Governo sem limites. Dissolução não afeta poderes do Executivo

Governo sem limites. Dissolução não afeta poderes do Executivo

Rtp, Notícias

07/12/2021 03:25:00

Governo sem limites. Dissolução não afeta poderes do Executivo

Apesar de o Parlamento estar dissolvido, o Governo está em plenitude de funções e não tem que agir como se estivesse em gestão.

Consulte Mais informação: RTPNotícias »

O debate entre António Costa e Inês de Sousa Real na íntegra - CNN Portugal

CNN Portugal. O novo canal de informação, com uma cultura multiplataforma, propõe-se a acompanhar, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo.

Ou seja, Ditadura de facto. Algo não cheira bem nesta publicidade propagandística da RTP...

Dissolução da AR no limite do prazo permitiu aprovação de todos os diplomasdeve diminuir deve, pelas ideias, propostas e como as pôr em prática que temos ouvido dos políticos a abstenção não irá descer, até pelo contrário tem tendência a subir que os politicos nos tem apresentado

Um governo em “plenitude de funções” depois da AR dissolvida? Constitucionalistas discordamÉ a primeira vez na história da democracia que a dissolução não vem a par da demissão do Governo. Mas mesmo sem se demitir, as funções do executivo estão diminuídas.

Presidente da República dissolve Parlamento e convoca eleiçõesDecreto que procede à dissolução da Assembleia da República foi publicado este domingo

Situação ″preocupante″ no Algarve mas hospitais ″não estão no limite″A situação pandémica no Algarve é 'preocupante', com mais de três dezenas de surtos de covid-19, a maioria em escolas, mas os hospitais 'têm uma margem grande' para absorção de doentes, garantem as autoridades regionais de saúde.

Situação é ″preocupante″ no Algarve mas hospitais ″não estão no limite″A delegada de Saúde do Algarve assegura que os hospitais 'têm uma margem grande' para absorção de doentes.

António Portela: Sem subidas de preços “não podemos manter alguns medicamentos”Os custos dos transportes e, sobretudo, das matérias-primas geram preocupação ao presidente executivo da Bial, porque alguns preços de medicamentos não podem ser alterados. António Portela faz apelo ao Governo e deixa aviso.