Legislativas. Prisão perpétua volta a acender debate entre PS e PSD

Legislativas2022, Debate

18/01/2022 11:31:00

Segunda-feira foi dia de campanha por todo o país, e António Costa arrancou a manhã em Lisboa, onde, aliás, se encontrava a maioria dos principais líderes partidários, já que foi também dia de debate televisivo.

Durante uma ação no Teatro Thalia, o primeiro-ministro não hesitou em atirar farpas ao PSD, e recuperou um tema que causou polémica durante os primeiros debates que marcaram este mês: a prisão perpétua.“Temos assistido, até em Portugal, a uma crescente presença de posições que têm na sua raiz um desrespeito pelo valor fundamental da dignidade da pessoa humana e da igualdade. Esses movimentos da extrema-direita, o maior perigo que representam é quando conseguem condicionar os partidos tradicionais, democráticos e do centro”, atacou António Costa. “Quando começam a mitigar e a querer normalizar as propostas com uma raiz desigualitária e de desrespeito pela dignidade da pessoa humana, começamos a abrir uma brecha, que não se sabe como vai desenvolver-se”, concluiu.

Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Ultrapassados por bicicletas e trotinetes, buzinados no fim: fomos andar de carro a 30km/h com a vereadora de Lisboa que o propõe

CNN Portugal. O canal de informação, com uma cultura multiplataforma, que acompanha, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo. Consulte Mais informação >>

Esta n questão só revela o baixo nível do político Costa. Só tenta puxar o tema para assim n se falar dos baixos níveis a q o n/ país chegou. Assim lá vai desviando as atenções (prova disso é este artigo) sobre o q é realmente importante. Mas para Costa a proposta é + do mesmo!

E de prisão sem ser perpétua, falamos?Muito se falou nesta pré-campanha de prisão perpétua, mas nada de prisões. No país com as segundas penas efetivas mais longas da Europa, não sabemos sequer quantos reclusos temos por cela - e poucos parecem querer saber, Nisso o populismo já ganhou.

Tribunal turco decide manter na prisão o filantropo Osman KavalaKavala foi inicialmente acusado de tentar derrubar o governo do Partido da Justiça e Desenvolvimento, ao financiar os protestos do parque Gezi em Istambul, epicentro dos protestos antigovernamentais.

'Prisão covid'. Tiktoker conta experiência em quarentena a bordo de um cruzeiro de sonhoO que seria uma viagem única pelo paraíso das Caraíbas, transformou-se num prova de resistência e isolamento em alto mar. ...

Prisão perpétua. Rio diz que Costa está a conduzir a campanha para 'patamar muito baixo' (com áudio)Costa relembrou um dos temas de debate entre André Ventura e Rui Rio, com o líder do PSD , alegadamente, a abrir a porta, ao restabelecimento da sentença. Rui Rio acusa PS de 'inventar o que o PSD nunca disse e em deturpar o que propomos'.

Campanha arranca com (mau) humor e troca de acusações entre PS e PSDRui Rio pediu uma “campanha pela positiva”, mas não perdeu uma oportunidade para criticar as “mentiras” de António Costa e fazer piadas, nem sempre bem interpretadas. RUI RIO CONTINUA A DEMONSTRAR QUE KOSTA E POR INERÊNCIA OS AFILHADOS DO MESMO SÃO PROFISSIONAIS DA MENTIRA DESCARADA.

Legislativas: Rui Rio acusa PS de deturpar propostas do PSD e insistir na mentiraO presidente do PSD , Rui Rio, acusou hoje o PS “de deturpar” as propostas sociais-democratas e de insistir na mentira, como a privatização da Segurança Social, para “amedrontar” as pessoas.

PSD Segunda-feira foi dia de campanha por todo o país, e António Costa arrancou a manhã em Lisboa, onde, aliás, se encontrava a maioria dos principais líderes partidários, já que foi também dia de debate televisivo. Durante uma ação no Teatro Thalia, o primeiro-ministro não hesitou em atirar farpas ao PSD, e recuperou um tema que causou polémica durante os primeiros debates que marcaram este mês: a prisão perpétua. “Temos assistido, até em Portugal, a uma crescente presença de posições que têm na sua raiz um desrespeito pelo valor fundamental da dignidade da pessoa humana e da igualdade. Esses movimentos da extrema-direita, o maior perigo que representam é quando conseguem condicionar os partidos tradicionais, democráticos e do centro”, atacou António Costa. “Quando começam a mitigar e a querer normalizar as propostas com uma raiz desigualitária e de desrespeito pela dignidade da pessoa humana, começamos a abrir uma brecha, que não se sabe como vai desenvolver-se”, concluiu. Estava lançada a farpa e, para aqueles que talvez estivessem mais distraídos, o primeiro-ministro esclareceu a quem se dirigia: “Quando se começa a achar que a prisão perpétua pode não ser bem uma prisão perpétua, é o primeiro passo para se achar que o racismo não é bem racismo e a xenofobia não é bem xenofobia.” Uma alusão clara à discussão em torno da prisão perpétua que Rui Rio manteve com André Ventura, líder do Chega, durante o debate televisivo entre ambos, e que, já na altura, mereceu uma crítica de António Costa. Rio não deixou passar em branco a acusação e, através do Twitter, respondeu a Costa: “Em lugar de falar das suas propostas, o PS insiste em inventar o que o PSD nunca disse e em deturpar o que propomos”, escreveu, num dia em que se encontrava também a fazer campanha em Lisboa, horas antes de participar no debate televisivo que juntou os nove líderes partidários com assento parlamentar. “Hoje voltaram com a narrativa da prisão perpétua. Estão a conduzir a campanha para um patamar muito baixo, tentando normalizar a lógica politiqueira da mentira”, concluiu ainda o líder do PSD. Na mesma arruada, na Avenida da Igreja, Rio acusou o PS de querer ‘amedrontar’ os portugueses. “Hoje recuperou a ladainha da prisão perpétua, se for assim vai ficar naturalmente a falar sozinho”, augurou. vídeo polémico Recorde-se que, na altura do debate entre Rio e Ventura, em reação, António Costa lançou um vídeo a criticar a posição tomada pelo líder do PSD. “Os valores do humanismo que inspiram a nossa sociedade não são transacionáveis”, dizia o líder socialista, argumentando que “em circunstância alguma podemos ceder nos princípios ou nos valores”. Mais, Costa explicou que “o combate ao populismo exige linhas vermelhas inultrapassáveis”, depois de acusar Rio de ter admitido, “por conveniência”, ou por “necessidade eleitoral”, considerar “as diferentes modalidades para restabelecer a pena de prisão perpétua” em Portugal.