Juízes querem saber porque é que homens absolvem mais agressores domésticos

Juízes querem saber porque é que homens absolvem mais agressores domésticos

Violência Doméstica

22/01/2022 00:24:00

Juízes querem saber porque é que homens absolvem mais agressores domésticos

Estudo concluiu que taxas de condenação por violência doméstica são superiores quando são mulheres a julgar.

O desejo foi expresso, esta sexta-feira, pelo presidente daquele entidade, Manuel Soares, durante a apresentação à Comunicação Social, em Lisboa, do livro"As Respostas Judiciais na Criminalidade de Género".A obra, editada pela Almedina, resulta, em parte, de um estudo solicitado à Escola de Criminologia da Faculdade de Direito da Universidade do Porto pela ASJP, na sequência da polémica, em 2017, em torno de um acórdão em que o juiz Neto de Moura citou a Bíblia e o Código Penal de 1884, para enquadrar crimes de violência doméstica contra uma mulher. Um dos objetivos era perceber o uso de linguagem inapropriada era, ou não, generalizado.

Consulte Mais informação: Jornal de Notícias »

Pk esses mesmos juizes tem tendencia ser violentos julgam as mulheres inferiores Homens querem saber porque é que juízes absolvem mais agressores domésticos. Homens? Pelo que consta são as mulheres.

O elevador social precisa de mais bolsas de estudo no ensino superiorPara que o nosso sistema de bolsas de estudo no ensino superior aumente a sua cobertura devemos contar, em primeira mão, com um maior investimento do Estado. Mas devemos promover também um maior compromisso da Sociedade Civil, em particular das empr

Estudo: Infeção prévia deu maior proteção do que a vacina contra a DeltaOs mesmos cientistas. no entanto,. afirmam que 'a vacinação continua a ser a estratégia mais segura' contra o vírus SARS-CoV-2. Protecção versus imunização..que diferença!

Estudo científico identifica dois primeiros doentes com nova síndromeCientistas descobriram que um menino de três anos e uma jovem de 16 anos, que em comum têm microcefalia.

Estudo científico com envolvimento de Portugal identifica dois primeiros doentes com nova síndromeOs cientistas descobriram que um menino de três anos e uma jovem de 16 anos, que em comum têm microcefalia e perturbações do desenvolvimento intelectual, apresentam mutação do gene BUB1.

Portugal participa em estudo que identifica primeiros doentes com nova síndromePortugal participou num estudo científico que identificou os dois primeiros doentes com uma nova síndrome com origem em mutações genéticas que se pensava serem incompatíveis com a vida, mas que podem servir de marcadores de diagnóstico de doenças raras.

Estudo científico com envolvimento de Portugal identifica dois primeiros doentes com nova síndromeCientistas descobriram que um menino de três anos e uma jovem de 16 anos, que em comum têm microcefalia (cérebro anormalmente pequeno) e perturbações do desenvolvimento intelectual, apresentam mutações em ambas as cópias do gene BUB1, que codifica uma proteína 'responsável pela monitorização de problemas na divisão celular'. Osto não é noticia! É copia!E mal copiada. Não foi em Portugal foram 10 estranjeiros e mais duas portuguesas só com a função de organizar documentos. E quem criou, organizou e lançou fundos monetários foi o European Molecular Biology na Áustria, nada de Portugal!

Porque é que, estatisticamente, um agressor doméstico tem, em Portugal, três vezes mais probabilidade de ser absolvido em primeira instância se for julgado por um homem do que se for julgado por uma mulher? A pergunta ainda não tem resposta e, por isso, a Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) está a ponderar encomendar um estudo científico para perceber o porquê de ser assim. O desejo foi expresso, esta sexta-feira, pelo presidente daquele entidade, Manuel Soares, durante a apresentação à Comunicação Social, em Lisboa, do livro"As Respostas Judiciais na Criminalidade de Género". A obra, editada pela Almedina, resulta, em parte, de um estudo solicitado à Escola de Criminologia da Faculdade de Direito da Universidade do Porto pela ASJP, na sequência da polémica, em 2017, em torno de um acórdão em que o juiz Neto de Moura citou a Bíblia e o Código Penal de 1884, para enquadrar crimes de violência doméstica contra uma mulher. Um dos objetivos era perceber o uso de linguagem inapropriada era, ou não, generalizado. No estudo, conduzido por Jorge Quintas e Pedro Sousa, os investigadores analisaram 212 decisões sobre violência doméstica e 157 sobre violência sexual contra adultos, proferidas entre 2015 e 2019 e escolhidas de modo aleatório. E concluíram que a atuação de Neto de Moura fugiu à regra. Não há discriminação explícita "A fundamentação das decisões não contém explicitamente expressões de discriminação", resumiu, esta sexta-feira, Jorge Quintas. Não foram igualmente identificados, acrescentou Pedro Sousa, desfechos distintos nos processos consoante a idade, a nacionalidade ou as habilitações dos agressores. PUB No final, a surpresa acabou por ser apenas uma: a constatação de que a taxa de condenação nos tribunais singulares é superior quando se trata de uma juíza a julgar (71,2%) face a quando se trata de um homem (45,5%). Já no caso de violações sexuais, cujos processos terminam maioritariamente com pena de prisão efetiva, não se regista qualquer distinção semelhante. "Ainda vamos discutir como é que se consegue passar para a fase seguinte e perceber a razão", rematou Manuel Soares. SABER MAIS Agressores homens Quer na violência doméstica quer nos ataques sexuais, os agressores são principalmente homens e as vítimas maioritariamente mulheres. Enquanto a primeira é prolongada no tempo, as violações são, por norma, atos isolados. "Repulsa social" Um outro estudo incluído na obra, coordenado pela juíza Carolina Girão, permitiu concluir que, apesar de a elevada taxa de penas suspensas, os magistrados não são benevolentes ao julgar violência doméstica. Mas há uma"desconformidade" entre as"soluções legais estabelecidas" e a"repulsa social" causada pelo crime.