Medicamento da Merck eficaz a evitar casos graves mas não recomendado a grávidas

27/11/2021 02:16:00

Medicamento da Merck eficaz a evitar casos graves mas não recomendado a grávidas

Covıd-19, Sociedade

Medicamento da Merck eficaz a evitar casos graves mas não recomendado a grávidas

A aprovação, dizem os analistas, representaria um grande passo à frente na luta contra a pandemia, pois os profissionais de saúde passariam a ter uma nova e poderosa ferramenta para ajudar as pessoas infetadas

SubscreverA aprovação, dizem os analistas, representaria um grande passo em frente na luta contra a pandemia, uma vez que os profissionais de saúde passariam a ter uma nova e poderosa ferramenta para ajudar as pessoas infetadas.De acordo com os resultados completos do ensaio clínico do medicamento divulgados pela Merck, o molnupiravir reduziria em 30 por centro a taxa de hospitalizações e mortes em doentes de alto risco que o tomem logo após a infeção.

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Sol da Caparica na RTP | Extra | RTP

Os artigos da TV e da Rádio no entretenimento, música, comédia, ficção, artes e espetáculo no universo RTP Consulte Mais informação >>

Sete em cada 10 pessoas estão expostas ao risco de contrair meningite C mesmo vacinadasUma dose única da vacina numa idade precoce não é eficaz a conferir proteção duradoura. Hey!

PR aconselha ″preocupação acrescida″ com violência doméstica em tempo de covid-19Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que as consequências da crise pandémica na 'descompensação das pessoas' ainda não estão medidas, mas reiterou que nalguns casos se traduzem em violência doméstica.

Governo propõe teletrabalho obrigatório após as festasO teletrabalho deverá passar a ser recomendado e não obrigatório nos próximos dias. No entanto, o Ministério do Trabalho já admitiu uma medida mais imperativa durante um período limitado, depois das festas do final do ano. Decisão será tomada esta quinta-feira.

“Aprendemos”, “todos temos de evitar”. Costa dá tudo contra um “trágico janeiro” em plena campanha eleitoralA vacina é boa, a vacina não chega. Voltaram as restrições, mas não as piores. Vamos ter Natal e passagem de ano, mas depois paramos para testagem “Temos de evitar que o janeiro de 2022 possa sequer aproximar-se do trágico janeiro de 2021”, disse - e repetiu três vezes - António Costa, justificando o regresso à não normalidade e um quase confinamento na primeira semana de janeiro. Objetivo: evitar o regresso de uma vaga incontrolável. Pelo meio, evitar um Governo debaixo de fogo antes das eleições

Perguntas a que a DGS tem de responder (sobre quarentenas nas escolas)Os custos das interrupções escolares são diferidos e invisíveis, mas será que os especialistas da DGS não reparam neles?

Mau tempo Açores. Fajã de S. João isolada, mas já com eletricidadeNos Açores, ainda não é possível sair da Fajã de São João, por questões de segurança, mas já há eletricidade.

e receba as informações em primeira mão.Sete em cada 10 pessoas estão expostas ao risco de contrair meningite C, mesmo tendo recebido uma dose única da vacina aos 12 meses, segundo um estudo do Instituto Nacional de Saúde Dr.O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou, em Braga, que, em tempos de crise pandémica, faz todo o sentido haver "uma preocupação acrescida" com o fenómeno da violência doméstica.O primeiro-ministro vai anunciar esta quinta-feira, depois da reunião do Conselho de Ministros, as medidas para travar a propagação da pandemia.

