Mercado de obrigações de Macau, uma oportunidade para as empresas lusófonas

Mercado de obrigações de Macau, uma oportunidade para as empresas lusófonas

17/01/2022 04:00:00

Mercado de obrigações de Macau, uma oportunidade para as empresas lusófonas

O Governo de Macau pretende impulsionar a diversificação adequada da economia e a modernização do sector financeiro na Região, em linha com o ciclo de desenvolvimento económico nacional.

Em Setembro do ano passado, foi anunciado um plano geral para a Zona de Cooperação Aprofundada entre Guangdong e Macau em Hengqin, ilha adjacente à Região, a sul de Zhuhai, como forma de aprofundar o princípio enunciado por Deng Xiaoping “um país, dois sistemas” que veio a ser acolhido pela Lei Básica da RAEM, bem como a promoção da diversificação adequada da economia de Macau, facilitação da vida dos residentes da RAEM, um patamar importante para impulsionar o Projecto da Grande Baía, tornando-se num meio político-administrativo para promover a estabilidade e a integração da RAEM na conjuntura do desenvolvimento nacional para concretizar condições para a diversificação das suas indústrias.

Consulte Mais informação: Jornal Económico »

Macau passa a exigir registo de itinerários para se entrar nos serviços públicos

Covid-19: Portugueses impedidos de regressar após proibição de voos para Macau

Portugueses impedidos de regressar a Macau após país proibir voosPortugal - Portugueses impedidos de regressar a Macau após país proibir voos

Portugueses impedidos de regressar após proibição de voos para Macau - SIC NotíciasA proibição de 15 dias foi anunciada, na sequência da deteção de dois casos da variante Ómicron. E qual é a indignação? Nao sabiam que pode acontecer em qualquer País sem aviso? Quem anda á chuva molha-se! Nao se queixem! Aguentem as irresponsabilidades! Bem feita agora amoxam! Há mais de 2 anos abandonados pelo governo português. Sem poderem visitar pais (muitos com 70 ou 80 anos) filhos pequenos ou mais velhos, irmãos, sobrinhos e outros familiares, sem poderem gozar férias (no regresso ficam isolados 28 dias) estão ao abandono desprotegidos.

Portugueses impedidos de regressar a Macau após proibição de voos de “regiões fora da China”Os voos de passageiros para Macau oriundos de “regiões fora da China” estão proibidos durante duas semanas, mas espera-se que a proibição se alongue. O cônsul-geral de Portugal em Macau, Paulo Cunha Alves, garantiu que o consulado “está a prestar to

Portugueses impedidos de regressar após proibição de voos para MacauQuinze dias de proibição de voos de passageiros para Macau, oriundos de 'regiões fora da China', apanharam de surpresa dezenas de portugueses no estrangeiro, impossibilitados de regressar ...

