Sars-Cov-2, Coronavírus, Economia, Covid-19, Banca, Santander Totta

Sars-Cov-2, Coronavírus

Grupo Santander cancela dividendos para dar mais 90 mil milhões de euros de crédito

Grupo Santander cancela dividendos para dar mais 90 mil milhões de euros de crédito

03/04/2020 18:11:00

Grupo Santander cancela dividendos para dar mais 90 mil milhões de euros de crédito

A presidente do grupo bancário espanhol Santander, Ana Botín, revelou, esta sexta-feira, que o cancelamento dos dividendos de 2019 e 2020 vai permitir libertar '90 mil milhões de euros de crédito adicional disponível' para as famílias e empresas.

A presidente do grupo bancário espanhol Santander, Ana Botín, revelou, esta sexta-feira, que o cancelamento dos dividendos de 2019 e 2020 vai permitir libertar"90 mil milhões de euros de crédito adicional disponível" para as famílias e empresas.

Pai de Valentina volta a tentar o suicídio na cadeia Autoridades holandesas vão abater visons por suspeita de transmissão da Covid-19 «Ó boi, deixa de falar para o Pepe»: as palavras que levaram à expulsão do adjunto de Conceição

"Ao apoiar as empresas e as famílias agora, vamos ajudar a economia a recuperar mais rapidamente, ajudar as pessoas a voltar ao trabalho e gerar o crescimento que vai impulsionar o nosso negócio e gerar retornos para os nossos acionistas no futuro", afirmou Ana Botín durante a assembleia-geral de acionistas realizada de forma telemática.

A presidente de uma das maiores entidades financeiras do mundo, que também está presente em Portugal, explicou que o cancelamento do dividendo complementar de 2019 e do dividendo de 2020 segue a recomendação feita pelo Banco Central Europeu (BCE).

A autoridade bancária europeia pediu na semana passada aos bancos dos 19 países da zona euro para não pagarem dividendos ou recomprarem ações próprias enquanto durar a pandemia da Covid-19.Ana Botín sublinhou que os bancos estão preparados para enfrentar a crise do novo coronavírus

, que não é"financeira" mas sim"sanitária", e que as entidades financeirassão"parte da solução", já que os empresários devem"criar emprego"."A Covid-19 é uma crise de saúde global que está a conduzir a uma crise económica e social sem precedentes" e por isso"a resposta deve ser de cada um de nós", disse a presidente do grupo espanhol, que também

recordou, emocionada, todos os doentes e a vítimas do novo coronavírus, incluindo o presidente do Santander Portugal, António Vieira Monteiro,"um grande amigo"..Ana Botín recordou que obanco criou um fundo de pelo menos 25 milhões de euros para comprar e doar equipamento e material de saúde e ajudar a conter a propagação do vírus

, com um corte na remuneração da equipa de gestão e do Conselho de Administração e contribuições voluntárias dos funcionários.Até agora, este fundo contribuiu para a compra de duas mil camas para o hospital de campanha construído na Feira Internacional de Madrid (IFEMA) - a região mais afetada pela pandemia --, de dois milhões de máscaras e de 500 respiradores não invasivos, tendo ainda atribuído mais dois milhões de euros para a compra de respiradores para os hospitais.

Presidente da República diz que não são necessários cordões sanitários na região de Lisboa e Vale do Tejo Benfica sem novos casos positivos de Covid-19 Jonas: «Vitória será caminhada para mais um título»

A presidente do Banco Santander também admitiu que o grupo terá de rever o seu plano estratégico devido à pandemia do coronavírus.A Espanha é um dos países mais afetados pelo novo coronavírus, tendo decretado o estado de emergência em 14 de março último e tomado medidas muito rígidas de movimentação da população, que agora está toda confinada em casa, salvo os que asseguram os serviços essenciais.

O Governo espanhol tem de decidir nos próximos dias se vai prolongar o atual"estado de emergência" para além de 11 de abril e se suaviza as medidas muito duras de confinamento em vigor.O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 54 mil.

O continente europeu, com cerca de 560 mil infetados e perto de 39 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 13.915 óbitos em 115.242 casos confirmados até quinta-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 10.935, entre 117.710 casos de infeção confirmados até hoje, enquanto os Estados Unidos, com 6.058 mortos, são o que contabiliza mais infetados (245.573). Na quinta-feira, registaram o número mais elevado de óbitos num só dia num país (1.169).

Consulte Mais informação: Jornal de Notícias »

Turquia vai libertar 90 mil presos, excluindo jornalistas e políticosPara limitar o contágio do novo coronavírus.

'Salvem os mais jovens': Mulher de 90 anos morre com coronavírus após prescindir de ventiladorMundo - 'Salvem os mais jovens': Mulher de 90 anos morre com coronavírus após prescindir de ventilador

Restaurantes e cafés são 90% dos espaços encerradosCerca de 90% dos 1701 estabelecimentos encerrados pelas autoridades durante o estado de emergência foram restaurantes e cafés, 'muitos' dos quais reincidentes.

Detidas 90 pessoas e encerrados 1.633 estabelecimentos por incumprimento do Estado de EmergênciaPortugal - Detidas 90 pessoas e encerrados 1.633 estabelecimentos por incumprimento do Estado de Emergência

Covid-19: 90 detenções por desobediência durante estado de emergênciaInformação avançada pelo Ministério da Administração Interna.

Mais seis detidos por desobediência. São 90 no totalA GNR e a PSP detiveram, nas últimas 24 horas, mais seis pessoas por desobediência às normas do estado de emergência. Desde 22 de março, foram detidos 90 cidadãos, uma parte dos quais por violar a proibição de sair de casa. Começo a ficar preocupado quando ultrapassar o número de mortos por COVID-19.