Insuficiência dos registos civis pode deixar milhões sem vacinas em África

África - Insuficiência dos registos civis pode deixar milhões sem vacinas em África

África Do Sul, Fundação Mo Ibrahim

06/12/2021 03:58:00

África - Insuficiência dos registos civis pode deixar milhões sem vacinas em África

Número pode ultrapassar 100 milhões de crianças sem registo até 2030 se não houver investimento neste serviço público.

Vacinados contra Covid-19 com risco de morte mais baixoFOTO: CMA insuficiência dos registos civis em África poderá excluir milhões de pessoas da vacinação contra a covid-19 por falta de acesso a documentação e serviços de saúde, indica um estudo da Fundação Mo Ibrahim publicado hoje.

Segundo o estudo"Covid-19 na África: um caminho difícil para a recuperação", mais de 50% das crianças nascidas em África não tem existência legal por falta de registo, serviços que foram perturbados ou interrompidos durante a pandemia.

Estimativas dos autores indicam que o número ultrapassará 100 milhões de crianças sem registo até 2030 se não houver investimento neste serviço público.Atualmente, o registo de nascimento é gratuito em apenas quatro dos 24 países da África Ocidental e Central, pelo que os custos podem desincentivar o seu uso e prejudicar a campanha de vacinação contra a covid-19. headtopics.com

Matança de 540 animais na Torre Bela sem arguidos um ano depois

Sem registo civil, os cidadãos não têm documentos de identificação nem acesso aos serviços de saúde públicos, o que, por consequência, pode inviabilizar o acesso à imunização.Na África do Sul, estima-se que 15,3 milhões de pessoas não estejam registadas oficialmente, o que pode excluir quase 30% da população da vacinação, indica o estudo.

Por outro lado, apenas oito países (Argélia, Cabo Verde, Egito, Maurícias, São Tomé e Príncipe, Seicheles, África do Sul e Tunísia) têm um sistema universal de registo de óbitos.O estudo cita a Organização Mundial de Saúde, que estima que o número de casos de infeção e mortes associadas à covid-19 no continente estão bastante acima do que é notificado oficialmente.

A insuficiência nos registos civis tem impacto nas medidas e políticas para controlar a pandemia ou avaliar os resultados, avisam os autores."Enquanto não houver dados relevantes e robustos, é muito difícil definir uma política pública e avaliar se ela está a ir na direção certa. É por isso que criámos o Índice Ibrahim de Governação Africana e temos defendido constantemente no últimos 10 anos o investimento nos sistemas de registo civil", afirmou a diretora executiva da Fundação Mo Ibrahim, Nathalie Delapalme.

Apelos ao voto e a entendimentos intensificam-se em dia de votação antecipada

Cabo Verde é o país africano com melhor desempenho nesta área, tendo Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Angola e Guiné Equatorial registado melhorias desde 2010.O estudo"Covid-19 na África: um caminho difícil para a recuperação" consiste numa análise da Fundação dos dados do Índice Ibrahim de Governação Africana (IIAG) nas áreas da saúde, sociedade e economia. headtopics.com

Cuidados de saúde mais acessíveis, maior preparação para futuras pandemias, investimento na educação e sistemas de apoio social, combate à discriminação de género, promoção da liberdade de imprensa e do acesso à Internet, alargamento das redes elétricas e infra-estruturas de transporte no continente são os desafios identificados.

Os autores avaliam o desempenho de cada país africano na última década para assinalar os problemas e fazer sugestões sobre onde os governos devem concentrar os esforços na recuperação da pandemia de covid-19.

Consulte Mais informação: Correio da Manhã »

Seca extrema está a matar os animais do Corno de África e a deixar milhões à fomeDesde março que a chuva é escassa em território africano e por isso a seca extrema e as altas temperaturas estão a matar a vida selvagem e os animais no norte do Quénia, em grande parte da Somália e no sul da Etiópia, os três países que formam o corno de África, a região mais afetada. Pelo menos 26 milhões de africanos estão a lutar por comida. PORTO TOKEN TO THE MOON 💙💙💙 🌑🌒🌔🌕🌗 portotoken portofantoken $PORTO

Portugal já administrou 1,5 milhões de doses de reforço da vacina CovidDGS anuncia ainda que foram administradas 2.060.000 doses de vacinas contra a gripe. OK

Reforço de vacinas contra a Covid-19 supera 1,5 milhões de dosesPortugal administrou, até ao momento, 1,5 milhões de doses de reforço contra a Covid-19 . Este domingo, começa a terceira dose para pessoas com mais de 50 anos que foram vacinadas com a Jenssen.

Ordem dos Farmacêuticos pede maior envolvimento das autarquias para aumentar testagem à covid-19Corrida aos testes contra a covid-19 está a deixar muitas farmácias sem capacidade de resposta. Tudo atrás da fortuna de 20c a 5 $ para a banca no privado pagar dores de dentes fazerem de colaboradores do S.N.S pivôs, devia ser gerido tudo, testagem e vacinas e gestão da pandemia, pelo S.N.S ficava logo com um fundo, colaboradores da saúde donos do privado e público!

Mais de 1,5 milhões de doses de reforço administradas em PortugalA Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou este domingo que já foram administradas mais de 1,5 milhões de doses de reforço da vacina contra a covid-19 e mais de 2.060.000 de doses contra a gripe.

Seca extrema está a matar os animais do Corno de África e a deixar milhões à fomeDesde março que a chuva é escassa em território africano e por isso a seca extrema e as altas temperaturas estão a matar a vida selvagem e os animais no norte do Quénia, em grande parte da Somália e no sul da Etiópia, os três países que formam o corno de África, a região mais afetada. Pelo menos 26 milhões de africanos estão a lutar por comida. PORTO TOKEN TO THE MOON 💙💙💙 🌑🌒🌔🌕🌗 portotoken portofantoken $PORTO