a motivação teria sido"indubitavelmente política".

O segundo inquérito foi iniciado por decisão da Polícia Federal, para assegurar que não houve a participação de terceiros, como um eventual autor moral do ataque - hipótese que acabou por ser descartada.Nesta que foi a segunda investigação realizada pela Polícia Federal sobre o caso, todo o material que foi apreendido ao autor do ataque foi analisado novamente.

Foram investigados dois 'terabytes' de arquivos de imagens, 350 horas de vídeo, milhares de documentos, fotografias e 'e-mails' recebidos e enviados em contas registadas em nome de Adélio Bispo.A polícia também ouviu dezenas testemunhas, o que resultou na elaboração de 23 autos periciais. Sigilos fiscais, bancários e telefónicos do acusado foram levantados, que foi também alvo de diligências de busca e apreensão.

Consulte Mais informação: SIC Notícias »

Mais três polícias acusados pelo Ministério Público dos EUA da morte de George FloydO Ministério Público norte-americano agravou esta quarta-feira para homicídio em segundo grau o agente da polícia que provocou a morte a George Floyd e, pela primeira vez, acusou formalmente os três outros agentes que o acompanhavam, noticiou a imprensa local. 🤔🙏

António Mexia: Os negócios e as contrapartidas que o tornaram suspeito no Ministério PúblicoO presidente executivo da EDP foi confrontado com a iminência de ser acusado de quatro crimes de corrupção ativa. Recusou responder ao juiz Carlos Alexandre, como no passado Ricardo Salgado fez no mesmo processo. Eis as suspeitas do Ministério Público e os argumentos da empresa

Ministério Público alemão assume que Maddie McCann está mortaO Ministério Público de Braunschweig, na Alemanha, assumiu que Madeleine McCann, desaparecida em 2007 no Algarve aos 3 anos de idade, está morta. 😣 tanto tempo e cá vamos nós fazer o memorial 2020 Assumir coisas sem provas é metafísico. Será que descobriram a pila ao sapo!!!

Ministério Público alemão assume que Maddie está mortaCidadão alemão, de 43 anos, investigado por suspeita de homicídio E morreu logo no dia do desaparecimento...penso que só há duas pessoas que sabem (poucos mais) onde estão os ossos (se ainda houverem ossos...)!

MP confirma diligências e inquirição de testemunhas no caso MaddieO Ministério Público confirmou, esta quinta-feira, que há 'diligências em curso' no caso Madeleine McCann, 'designadamente, inquirição de testemunhas.' não passamos de uma coutada provinciana que alimenta miseravelmente a arrogância inglesa. uns capachos onde eles esfregam os pés cagados. lembrem-se de Gonçalo Amaral e honrem-no. Ele tem razão, abaixo a hipocrisia. Andam alimentar terias da conspiração acredito mais na historia dos portugueses e do livro do gonsalo amaral , para mim esse suspeito alemão e mais um tiro para o ar para saberem que andam a trabalhar

Ministério Público confirma diligências e inquirição de testemunhas no caso MaddieMP afirma que investiga\u0026231;\u0026227;o tem sido desenvolvida com \u0026quot;coopera\u0026231;\u0026227;o das autoridades inglesas e alem\u0026227;s\u0026quot;.\r\n