Médicos. Leiria com 63 declarações de exclusão de responsabilidade

07/06/2022 00:46:00

Leiria, Ordem Dos Médicos

Destas, segundo a Ordem, 116 são provenientes de médicos especialistas em Medicina Interna.A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) revelou, esta segunda-feira, que recebeu 163 declarações de exclusão de responsabilidade dos médicos da Urgência do Hospital de Santo André, em Leiria, desde novembro do ano passado.

Na ótica da SRCOM, em causa “está a falta de recursos humanos com grave prejuízo para a prestação dos cuidados de saúde à população”.O organismo deixou claro que estes são “números que superam todos os restantes hospitais da região centro juntos”, tendo redigido que os médicos especialistas de Medicina Interna, Cirurgia Geral e da área generalista do Serviço de Urgência queixaram-se da “existência de escalas incompletas, não cumprindo as normas da Ordem dos Médicos e do respetivo Colégio”, assim como das “dificuldades em realizar todas as tarefas, dado o reduzido número de médicos para a Urgência e Bloco e áreas dedicadas a doentes respiratórios”.

Consulte Mais informação: ionline »

Ordem recebeu 163 declarações de exclusão de responsabilidade de médicos de LeiriaA Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos recebeu 163 declarações de exclusão de responsabilidade dos médicos da Urgência do Hospital de Santo André, em Leiria , desde novembro de 2021.

Bombeiros Voluntários de Leiria obrigados a devolver 231.978 euros ao EstadoA Autoridade Nacional de Proteção Civil determinou à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Leiria (AHBVL) a devolução ao Estado de 231.978 euros referentes ao Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais, tendo aquela anunciado a impugnação da decisão.

Politécnico de Leiria transforma sala de aula em laboratório de pensamento complexoEscola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS) do Politécnico de Leiria tem uma sala de aula para construir ideias a partir de problemas, potenciando a aprendizagem com o foco no aluno.

Politécnico de Leiria transforma sala de aula em laboratório de pensamento complexo

Ordem recebeu 163 declarações de exclusão de responsabilidade de médicos de LeiriaA Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos recebeu 163 declarações de exclusão de responsabilidade dos médicos da Urgência do Hospital de Santo André, em Leiria , desde novembro de 2021.

Politécnico de Leiria transforma sala de aula em laboratório de pensamento complexoEscola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS) do Politécnico de Leiria tem uma sala de aula para construir ideias a partir de problemas, potenciando a aprendizagem com o foco no aluno.

Email Destas, segundo a Ordem, 116 são provenientes de médicos especialistas em Medicina Interna.Em causa, segundo a Ordem dos Médicos,"está a falta de recursos humanos com grave prejuízo para a prestação dos cuidados de saúde à população".O despacho, de 16 de maio, do presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), ao qual a agência Lusa teve hoje acesso, decorre da ação de fiscalização à documentação relativa aos pagamentos dos recursos humanos afetos ao Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) de 2020 e 2021.O “pai” do Laboratório de Pensamento Complexo da ESECS é Pedro Morouço LUSA/PAULO NOVAIS Fotogaleria Primeiro Laboratório de Pensamento Complexo em Portugal está a funcionar na ESECS do Politécnico de Leiriadesde Março Nuno Ferreira Santos Na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS) do Politécnico de Leiria há uma sala de aula para construir ideias a partir de problemas, potenciando a aprendizagem com o foco no aluno.

