Itália impõe multa de 100 milhões de euros à Google

13/05/2021 15:03:00

PartilharA autoridade da concorrência italiana anunciou que impôs à empresa norte-americana Google uma multa de mais de 100 milhões de euros por abuso de posição dominante. Este valor foi declarado depois de o gigante da internet ter recusado aceitar incluir na plataforma Google Play uma aplicação que permite encontrar pontos de carregamento para viaturas elétricas.

Um quarto da população portuguesa já completou a vacinação Bolsonaro gere crise pandémica com ajuda de um ministério-sombra Activista da Greenpeace cai no relvado antes do França-Alemanha

A decisão da autoridade da concorrência de Itália foi anunciada através de um comunicado. Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Itália impõe multa de 100 milhões de euros à GoogleA autoridade da concorrência italiana anunciou hoje que impôs à empresa norte-americana Google uma multa de mais de 100 milhões de euros por abuso de posição dominante. Que é como quem diz: 'precisamos de sacar mais dinheiro, é a vossa vez'.

Itália impõe multa de 100 milhões de euros à GoogleEm causa está a recusa da Google em aceitar incluir na plataforma Google Play uma aplicação que permite encontrar pontos de carregamento para viaturas elétricas.

Estado vai financiar a 100% habitação para famílias residentes em Odemira, diz António CostaO primeiro-ministro explicou, no Parlamento, que o Executivo está a trabalhar em 'respostas diferenciadas' para residentes e para trabalhadores sazonais e assegurou que irá garantir 'soluções de habitação' para todos os trabalhadores. 🤣🤣🤣🤣 E os meus primes de Miranda? ... XOAQUIN tens de ter có bide... para unha casita Propaganda ao mais alto nível. Que falta de tudo. Agora os emigrantes já são importantes...

Turista fica pendurado a 100 metros de altura após queda de ponte de vidro

Retoma progressiva: Período normal de trabalho pode ser reduzido a 100% até junhoO Governo alargou o apoio à retoma progressiva até junho, permitindo às empresas com quebras de faturação de 75% que reduzam o período normal de trabalho até ao máximo de 100%.

AHRESP reitera necessidade de manter apoios para recuperar 100 mil empregos40% das empresas de restauração dizem já ter efetuado despedimentos desde o início da pandemia.