Justiça francesa abre investigação a ex-secretário de Estado por assédio sexual

03/12/2021 03:33:00

Justiça francesa abre investigação a ex-secretário de Estado por assédio sexual

França, Assédio Sexual

Justiça francesa abre investigação a ex-secretário de Estado por assédio sexual

O Ministério Público (MP) de Paris abriu uma investigação judicial ao ex-secretário de Estado ecologista francês Jean-Vincent Placé, em 23 de novembro, depois de uma antiga colaboradora o acusar de assédio sexual entre 2012 e 2016.

Em março, Jean-Vincent Placé foi multado porassédio sexual a um responsável pela sua segurança. Em setembro de 2018, foi condenado a uma pena de prisão suspensa de três meses e a uma multa de mil euros porviolência e desacatos

durante uma noite, admitindo ter sido"extremamente insistente" e"impróprio" com uma pessoa.Um terceiro episódio surgiu através de um tweet, no final de 2017, da antiga colaboradora - com o nome de Audrey -, que agora apresenta queixa, e de um artigo no jornal francês Libération em 2018. Na sede da Embaixada de França em Roma (Itália), em 14 de julho de 2016, o secretário de Estado

Consulte Mais informação: Jornal de Notícias »

Aumentos no Estado abaixo da inflação deste anoA inflação que serve de referência para os salários já vai em 1%. Sem uma fórmula que o vincule às atualizações “regulares”, como acontece no caso das pensões, o Governo decidiu que aos aumentos no Estado deverá ser descontada uma décima.

Orçamento do Estado para 2022 vai a votação final em 14 de dezembro no parlamento angolanoÁfrica - Orçamento do Estado para 2022 vai a votação final em 14 de dezembro no parlamento angolano BOLSONARO ESTÁ MATANDO OS ÍNDIOS E QUEIMANDO AS FLORESTAS DO BRASIL.SEM NATUREZA NÃO HÁ VIDA VOCÊ PODE ME ENTENDER?A AMAZÔNIA E AS FLORESTAS DO BRASIL ESTÃO SENDO DESTRUÍDAS! ISSO VAI CAUSAR CRISES CLIMÁTICAS,SECAS,INUNDAÇÕES, FALTA DE ÁGUA,POLUIÇÃO E MORTES NO BRASIL. 'OXOSSI '

Trabalhadores com salário mínimo no Estado aumentam 22%São sobretudo assistentes operacionais, mas também auxiliares de ação médica, soldados ou forças de segurança. Com a subida de 6% passam a estar abrangidos pelo salário mínimo nacional 110 mil pessoas, 15% do total no Estado.

Marcelo rejeita novo estado de emergência argumentando que situação hoje 'é diferente' de há um ano (com áudio)De acordo com o Presidente da República, os 'oito mil casos fica ainda fica aquém daquilo que tivemos há um ano' e por isso descarta um cenário de estado de emergência. Enfim, fez alguma coisa certa

Governo abre concursos para financiar em 8 milhões de euros investigação e inovação na agriculturaA apresentação de candidaturas pode ser feita a partir desta quinta-feira e até ao final de fevereiro do próximo ano

“Estamos com medo!” Centenas de estudantes manifestaram-se contra assédio sexual na Universidade do MinhoOs estudantes da Universidade do Minho saíram à rua, em Braga, em protesto contra os alegados casos de assédio sexual que têm ocorrido na academia.

Questionado pela agência de notícias AFP e pelo site na Internet francês Mediapart, o MP de Paris confirmou a abertura da investigação por"assédio sexual".Tinha João Leão a pasta do Orçamento quando em 2019 rejeitou fixar na lei uma regra para aumentos salariais.Lusa Parlamento angolano FOTO: Lusa A proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2022 vai a votação final e global no dia 14 deste mês no parlamento angolano e dois dias depois os deputados votam a proposta de lei da cremação.Assine para partilhar E usufrua de todas as vantagens de ser assinante Com o aumento do salário mínimo nacional em 6%, para 705 euros brutos, o número de trabalhadores da Administração Pública que o recebem vai subir 22% para 110 mil, cerca de 15% dos trabalhadores do Estado.

Contacto pela AFP, Jean-Vincent Placé não quis"fazer quaisquer comentários nesta fase"."Vou, claro, responder a todas as perguntas que os investigadores me farão", acrescentou. Em março, Jean-Vincent Placé foi multado por assédio sexual a um responsável pela sua segurança . O documento, maior instrumento de gestão macroeconómica do país, está a ser discutido pelas comissões de trabalho especializadas do parlamento, faltando aprovar o relatório parecer conjunto na especialidade antes do seu regresso ao plenário. Em setembro de 2018, foi condenado a uma pena de prisão suspensa de três meses e a uma multa de mil euros por violência e desacatos durante uma noite, admitindo ter sido"extremamente insistente" e"impróprio" com uma pessoa. Um terceiro episódio surgiu através de um tweet, no final de 2017, da antiga colaboradora - com o nome de Audrey -, que agora apresenta queixa, e de um artigo no jornal francês Libération em 2018.

Na sede da Embaixada de França em Roma (Itália), em 14 de julho de 2016, o secretário de Estado teria"ordenado" a sua colaboradora"a dançar um 'slow'" com o senador centrista François Zoccheto. "Devemos manter, nós, grupo parlamentar do MPLA, a esperança que possamos aprovar um orçamento, que não sendo o ideal, deve ser aquele que mais possa se aproximar de um instrumento que ajude a minimizar as dificuldades que os cidadãos passam neste momento", sublinhou o deputado. No final de 2018, com a face de desfocada, Audrey acusou este último ato no canal de televisão France 3, dizendo que Jean-Vincent Placé a havia"pressionado" e colocado a"mão nas costas". François Zoccheto apresentou as suas"desculpas" por não ter"resistido à ordem" de Jean-Vincent Placé, mas excluiu"qualquer conduta condenável". A AFP não conseguiu obter uma reação, até ao momento. "Repousamos no solo, por estarmos misturados com as outras raças da humanidade e vamos introduzir uma inovação que não é propriamente dos angolanos" notou."Os movimentos de libertação da palavra e as coações amigáveis das mulheres determinaram" que Audrey, de 35 anos, falasse agora, de acordo com o seu advogado, Me Tewfik Bouzenoune.

Segundo a denúncia, Jean-Vincent Placé terá ordenado Audrey --em 2012, na"primeira semana de trabalho - a usar"vestido e escarpins". Audrey acusa o ex-secretário de Estado de ter"tocado nas suas nádegas" numa discoteca em Lille, à margem de um comício de verão em agosto de 2015.. PUB Em meados de maio de 2016, em Seul, Audrey garante que Jean-Vincent Placé"tocou-lhe deliberadamente no peito" num automóvel, no qual se encontrava o embaixador de França na Coreia do Sul , Fabien Penone. Audrey afirma na sua queixa que o antigo secretário de Estado também teria colocado uma"mão na coxa" em outubro de 2014, durante um jantar em com deputados eleitos, bem como uma"mão na parte inferior das costas" em fevereiro de 2016. A AFP não encontrou testemunhas diretas que possam confirmar os episódios.

JN/Agências .