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) revelou, esta segunda-feira, que recebeu 163 declarações de exclusão de responsabilidade dos médicos da Urgência do Hospital de Santo André, em Leiria, desde novembro do ano passado. Na ótica da SRCOM, em causa “está a falta de recursos humanos com grave prejuízo para a prestação dos cuidados de saúde à população”. Não é possível manter uma urgência hospitalar nestas condições de penúria Dos problemas reportados dos médicos especialistas de Medicina Interna, dos médicos especialistas de Cirurgia Geral e da área generalista do Serviço de Urgência estão a"existência de escalas incompletas, não cumprindo as normas da Ordem dos Médicos e do respetivo Colégio, assim como as dificuldades em realizar todas as tarefas dado o reduzido número de médicos para a Urgência e Bloco e áreas dedicadas a doentes respiratórios". O organismo deixou claro que estes são “números que superam todos os restantes hospitais da região centro juntos”, tendo redigido que os médicos especialistas de Medicina Interna, Cirurgia Geral e da área generalista do Serviço de Urgência queixaram-se da “existência de escalas incompletas, não cumprindo as normas da Ordem dos Médicos e do respetivo Colégio”, assim como das “dificuldades em realizar todas as tarefas, dado o reduzido número de médicos para a Urgência e Bloco e áreas dedicadas a doentes respiratórios”. Segundo o documento, nas inspeções às equipas de intervenção do DECIR da corporação, realizadas em 2015, 2018 e 2021,"foram constatados incumprimentos recorrentes às respetivas NOP [normas operacionais permanentes] das forças dos bombeiros no DECIR e diretivas financeiras, relativamente às escalas de serviço, registos de presença e pagamento das comparticipações transferidas pela ANEPC". Naquilo que diz respeito aos especialistas em Ginecologia/Obstetrícia, “para além da escassez geral de médicos, declaram carência de médicos com competência para a realização de ecografias obstétricas”. PUB Nos últimos meses, as informações tornadas públicas dão conta do desvio de doentes urgentes e emergentes para outras unidades hospitalares da região. “É uma situação muito grave e ilustrativa da paralisia do Ministério da Saúde, que pode ter repercussões muito negativas na resposta aos doentes que recorrem a este Serviço de Urgência. Utilizamos as mesas de trabalho numa lógica de trabalho colaborativo com recurso às tecnologias.

Não é possível manter uma urgência hospitalar nestas condições de penúria e não é mais aceitável o silêncio complacente do Ministério“, realçou o presidente da SRCOM, Carlos Cortes, citado em comunicado, salientando que “é necessária uma intervenção urgente da parte do Ministério da Saúde, pois não é viável ter um serviço de urgência inoperacional”. Não é possível manter uma urgência hospitalar nestas condições de penúria e não é mais aceitável o silêncio complacente do ministério", adiantou o presidente da SRCOM, Carlos Cortes, citado na nota de imprensa.. Na ótica do profissional de saúde, “tal configura uma situação de extrema gravidade e que deve ser encarada com a maior brevidade, em defesa da melhor resposta aos doentes”, referindo que “as mais recentes notícias que dão conta da limitação de recursos humanos na urgência de Leiria são muito preocupantes”. “Como é possível a Urgência do Hospital já ter encerrado 50 vezes desde o início do ano e o Ministério da Saúde não ter tomado ainda nenhuma medida para ajudar e apoiar o hospital?”, questionou. Carlos Cortes acrescentou que"as mais recentes notícias que dão conta da limitação de recursos humanos na urgência de Leiria são muito preocupantes". “É preciso passar à ação e acabar com a evidente inação do ministério que está a destruir a pouco a pouco o SNS [Serviço Nacional de Saúde]”, afirmou, sendo que, nesta terça-feira, a SRCOM reunirá com o conselho de administração do Centro Hospitalar de Leiria, seguindo-se uma reunião na Ordem dos Médicos em Leiria. PUB Segundo as conclusões/propostas, o comandante não providenciou, igualmente, pela"existência de um registo de pagamentos" que"comportasse informação referente aos bombeiros que realizaram turnos no âmbito do DECIR". Ler Mais . Na terça-feira, a SRCOM reunirá com o conselho de administração do Centro Hospitalar de Leiria, seguindo-se uma reunião na Ordem dos Médicos em Leiria. Cerca de uma hora depois, sentaram-se em frente aos computadores, com apoio de “tablets”, para construírem a sua visita.