P3, Ambiente, Poluição, Cabo Verde, Plástico, Causas

P3, Ambiente

Jovens transformam toneladas de óleo alimentar usado em sabão e detergente

Ambiente: Jovens transformam toneladas de óleo alimentar usado em sabão e detergente

24/10/2020 13:24:00

Ambiente : Jovens transformam toneladas de óleo alimentar usado em sabão e detergente

Para chegar ao sabão e detergente, o óleo passa por várias etapas, desde a filtração e decantação, para expelir todos os resíduos, seguindo depois o tratamento para retirar o cheiro e a cor preta. Jovens esperam tornar a Biodosa na maior empresa eco

Depois da fritura, o óleo usado sai da cozinha para as mãos de dois jovens cabo-verdianos, que, de forma artesanal, já transformaram 7,5 toneladas desse resíduo em sabão e detergente, e que esperam tornar a Biodosa na maior empresa ecológica do país.

″No Name Boys″ violam recolher obrigatório para apoiar o Benfica Líder do CDS sobre Congresso do PCP: ″falta de vergonha e de respeito pelos portugueses″ Restaurantes queixam-se das comissões exigidas pela Glovo e Uber para distribuição de refeições

Alex Mascarenhas e Deritson de Pina terminaram a licenciatura em Engenharia Química e Biológica na Universidade de Cabo Verde (Uni-CV) em inícios de 2018 e não perderam tempo em colocar em prática os ensinamentos dos anos do curso, designadamente os princípios da reciclagem, que

são os quatro ‘R’: reciclar, reduzir, reutilizar e recuperar.E nas pesquisas do mercado, já com intenção de criar a própria empresa, constataram que Cabo Verde é um país “ecologicamente fraco”, com muitos resíduos, como plástico e papel, em que a solução é queima ou depósito em aterro sanitário, disse à agência Lusa Deritson de Pina.

FotoUm trabalhador exibe sabonetes da empresa Biodosa, produzidos biologicamente com óleo de cozinha usado, na cidade da Praia, Cabo Verde, 08 de outubro de 2020. Depois da fritura, o óleo usado sai da cozinha para as mãos de dois jovens cabo-verdianos, que, de forma artesanal, já transformaram 7,5 toneladas desse resíduo em sabão e detergente, e que esperam tornar a Biodosa na maior empresa ecológica do país

FERNANDO DE PINA/LUSAo óleo de cozinha usado, que é ainda mais poluente, tendo os jovens encontrado aí o “ponto forte” para criar a Biodosa, empresa que durante o resto de 2018 funcionou de forma experimental, à procura de apoios e realização de estudos, fez o registo em Janeiro de 2019 e começou a actividade oficialmente no mês seguinte.

Segundo Deritson de Pina, 26 anos, havia muitas soluçõespara a reciclagem do óleo de cozinha usado,como produção de velas, óleo de engrenagem, combustível, mas “o caminho mais fácil” foi a sua transformação em sabão e detergente, dois produtos ecológicos e biodegradáveis.

E o trabalho no terreno começou com os principais restaurantes da cidade da Praia, com apresentação do projecto e recolha dos óleos usados para reciclagem, num processo artesanal, que acontece na casa do outro sócio da empresa, Alex Mascarenhas.

Grupo de cidadãos expulsa campistas selvagens da costa vicentina Miguel Oliveira consegue a primeira pole position no Moto GP Chega adia reunião do conselho nacional de dia 29 e desafia PCP a fazer o mesmo com o congresso

Filtração, decantação e tratamentoPara chegar ao sabão e detergente, o óleo passa por várias etapas, desde a filtração e decantação, para expelir todos os resíduos, seguindo depois o tratamento para retirar o cheiro e a cor preta, descreveu Deritson de Pina.

“Depois iniciamos o processo de produção, colocamos numa bandeja durante 24 horas para secar, cortamos e damos o acabamento para chegar às lojas”, referiu um dos sócios da Biodosa, que usa ainda a soda cáustica, uma base forte para ajudar o óleo a transformar-se em sabão, e as essências naturais são de eucalipto, limão e lavanda. “O processo é todo artesanal, mas a nossa ideia é ser a maior empresa ecológica de Cabo Verde, ter máquinas, entre outros, e o nosso próprio espaço”, perspectivou o engenheiro químico, para quem o facto de ainda estarem instalados em casa de um dos sócios ajuda a reduzir algumas despesas, mas é diferente de instalações próprias.