Passados que estão 22 anos desde a transferência da administração de Macau para a República Popular da China, e quando faltam 28 anos para o final do período de transição estabelecido na Declaração Conjunta do Governo da República Portuguesa e do Governo da República Popular da China sobre a Questão de Macau, a Região Administrativa Especial de Macau (“RAEM”) passa por um período decisivo na sua história. A política pública assenta na diversificação da economia, desde sempre dependente quase exclusivamente do binómio turismo-jogo. Em Setembro do ano passado, foi anunciado um plano geral para a Zona de Cooperação Aprofundada entre Guangdong e Macau em Hengqin, ilha adjacente à Região, a sul de Zhuhai, como forma de aprofundar o princípio enunciado por Deng Xiaoping “um país, dois sistemas” que veio a ser acolhido pela Lei Básica da RAEM, bem como a promoção da diversificação adequada da economia de Macau, facilitação da vida dos residentes da RAEM, um patamar importante para impulsionar o Projecto da Grande Baía, tornando-se num meio político-administrativo para promover a estabilidade e a integração da RAEM na conjuntura do desenvolvimento nacional para concretizar condições para a diversificação das suas indústrias. Pretendem as autoridades desenvolver quatro novas indústrias: (1) investigação e desenvolvimento científico e tecnológico e indústria manufactureira de alto nível, (2) marcas de Macau, como a da medicina tradicional chinesa, (3) cultural e turística, de convenções e exposições e do comércio, e (4) financeira. Com o fim de estimular as sociedades comerciais a utilizar o Mercado de Obrigações de Macau para obter financiamento, a Comissão Executiva da Zona de Cooperação Aprofundada publicou na última semana do ano de 2021 uma “Medida Especial de Apoio para a emissão de obrigações em Macau pelas sociedades comerciais (Provisória)”. De acordo com esta Medida, as sociedades que procedam à emissão de obrigações em Macau poderão ser subsidiadas com um valor máximo de 5,5 milhões de Renminbi (760 mil euros), reduzindo os custos de emissão. O início de funcionamento do Mercado de Obrigações de Macau teve a sua origem em 2018, com a criação da sociedade Transacção de Bens Financeiros de Chongwa (Macau), S.A. (“ MOX ”) que gere a plataforma para a emissão e negociação de títulos de obrigações em Macau. Refira-se que, em Janeiro de 2020, a MOX e a Bolsa de Valores do Luxemburgo (LuxSE) assinaram um Memorando de Entendimento com o fim de estabelecer uma cooperação frutífera, em especial na promoção do investimento transfronteiriço e da liquidez para produtos financeiros offshore denominados em renminbi. O mercado obrigacionista de Macau abrange, desde essa data, principalmente a emissão de obrigações estatais, obrigações de governos locais e obrigações de sociedades participadas pelo Estado (“ SOE ”). Até Setembro de 2021, registaram-se 65 processos de admissão à cotação ou emissão de obrigações na MOX, com um montante total de perto de 196 mil milhões patacas (21,56 mil milhões de euros). Actualmente, o enquadramento jurídico-financeiro para a emissão e subscrição de obrigações em Macau encontra-se na secção III do Regime Jurídico do Sistema Financeira, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho de 1993, e em três directivas emitidas pela Autoridade Monetária de Macau (“ AMCM ”): Directiva Relativa à Emissão de Obrigações e à Gestão dos Serviços Relativos à sua Alienação e à Negociação (Circular n.º 008/B/2021-DSB-AMCM), na qual estabelece que as regras e os procedimentos de emissão das obrigações quer pelas sociedades comerciais locais quer pelas sociedades comerciais do exterior Directiva Relativa à Colocação de Obrigações com Tomada Firme e Custódia de Obrigações, publicada pela AMCM, que regula as atividades de oferta, venda e custódia em relação às obrigações das sociedades em Macau; e a Directiva Relativa ao Registo e à Liquidação das Obrigações (Circular n.º 021/B/2021-DSB-AMCM), que visa regular os procedimentos de registo, custódia e liquidação das obrigações emitidas em Macau. As sociedades comerciais constituídas localmente e as sociedades comerciais do exterior de Macau têm de preencher determinados requisitos para que sejam autorizadas a emitir obrigações em Macau destinadas a investidores profissionais, através de subscrição pública, em linha com aquilo que já acontece noutros mercados de valores mobiliários mais maduros, nomeadamente no que toca à situação financeira: (i) Obtenção de lucros, (ii) Fluxos de caixa de operações, (iii) Capacidade de pagamento de juros, (iv) Valor dos ativos/capital, que deve ser superior MOP 100 milhões de Patacas (11,01 milhões de euros). Também recentemente, no Relatório das Linhas de Acção Governativa 2022, o Governo da RAEM preconiza como prioridade a atracção de entidades da China Continental e dos Países-Lusófonos para o mercado de valores mobiliários de Macau, bem como a participação daquelas nas operações de financiamento em renminbi. Como forma de desenvolver o mercado, o Governo pretende cancelar o sistema de apreciação e aprovação da emissão de obrigações vigente e introduzir tipos de licenças de bancos de investimento. Mas não se fica por aí: o Governo de Macau pretende impulsionar a diversificação adequada da economia e a modernização do sector financeiro na Região, em linha com o ciclo de desenvolvimento económico nacional. Para tal, pretende desenvolver o já mencionado mercado de obrigações, mas também a gestão financeira e das actividades de locação financeira e, bem assim, a promoção a construção de um Centro de Liquidação transfronteiriço em renminbi, fortalecendo as actividades financeiras verdes. Em Dezembro de 2021, foi lançada a Central de Depósito de Valores Mobiliários de Macau (CSDM), que é uma “infraestrutura financeira fundamental indispensável para os mercados internacionais maduros de obrigações, acrescendo que a CSDM é uma fonte nova de impulso para o sector do mercado financeiro moderno e a diversificação adequada da economia” como referiu o Secretário para a Economia e Finanças Sr. Lei Wai Nong. Neste contexto, a medida que inclui o subsídio à emissão das obrigações em Macau pelas sociedades comerciais na Zona de Cooperação Aprofundada, irá, com toda a certeza, posicionar o mercado obrigacionista de Macau como canal de financiamento directo na Grande Baía Guangdong-HongKong-Macau, política nacional que junta nove cidades da Província de Guangdong e as duas Regiões Administrativas Especiais. Para as empresas lusófonas, o mercado obrigacionista de Macau deve ser considerado como mais uma oportunidade de financiamento que terá, com toda a certeza, retorno a médio e longo prazo e poderá posicioná-las de forma decisiva na Plataforma de Macau. O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.