Subscrever A aprovação, dizem os analistas, representaria um grande passo em frente na luta contra a pandemia, uma vez que os profissionais de saúde passariam a ter uma nova e poderosa ferramenta para ajudar as pessoas infetadas. De acordo com os resultados completos do ensaio clínico do medicamento divulgados pela Merck, o molnupiravir reduziria em 30 por centro a taxa de hospitalizações e mortes em doentes de alto risco que o tomem logo após a infeção. O estudo visou analisar a proteção da população portuguesa contra o serogrupo C, causador da doença, 10 anos após a introdução da vacina no Programa Nacional de Vacinação (PNV), por forma a avaliar se a atual estratégia de vacinação no PNV continua a garantir a proteção da população ou se existe necessidade de uma dose de reforço da vacina na adolescência. Produzido pela farmacêutica Merck Sharp & Dohme, em colaboração com a empresa biotecnológica Ridgeback Biotherapeutics, o medicamento reduz a capacidade do coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, de se replicar no corpo, aumentando o número de mutações no material genético do vírus de uma forma que prejudica a sua capacidade de se multiplicar . Em situações de crise, aumenta a violência, não é a violência necessariamente nas ruas, mas é a violência psicológica" , referiu. Na semana passada, a agência Europeia do Medicamento aprovou o uso de emergência do antiviral molnupiravir.500 pessoas com idades entre os 2 e os 64 anos que participaram no Inquérito Serológico Nacional 2015/2016. A decisão da agência, no caso do Comité de Medicamentos para Uso Humano, baseou-se numa revisão de dados, que incluiu resultados de um ensaio clínico com doentes não hospitalizados e não vacinados com uma comorbilidade que os colocava em risco de covid-19 grave.

Os efeitos secundários, ligeiros a moderados, mais frequentes durante o tratamento e nos 14 dias após a última toma do medicamento foram diarreia, náuseas, tonturas e dor de cabeça. A proporção de indivíduos com títulos de anticorpos considerados protetores foi particularmente baixa em crianças dos 2 aos 4 anos que receberam uma única dose de vacina aos 12 meses, mesmo apesar da alta cobertura vacinal alcançada nesta coorte (98%). Inicialmente concebido como uma potencial terapia da gripe e com financiamento do governo americano, este medicamento foi reorientado em 2020 por investigadores da Universidade Emory, no estado da Geórgia, para um possível tratamento da covid-19. A ação do molnupiravir visa uma enzima que o SARS-CoV-2 usa para se reproduzir, inserindo erros no seu código genético que retardam a capacidade de se espalhar e tomar conta de células humanas. "O nosso estudo, bem como estudos noutros países, demonstram que os programas de vacinação seguidos de campanhas de recuperação dirigidas a adolescentes e jovens adultos podem contribuir para a redução da proporção global de indivíduos em risco para a doença de meningite C na população, particularmente nas crianças", defende. Essa atividade genética levou peritos independentes a questionar se o fármaco poderia eventualmente causar mutações conducentes a defeitos de nascença ou tumores, mas a Merck frisou que o fármaco é seguro quando utilizado segundo as instruções. A farmacêutica anunciou ainda em outubro a sua permissão para que outros fabricantes possam produzir o seu comprimido, numa tentativa de ajudar milhões de pessoas em países mais pobres e com pouco acesso às vacinas. Comentando os resultados deste estudo, o pediatra Luís Varanda salientou a sua importância, referindo que Inglaterra já tinha efetuado um estudo semelhante que verificou que ao longo do tempo se vai perdendo imunidade e quando se chega à adolescência, por exemplo, o nível de proteção é bastante baixo.

O Medicines Patent Pool, um grupo apoiado pelas Nações Unidas, revelou que a Merck não vai receber royalties por este acordo enquanto a covid-19 for considerada uma emergência global pela Organização Mundial da Saúde. De acordo com os especialistas, um comprimido antiviral que reduz sintomas e acelera a recuperação pode revelar-se essencial no combate à pandemia, ao aliviar a sobrecarga dos hospitais e ajudar a travar surtos em países mais pobres e com sistemas de saúde frágeis. O professor de pediatria da Faculdade de Ciências Médicas do Instituto de Higiene e Medicina Tropical explicou que a bactéria Neisseria, que causa a meningite, é transmitida sobretudo pelos adolescentes e pelos adultos jovens daí a importância de estarem protegidos. Partilhar .