Os primeiros ‘ensaios’ dos produtos foram feitos precisamente com os moradores de Eugénio Lima, onde têm a instalação provisória, que após usarem o sabão deram-lhe o nome de Rendosa, pelo facto de durar por muito tempo.

FERNANDO DE PINA/LUSAEm menos de três anos de funcionamento, os jovens já recolheram cerca de nove mil litros de óleo em restaurante e particulares na cidade da Praia, dos quais reciclaram perto de 7,5 toneladas, evitando que esse resíduo chegue à natureza ou aos canos de esgoto.

Por mês, a Biodosa produz em média 1500 sabões de barra e vende também uma média de mil, a um preço de 40 escudos (0,36 cêntimos do euro) na fábrica e 30 escudos (0,27 cêntimos do euro) para os revendedores, segundo Deritson de Pina.

Apesar de já ter vários clientes, entre eles os principais minimercados da Praia, o sócio da empresa salientou que ainda há “muita resistência” em Cabo Verde relativamente aos produtos ecológicos e feitos no país.Por isso, além da reciclagem, a empresa aposta forte na consciencialização das pessoas para a protecção ambiental, prosseguiu o jovem empresário, lembrando que um litro de óleo contamina um milhão de litros de água.

▶ Vídeo: Galeno evita prolongamento e apura S. C. Braga para a 4.ª eliminatória A covid não é igual para todos Portugal conquistou mais medalhas nos Europeus de Judo

“São as consequências locais e globais que mostramos às pessoas. E há uma consequência ainda maior quando, durante o processo de decomposição, em que consome muito oxigénio e liberta produtos como dióxido de carbono e metano, que são prejudiciais para a camada de ozono”, referiu o químico.

Ir além dos óleosDeritson de Pina, natural do concelho de Santa Cruz, também na ilha de Santiago e morador em Palmarejo, cidade da Praia, disse que ele e o colega Alex Mascarenhas sentem-se orgulhosos, porque estão a pôr em prática tudo o que aprenderam e por estarem a “fazer alguma coisa para o meio ambiente, proteger o meio ambiente”.

Segundo o engenheiro, por enquanto o foco é a reciclagem de óleo, mas a Biodosa ambiciona trabalhar com todo o tipo de resíduos para os transformar num produto amigo do ambiente e biodegradável.O melhor do Público no email Consulte Mais informação: Público »

Já há data para sorteio da qualificação europeia para o Mundial de 2022

OE2021: Leão afirma ter margem para aumentar dotação para apoio ao empregoO ministro de Estado e das Finanças afirmou esta quinta-feira que o Governo tem margem para aumentar as verbas destinadas ao apoio às políticas ativas de emprego se a pandemia da covid-19 se prolongar ou agravar no país.

Marcelo promulga diploma que eleva para 7.500 assinaturas necessárias para petiçõesO Presidente da República promulgou esta quinta-feira a segunda versão de um diploma que altera o direito de petição, aumentando de 4.000 para 7.500 o número de assinaturas necessárias para que estas iniciativas sejam discutidas em plenário.

″Nunca pensei ficar em estado grave″. São jovens e saudáveis, mas a covid levou-os para os intensivosBruno Lopes, 35 anos, esteve 20 dias acordado no serviço de cuidados intensivos do São João. Ana Patrícia Duarte, 30 anos, esteve 15 dias, mas em coma. Não sabem explicar como lá foram parar, sabem apenas que ter doença crítica não é um exclusivo da população de risco.

Polícia Municipal sensibiliza população de Felgueiras para combate à Covid-19As autoridades vão andar pelas freguesias do concelho para informar e fiscalizar as regras. Se cuidem

UNESCO alerta para milhões de crianças ainda afastadas da escolaAudrey Azoulay alertou para o aumento do 'risco de abandono escolar para os alunos mais vulneráveis', devido às medidas de contenção da covid-19.